terça-feira, 31 de março de 2009

MARÇO - MÊS DA POESIA


Arado
A.M. Pires Cabral
13 Euros; 88 pp.

IRMÃ COTOVIA
I
Vive rente ao solo e é no solo

que faz o ninho e sacia a fome
com as coisas do chão e em silêncio.
Porém, quando precisa de cantar,

muda de elemento: deixa a terra, sobe ao ar,
altíssimo, até onde
nenhum outro pássaro se arrisca.
Dir-se-ia
que sobe a um palco.
Então, dos limites do voo, quase imóvel,
vai derramando breves, repetidos
jorros de júbilo, assim como quem diz:
vejam como estou alto, sustentada

por tão frágeis asas.
Depois que desafogou o peito

das inadiáveis premências da voz,
apeia-se, torna ao solo,
dissimula-se na cor parda da terra,
como se nunca tivesse voado.

A.M. Pires Cabral, in Arado

A.M. Pires Cabral nasceu em Chacim (Macedo de Cavaleiros) em 1941. Licenciado em Filologia Germânica pela Universidade de Coimbra. Foi Professor do ensino secundário em Vila Real, animador cultural, co-organizador das Jornadas Camilianas. Publicou até ao momento cerca de quatro dezenas de títulos de poesia, teatro, romance, conto, ensaio e crónica. Nos livros Cotovia publicou o romance O Cónego (2007) - distinguido com o Grande Prémio da Literatura DST - e os livros de poesia Douro: pizzicato e chula (2004), a que foi atribuído o Prémio D. Dinis - Fundação da Casa de Mateus, As têmporas da cinza (2008) e Arado (2009).

aluimentos
Bénédicte Houart
13 Euros; 80 pp.

o meu carteiro, adoro-o
se me traz facturas saldos bancários
zero na conta a ordem
menos que zero na conta a prazo

poupanças nada e
crédito disparando
faz várias perninhas ali mesmo
no átrio em cima do tapete
desculpando-se com habilidades várias
de modo que eu
ansiosa pelo seu toque
visto-me como quem não quer, mas quero
e peço-lhe mordiscando-lhe a orelha: por obséquio
mais papelada amanhã
dessa que me agiganta até
transformar-me em nada
onde nos desencontraremos

Bénédicte Houart, in aluimentos

Imprensa sobre os livros anteriores:

Esta poesia, simultaneamente subtil e rude, cumprirá a sua estrada de Damasco, incompreendida por certa crítica fascinada por fogachos formalistas, que é o que aí mais se vê.
Torcato Sepúlveda, Público, 19/11/05

“Enquanto poeta, gosta de se colocar no lugar da observadora… Fala de morte como um velho, do sexo como uma prostituta, das mulheres como um homem”.
“E trabalha de várias formas a mesma frase… à procura da palavra exacta mesmo quando essa palavra é a morte, o fim de to
das as possibilidades. E esse é um tema recorrente na sua poesia. A morte e as mulheres ou a mulher, no singular.”
Isabel Lucas, Diário das Notícias, Sábado 8 de Março de 2008.

“Na poesia portuguesa contemporânea… o primeiro livro de Bénédicte, ReconhecimentoVida: Variações, que acaba de sair na Cotovia, confirma essa autonomia desassombrada, nos desequilíbrios como nas asperezas,”
Alexandra Lucas Coelho, Ípsilon, Sexta-feira 04 de Abril de 2008.
(Angelus Novus / Cotovia, 2005), foi uma descoberta desconcertante. Não tinha pares muito evidentes.

http://www.livroscotovia.pt/livros/poesia/aluimentos.htm




Do Princípio
Pedro Braga Falcão
14 Euros; 124 pp.

X

A sinceridade dessa gata,
de um tigrado quase infinito,
delicada como alegre jogo
de crianças adormecidas,
lembra-me, à tarde,
quando ouço pianistas,
uma única varanda
e uma única janela.
Como solstícios de inferno
o repuxo abre-se em luz.
Tomara o canto fosse nosso
sem searas e sem ciprestes.

Pedro Braga Falcão, in Do Princípio

Pedro Braga Falcão nasceu em 1981. Mestre em Estudos Clássicos (Literatura Latina) pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica e licenciado pela Escola Superior de Música, de Lisboa. É professor na Universidade Católica de Lîsboa e instrumentista (Viola de Arco) na Orquestra de Câmara Portuguesa. Traduziu recentemente as Odes de Horácio (Cotovia, 2008). Do Princípio é o primeiro livro de poesia que o autor publica.

imprensa sobre o autor:

"[...] Por exemplo, a Cotovia tem feito um trabalho notável, há pouco publicaram as Odes de Horácio. Não sei quantas pessoas compraram. E a tradução é boa. É feita por um rapaz muito novo que eu não conheço, terá 28 ou 29 anos, certamente será muito melhor daqui a vinte anos, mas a tradução já é muito boa."
António Lobo Antunes, em entrevista em exclusivo para o site: http://www.ala.nletras.com/entrevistas/18022009.htm, a 18 de Fevereiro 2009

Camerata Antiqua de Curitiba

A Camerata Antiqua de Curitiba apresenta-se às 20h de sexta-feira (03), no Clube Concórdia, como parte das comemorações dos 180 anos da imigração alemã no Paraná. No sábado (04), às 18h30, a apresentação acontece na Capela Santa Maria – Espaço Cultural. Os concertos, sob a regência do maestro alemão Hans-Peter Frank, abrem a temporada de 2009. No programa estão a Cantata 137 de Johann Sebatian Bach, e a Missa Trinitatis em Dó Maior, de Wolfgang Amadeus Mozart.

O maestro Hans-Peter Frank é um dos principais regentes europeus. Foi maestro titular de importantes orquestras, em especial a Berliner Sinfonie Orchester e a Staatskapelle Weimar, na Alemanha, e a Orquestra Sinfônica de Helsingborg, na Suécia. Com esses grupos gravou CDs e realizou turnês por toda a Europa, Estados Unidos, Japão, México e Israel.

Para esse primeiro encontro com a Camerata, Peter Frank escolheu obras dos dois mais significativos e prolíficos compositores do século XVIII. A Cantata 137 faz parte de uma sequência de quase 200 composições que Bach escreveu para cultos dominicais, enquanto a Missa Trinitatis foi composta por Mozart, também para cultos católicos, aos 17 anos de idade.

segunda-feira, 30 de março de 2009

MARÉ DE SANGUE


MARÉ DE SANGUE

de Melvin Burgess


Páginas: 376


Autor de Mandando ver, que inspirou a série de TV Life As We Know It, o britânico Melvin Burgess cria, em Maré de sangue, uma história de vingança e aventura, entremeada por mitologia e ficção científica. Ambientada no ano 2200, a narrativa traz uma Inglaterra destruída, que serve de palco para uma guerra entre gangues: Val Volson – que sonha em unificar Londres – versus o cruel e inescrupuloso Conor e sua sede em conquistar a cidade. Um casamento arranjado entre Signy, a caçula de Volson, e o próprio Conor, parece ser a única saída para a paz. O frágil Siggy, irmão gêmeo da noiva, porém, é alçado ao posto de herói, quando uma terrível manifestação do antigo deus Odin se abate sobre a cerimônia, cravando uma faca em uma torre de vidro indestrutível – somente o jovem, qual um rei Arthur do futuro, é capaz de desencravar a lâmina. Bebendo desde Blade Runner ao livro A ilha do dr. Moreau, Maré de sangue já nasce como um clássico da literatura futurista e promete prender o leitor da primeira até a última página.

Agenda de eventos

Quinta-feira, 2 de
abril, às 19:30, na
Livraria Siciliano do
São Conrado Fashion
Mall (Estrada da Gávea,
899, 2º piso, no Rio):
Anna Sharp autografa
o romance A luz azul.



Segunda-feira, 20 de
abril, às 19:30, Marília
Gabriela, autora de Eu
que amo tanto, participa
do encontro Autores e
Ideias, na Livraria da
Vila do Shopping Cidade
Jardim, em São Paulo
(Av. Magalhães de
Castro, 12.000).



Quarta-feira, dia 29
de abril, às 19h, na
Livraria Prefácio,
em Botafogo (Rua
Voluntários da Pátria,
39): Flávio Carneiro
lança Passe de letra.

domingo, 29 de março de 2009

ENFIM - Vocabulario Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP - da ABL

Vocabulario Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP
Autor - ABL


Nº de Páginas: 976

Esta 5º edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) incorpora as Bases do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa aprovado em Lisboa aos 12 de outubro de 1990 pela Academia das Ciências de Lisboa, pela Academia Brasileira de Letras e por delegações de Angola, Cabo Verde, Guiné -Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, com adesão da delegação de observadores da Galiza.

Com este projeto aprovado, a língua portuguesa deixa para trás a condição de ser um idioma cujo peso cultural e político encontra, na vigência de dois sistemas ortográficos oficiais, incômodo entrave a seu prestígio e difusão internacional.

Graças à contribuição dos lexicógrafos e à colaboração sempre bem recebida dos consulentes do VOLP e do programa ABL responde, esta edição se apresenta aumentada em seu universo lexical, corrige falhas tipográficas e oferece informações ortoépicas sobre possíveis dúvidas resultantes de algumas novas normas ortográficas.

LANÇAMENTO MAIS QUE RECOMENDÁVEL DA





sábado, 28 de março de 2009

Jornalistas criticam o discurso sobre a pobreza presente na mídia

Em debate realizado na manhã desta sexta-feira, jornalistas, pesquisadores e representantes da sociedade civil criticaram o discurso sobre a pobreza presente na grande imprensa. As favelas são mostradas como o espaço da violência, da ilegalidade, marginalizada na sociedade. “Uma das questões cruciais na produção de notícias é a ausência desses sujeitos (negros e pobres) nas redações”, aponta a professora da UFRJ, Ivana Bentes.

O sub-editor do O Globo e blogueiro Jorge Antonio Barros aponta que a falta de fontes dos jornalistas dentro das comunidades afeta a produção de notícias e o Estado, no caso do Rio de Janeiro, a polícia, passa a ser a principal fonte de informações.

“A mídia reproduz, infelizmente, o discurso da polícia, porque a polícia é a sua fonte principal”, diz Barros.

Ivana defende o uso de novas tecnologias para o surgimento de um novo discurso, que humanize a situação de pobreza. Sua opinião é compartilhada pelo diretor do Ibase Itamar Silva .

“Enquanto a gente não multiplicar as alternativas de mídia, a gente não colocar mais meios de comunicação sobre a gestão de outros, enquanto a gente tiver a concentração desses meios, a gente vai ficar restrito a esses discursos de ilegalidade”, diz Silva.

O blogueiro chileno e radicado no Canadá Mauricio Segura, relatou a experiência realizada por ele numa comunidade carente de Montreal. A iniciativa surgiu após uma série de protestos causados pela morte de um jovem. Na ocasião, a imprensa local reproduziu apenas o discurso da polícia, sem ouvir os moradores, em sua maioria imigrantes. Para dar espaço para o olhar da comunidade, Segura criou um blog.

“A interação com os moradores ofereceu uma chance de observar melhor o fato e de humanizar a vizinhança”, conta.

Experiência semelhante foi realizada pela ONG Viva Rio, pelo site Viva Favela. O fundador da instituição, Tião Santos, conta que no início, em 2003, os “correspondentes” nem sabiam usar o computador. Eram 15 pessoas em comunidades carentes, mais os jornalistas profissionais que faziam a edição do material. A ideia era fazer uma “inversão das pautas da grande imprensa”.

“Tem lugar que nem a polícia vai, mas lá tem uma radiozinha comunitária, ela está lá. Nós mostramos que é possível fazer informação de qualidade de dentro das comunidades. O caminho está dado”, conclui Santos. (Sérgio Matsuura, do Rio de Janeiro, via Comunique-se)

EVENTO EM BRASÍLIA


clique para ampliar

FCC divulga selecionados do edital Pontos de Cultura

Foram selecionados nove projetos que receberão recursos do

Ministério da Cultura e da Prefeitura de Curitiba

A Fundação Cultural de Curitiba divulgou a relação dos aprovados no edital Pontos de Cultura, lançado em parceria pela Prefeitura e Ministério da Cultura para apoiar iniciativas da comunidade. Foram selecionados nove projetos que receberão recursos financeiros para a sua implementação. Outro edital será lançado no próximo mês para seleção de novos projetos.

O edital foi lançado em Curitiba no final do ano passado e recebeu 32 inscrições. Destes projetos, 19 foram habilitados na análise documental, 13 passaram pela avaliação técnica e, finalmente, nove foram aprovados pela comissão de análise de mérito. São eles: Quem sou eu? (Afro Globo Fórum Cultural), Caminho das Índias (Associação de Yoga do Paraná), Hip Hop no Ponto (Associação dos Quatro Elementos da Cultura Hip Hop do Estado do Paraná), Aprendiz Semeador – Caminhos para uma educação sensível (Associação Malasartes – Educação Sensível), Projeto Lentilha (Companhia de Eventos Culturais e Sociais Axecia), Passagens Literárias (Fundação Sidônio Muralha), Arte em Cena (Instituto de Defesa dos Direitos Humanos), Dançando com os elementos da natureza (Projeto de Danças Artes em Geral) e Globalização da Cultura (Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraniana).

Espalhados por todo o Brasil, os Pontos de Cultura fazem parte do programa Mais Cultura do governo federal. Em Curitiba está prevista a instalação de 30 pontos, preferencialmente nos bairros. Além dos nove já selecionados, outros 21 projetos ainda poderão ser beneficiados pelo programa em novo edital a ser lançado pela Fundação Cultural. Podem se inscrever instituições da sociedade civil, sem fins lucrativos, legalmente constituídas, de caráter cultural ou com histórico de atividades culturais, sediadas e que atuem na produção artístico-cultural há pelo menos 3 anos no município de Curitiba.

Os projetos selecionados recebem cada um R$ 180 mil reais em três parcelas anuais de R$ 60 mil. Os diversos pontos de cultura passam a integrar a rede Cultura Digital, que estabelece a comunicação entre os diversos pontos de cultura do Brasil, e possibilita a divulgação das atividades produzidas e dos produtos culturais elaborados. A Fundação Cultural de Curitiba é a responsável pela coordenação dos trabalhos em Curitiba, desde a formulação do edital, recebimento das propostas, seleção dos projetos, repasse de recursos, mobilização, implementação, acompanhamento, supervisão e fiscalização da rede de Pontos de Cultura na cidade.

quinta-feira, 26 de março de 2009

MARCOS REY – 10 ANOS DE SAUDADE

São Paulo, no próximo dia 1º. de abril, vai lembrar os 10 anos da morte de um filho muito querido, o escritor Marcos Rey.


Aprender a conhecer Marcos Rey é tropeçar pelos escuros escaninhos da mente, da zona da Aurora, dos porres no Coruja da São João, do lanche pobre no "bar do circo" quando não se tinha grana para o Ponto Chic. É conhecer a banda podre, angustiada mas por fim alegre e alcoólica de uma São Paulo que já foi pro ralo. Era o Rey safo comendo do infanto-juvenil e nos deleitando com os esgares de uma cidade horrenda mas sedutora. Rey era o intelectual que não tinha medo da rua do Triunfo e não se envergonhava do triunfo de seus roteiros transpostos para a tela em pleno reinado dos cinepulgueiros. Que saudade dos cinepulgueiros que hoje viraram templos torpes da exploração da fé! Perdemos você meu Rey, meu caro Marcos, mas você não perdeu nada depois do que fizeram a sua cidade! (E.C.)

"Romancista, tradutor, roteirista, Marcos Rey, como poucos de sua geração, conseguiu, por meio de seus textos com enredos bem engendrados e personagens marcantes, retratar o dia a dia das grandes cidades." "São Paulo, sua terra natal, foi o palco de muitas de suas histórias, entre as quais, duas que a Global Editora acaba de levar às livrarias: Esta noite ou nunca e A última corrida."


Marcos Rey, pseudônimo de Edmundo Donato, (São Paulo, 17 de fevereiro de 1925 — São Paulo, 1 de abril de 1999) foi um escritor, tradutor e cineasta brasileiro.

Marcos Rey era descendente de italianos; seu pai, Luís Donato, era um gráfico que trabalhara na Editora Monteiro Lobato, e era um leitor voraz de ficção, transmitindo este gosto aos filhos. Seu irmão mais velho, Mário Donato, também é escritor.

Marcos foi redator de programas de televisão, adaptou os clássicos O Príncipe e o Mendigo, de Mark Twain e A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo em forma de telenovela. Foi um dos autores do roteiro de Vila Sésamo e participou da equipe de redação do Sítio do Picapau Amarelo.

Foi tradutor de livros em inglês, em parceria com seu irmão Mário Donato. Em 1961, escreveu para a coleção juvenil Conquistas Humanas o volume Habitação, que conta a história da residência do homem desde o tempo das cavernas.

Marcos usava sua cidade natal, São Paulo, como cenário de várias de suas obras. O autor se dedicou principalmente às obras voltadas ao público juvenil. Escreveu crônicas, contos e se destacou escrevendo romances. Escreveu também várias obras literárias adultas. Durante os anos 70, foi roteirista de diversos filmes do gênero pornochanchada produzidos na Boca do Lixo, em São Paulo, como As Cangaceiras Eróticas e O Inseto do Amor. No gênero ficção infantil estreou com Não Era Uma Vez, drama de um garoto à procura de sua cadela perdida nas ruas.

Na década de 1990 tornou-se colunista da revista Veja São Paulo.

BIBLIOGRAFIA
Literatura infanto-juvenil
  • Não era uma vez (infantil, 1980)
  • O Mistério do Cinco Estrelas (romance juvenil, 1981)
  • O rapto do Garoto de Ouro (romance juvenil, 1982)
  • Um cadáver ouve rádio (romance juvenil, 1983)
  • Sozinha no mundo (romance juvenil, 1984)
  • Dinheiro do céu (romance juvenil, 1985)
  • Proclamação da República (paradidático, 1985)
  • Enigma na televisão (romance juvenil, 1986)
  • Bem-vindos ao Rio (romance juvenil, 1987)
  • Garra de campeão (romance juvenil, 1988)
  • Corrida infernal (romance juvenil, 1989)
  • Quem Manda Já Morreu (romance juvenil, 1990)
  • Na rota do perigo (romance juvenil, 1992)
  • Um rosto no computador (romance juvenil, 1993)
  • Doze horas de terror (romance juvenil, 1994)
  • Brasil, os fascinantes anos 20 (paradidático, 1994)
  • O diabo no porta-malas (romance juvenil, 1995)
  • Gincana da morte (romance juvenil, 1997)
  • O caso do filho do encadernador (autobiografia, 1997)
  • O menino que adivinhava (romance juvenil, 2000)
  • Diário de Raquel (romance juvenil, 2004)
Literatura adulta
  • Um gato no triângulo (novela, 1953)
  • Café na cama (romance, 1960)
  • Entre sem bater (romance, 1961)
  • A última corrida (romance, 1963)
  • Os grandes crimes da História (paradidático, 1967)
  • O enterro de cafetina (contos, 1967)
  • Memórias de um gigolô (romance, 1968)
  • O pêndulo da noite (contos, 1977)
  • Ópera de sabão (romance, 1978)
  • Soy loco por ti, América! (contos, 1978)
  • Malditos paulistas (romance, 1980)
  • A arca dos marechais (romance 1985)
  • Esta noite ou nunca (romance, 1988)
  • O roteirista profissional (ensaio, 1989)
  • A sensação de setembro (romance, 1989)
  • último mamífero do Martinelli (novela, 1995)
  • Os crimes do olho-de-boi (romance, 1995)
  • O coração roubado (crônicas, 1996)
  • Fantoches (novela, 1998)
  • Cão da meia noite (contos, 1998)
  • Melhores contos de Marcos Rey (antologia, 2005)
  • Mano Juan (romance, 2005) (inédito)

Adaptações para o cinema e a televisão

Prêmios

  • 1968 - Prêmio Jabuti na categoria Contos / Crônica / Novelas, por O enterro da cafetina.
  • 1994 - Prêmio Jabuti na categoria Conto por O último mamífero do Martineli.

OS LIVROS

Esta Noite ou Nunca


208 páginas

Num apartamento em São Paulo, com vista para o Elevado, vive o personagem emblemático desta história: um escritor uma vez premiado, marginalizado pela censura e ditadura que se torna roteirista de pornochanchadas. O autor inspirou-se em sua própria experiência como um dos profissionais mais requisitados para roteirizar e criar cenários e personagens de “filmes de adultos”. Esta noite ou nunca é uma curtição literocinematográfica ambientada na Rua do Triunfo, também conhecida como a Hollywood dos pobres.



A Última Corrida

208 páginas


Uma história envolvente, cheia de emoção, onde os personagens, gente de carne e osso, cruzam seus lances no jogo da vida, amando, sofrendo, vibrando e apostando tudo n´A última corrida.

Neste romance que tem o turfe como pano de fundo, até então um tema nunca usado por outro escritor, Marcos Rey, como num filme – e isso ele sabia fazer –, conduz o leitor para além do espaço onde se passa a história. Numa linguagem sedutora, enxuta, sem subterfúgios, a trama provoca e estimula o interesse o leitor.


LANÇAMENTOS MAIS QUE RECOMENDÁVEIS DA




30 anos depois, a greve mantém-se insepulta

Até hoje me lembro deste malfadado evento. Na época deixei de lançar um jornal de bairro para não "furar" a greve. Realmente essa é uma história que merece ser recontada. E não por mim...(E.C.)

ps. alguém ainda tem o cartaz do Fradim do Henfil fazendo top-top?


por (via Comunique-se)

Eduardo Ribeiro

Um excepcional trabalho conduzido pelo repórter free-lancer Rubens Marujo, sobre quem já escrevi aqui em outras oportunidades, acaba de sair do forno: uma suculenta edição especial do jornal Unidade, do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, sobre os 30 anos da greve de 1979, a completar-se em maio próximo. Ele foi inicialmente planejado para oito páginas, mas acabou saindo com 20, tantos e tão intensos foram os depoimentos colhidos com personagens da base, da cúpula do movimento e também do patronato.

Fica patente nos depoimentos que aquela greve, aprovada numa noite fria do dia 22 de maio de 1979, no Tuca, teatro da PUC, em Perdizes, por 1.692 profissionais, foi histórica na sua capacidade de mobilização e desastrosa na organização e nos resultados obtidos, levando os jornalistas de São Paulo a uma dura derrota, com graves consequências.

Participei intensamente daquela greve, comparecendo a todas as assembleias, às reuniões na redação em que trabalhava (revista A Construção São Paulo, da Editora Pini) e aos piquetes na porta do Estadão e da Folha de S.Paulo. Mas, novato ainda, eu era apenas um militante de baixa graduação no então florescente movimento sindical.

Eu quis a greve como a esmagadora maioria da categoria e como ela muito menos pelas reivindicações postas na mesa (aumento real de 25% fora da data base e estabilidade no emprego para os membros do Conselho Consultivo de Representantes da Redação – CCRR) e muito mais para turbinar aquele momento histórico de luta pela redemocratização do País.

Neste belo e histórico trabalho conduzido por Marujo, para o Unidade, os depoimentos falam por si. Otavio Frias Filho, do Grupo Folha, por exemplo, lembra que “na época, eu entendia bem as razões políticas dos grevistas e simpatizava com elas. Mas atuei no fechamento do jornal naqueles dias, atendendo a uma solicitação de meu pai, o Sr. Frias, que estava convencido de que ceder, naquele momento, enfraqueceria demais a posição dos jornais. E penso hoje que ele estava certo”. Frias também confirma uma afirmação que ficou na cabeça de todos os jornalistas e patrões desde então: “Não diria que após a greve os patrões se ‘uniram para demitir jornalistas ao longo do tempo’. Penso que a greve teve um efeito perverso, do ponto de vista sindical: ela mostrou que era possível fazer edições sofríveis com apenas cerca de 20% dos efetivos das redações. Ficou óbvio que as redações estavam em alguma medida inchadas e por esse motivo houve dispensa de parte dos profissionais nos meses seguintes”.

A opinião externada pelo diretor de Opinião do Grupo Estado, Ruy Mesquita, sobre aquele movimento é um soco no fígado dos que votaram ou defenderam a greve com todas as forças: “A greve, como dissemos à época, foi ‘injusta, inconsequente, irresponsável, inoportuna, anti-democrática e, finalmente, ilegal”. Ruy também afirmou que “outro mito a respeito do movimento é o de que 90% dos jornalistas abandonaram seus postos de trabalho. Não houve tal adesão. Nos primeiros dois ou três dias, houve, de fato, considerável número de ausências, motivadas, em boa parte, pelos métodos agressivos e nem um pouco pacíficos utilizados pelos piquetes para impedir o acesso às redações dos jornalistas que queriam trabalhar. Esses problemas foram sendo contornados e, no sexto dia da greve, pelo menos dois terços dos jornalistas que trabalhavam nas redações do Grupo Estado estavam a postos.

O então presidente do Sindicato, David de Moraes, recluso, diz que não quer mais falar sobre essa greve – “esqueça que eu existo e coloque tudo que já saiu a respeito na minha boca”, afirmou a Marujo, que no texto relatou que encontrou ao telefone um David de Moraes arrasado. David foi responsabilizado por tudo que de ruim aconteceu, chegando a ser chamado maldosamente de Jim Jones, o missionário que levou centenas de pessoas ao suicídio anos antes. Mas há também muitos colegas que o defendem, afirmando que ele foi injustiçado e que não faz qualquer sentido responsabilizá-lo individualmente pelos acontecimentos. Aos 72 anos, aposentado e fazendo alguns frilas de vez em quando, como ressalta Marujo, David quer distância dessa polêmica: “Você sabe muito bem que o Lula tinha voz de comando. Quando ele dizia que ia fazer uma greve, todos os metalúrgicos respeitavam. Mas jornalista é diferente, todo mundo quer dar palpite e deu no que deu”.

Em sua defesa saiu Vicente Alessi Filho, à época um importante militante sindical e que hoje é sócio-diretor da Autodata Editora. Diz Vicente: Há jornalistas que foram justiçados com rigor como consequência da greve de 1979, principalmente pelo seu tão óbvio e incondicional alinhamento aos patrões. David de Moraes, nosso presidente naqueles dias, não é um desses. A palavra que se aplica a ele é outra: injustiçado. Sacanamente injustiçado. Chamado de Jim Jones entredentes nos desvãos das escadas por gente sem coragem para qualificá-lo pessoalmente. E por gente que, por outras razões, queria ver sua gestão navegar no descrédito”. Vicente não cita nome mas garante ter havido naquele movimento a participação sórdida de uma quinta-coluna: “Tantos anos passados, pode me falhar alguma cronologia dos fatos. Mas jamais me faltará a repulsa por grupo político que, depois de defender com ardor a criação dos CCRR, os Conselhos de Redação, e de incentivar a greve, abandonou-a imediatamente após a sua decretação. Animar o sentimento de greve e imediatamente deixá-la à própria sorte foi tática daquele grupo político. Ou seja: a quinta-coluna aconteceu de caso pensado. O caso foi urdido dias antes da assembleia de decretação da greve.”

Alberto Dines, idealizador e diretor do Observatório da Imprensa, diz que “o efeito mais devastador da greve foi a criação da ANJ, Associação Nacional de Jornais (que inicialmente incluía a Editora Abril). A criação de uma entidade deste tipo é, em si, legítima. Mas pode ter consequências catastróficas quando a aproximação entre veículos liquida o pluralismo. O patronato carioca e paulista dividia-se em feudos, as empresas não se comunicavam, os grandes barões da imprensa não se falavam, os aristocratas quatrocentões desprezavam ostensivamente os ‘arrivistas’. A mediação era exercida por políticos ou grandes empresários. A greve uniu o patronato definitivamente.”

Outro depoimento importante presente nesse Especial vem de Audálio Dantas, ex-presidente do Sindicato e da Fenaj, que lembra: “Em 79 eu era deputado federal e estava, portanto, fora das redações. Mas acompanhei de perto a greve, participei de assembleias, numa das quais, na Igreja da Consolação, Emir Nogueira (Nota da Coluna: que viria a suceder David de Moraes, no comando do Sindicato, falecendo no exercício da função) fez um discurso profético: a greve podia fracassar, pela simples razão de que os jornais continuavam circulando, muitos deles noticiando a greve na primeira página. Era uma posição digna e corajosa, pois Emir, mesmo exercendo cargo de chefia na Folha, participava do movimento, a despeito de dele discordar em vários aspectos”.

Lu Fernandes, então uma jovem repórter e a quem o destino reservou a missão de suceder Emir Nogueira no comando do Sindicato pouco tempo depois, disse que “nem nos meus piores pesadelos poderia imaginar o ambiente e a contra-ofensiva que assistimos nas redações na volta ao trabalho. Demissões em massa, ressentimentos, sentimento de derrota, apesar da formidável adesão”.

Ricardo Kotscho, hoje repórter da revista Brasileiros e à época da revista IstoÉ, escreveu para o especial um trecho do que publicou em seu livro Do golpe ao Planalto – Uma vida de repórter: “Embora a adesão à greve tivesse sido expressiva, nenhuma publicação deixou de circular no período, o que levou alguns colegas mais desesperados a pichar em muros o apelo: ‘Não compre jornais’. No cemitério do Araçá, na avenida Doutor Arnaldo, um gaiato acrescentou: ‘minta você mesmo’”. Kotscho disse também que “não tenho nenhuma saudade desta greve nem daquele período negro da nossa história, todos nós ainda submetidos a uma feroz ditadura militar. A maioria dos brasileiros hoje vive melhor e, o que é mais importante, em plena liberdade”.

Juarez Soares, que à época trabalhava na Globo e hoje é apresentador e comentarista esportivo da Rádio Record, recorda de ter participado ativamente da greve: “Falava com veemência em todas as assembleias. Era totalmente a favor da greve, defendia este ponto de vista. Deixava isso bem claro. Como sempre acontece, os pontos de vista eram conflitantes. Me lembro que eu argumentava contra a posição de Emir Nogueira, jornalista que tinha sido professor de grande parte dos que compareciam à assembleia. Emir era contra a greve. Existia o Partidão e sua incontrolável vocação para comandar. O Partidão nunca deixou claro para mim, se queria a greve ou não. Mas esteve presente no comando da paralisação. A Libelu, outra facção política, incendiava as assembleias. Queria por que queria, a greve”. Juarez lembrou ainda que naquele momento entrou em cena a figura de Luís Fernando Mercadante, diretor de Jornalismo da Globo em São Paulo: “Desde os primeiros sinais da greve, ele foi claro: ‘Apoio a decisão de vocês e seguro a bronca’. Sempre esteve do nosso lado. Quando a greve terminou, eu procurei o Mercadante para conversar. Expliquei que ele não poderia fazer mais nada. Entreguei a ele uma lista com sete nomes. De comum acordo, estávamos entregando nossos cargos e empregos para que os demais companheiros fossem preservados. Eram 126. Assim foi feito”.

Juca Kfouri foi outro que ressaltou o papel sereno de Emir Nogueira durante o movimento: “Ele sim foi exemplar ao lado de tantos companheiros que se sacrificaram por uma causa perdida. Porque, ao contrário de tantos que por discordar da greve aprovada legitimamente trataram de furá-la vergonhosamente, Emir deixou um cargo de confiança na Folha, parou junto com a categoria e não deixou de ser a ponderação em pessoa, apesar de estrepitosamente vaiado”. Afirmou também: “Teria sido muito melhor não ter feito aquela greve, embora, que fique claro, eu não me arrependa de tê-la feito, porque éramos nós e nossas circunstâncias”.

Eu também dei a esse especial meu modesto depoimento. No trecho final destaco: “Foram momentos de muita emoção, de catarse, de reencontro com algo maior que estava presente em nossos corações e mentes. Momentos de coragem de quem queria a greve e de prudência e sabedoria dos que não a queriam. Perderam os vencedores e venceram os perdedores. Coisas da Vida. Mesmo derrotada, a greve de 1979 foi o maior movimento da história do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, só comparável à mobilização de três anos antes que se sucederia ao assassinato de Vladimir Herzog, em outubro de 1975, nos porões do Doi-Codi, de São Paulo. Foram tempos realmente muito difíceis e que deixaram cicatrizes. Mas a história se constroi com vitórias e derrotas”.

Vale a pena ver a edição. Para quem é do metier, é documento imprescindível.

(*) É jornalista profissional formado pela Fundação Armando Álvares Penteado e co-autor de inúmeros projetos editoriais focados no jornalismo e na comunicação corporativa, entre eles o livro-guia "Fontes de Informação" e o livro "Jornalistas Brasileiros - Quem é quem no Jornalismo de Economia". Integra o Conselho Fiscal da Abracom - Associação Brasileira das Agências de Comunicação e é também colunista do jornal Unidade, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, além de dirigir e editar o informativo Jornalistas&Cia, da M&A Editora. É também diretor da Mega Brasil Comunicação, empresa responsável pela organização do Congresso Brasileiro de Jornalismo Empresarial, Assessoria de Imprensa e Relações Públicas.

Dia Mundial do Teatro - Imprensa Oficial dá desconto até o dia 29 de março em livros sobre teatro

A oferta vale para os livros das coleções Aplauso e Palco Sur Scène comprados nas livrarias da Imprensa Oficial localizadas na Casa das Rosas, no Museu da Língua Portuguesa, na rua XV de novembro e na sede da Imprensa Oficial, em São Paulo; no Poupatempo Novo Shopping Center, em Ribeirão Preto; e no site www.imprensaoficial.com.br/livraria. No Dia Mundial do Teatro, 27 de março, haverá sorteios de livros em algumas peças em cartaz na Capital.


As livrarias da Imprensa Oficial ficam na Casa das Rosas, no Museu da Língua Portuguesa, na XV de Novembro, no Centro, e na sede da empresa (rua da Mooca, 1921), em São Paulo. Em Ribeirão Preto, no Poupatempo Novo Shopping Center (avenida Presidente Kennedy, 1500). Para comprar pela internet, basta acessar o site www.imprensaoficial.com.br/livraria. Os títulos da Aplauso serão vendidos a R$10,00 (pocket) e R$ 20,00 (especiais). Já os títulos O Fim do Mundo, Cheiro de Chuva e Suíte 1, da Coleção Palco Sur Scène, valerão R$ 15,00.



Serão sorteados 10 títulos em cada uma das seguintes peças:



Um dia (quase) igual aos outros (direção: Neyde Veneziano)

Centro Cultural Banco do Brasil, rua Álvares Penteado 112. Centro. São Paulo

Sessão: Sexta-feira às 19h30

Livro: “De pernas para o ar: O teatro de revista em São Paulo”, de Neyde Veneziano



A filosofia na Alcova (com Cia Satyros)

Local: Espaço dos Satyros 2, Praça Roosevelt, 134

Sessão: Sexta-feira às 23h59

Livro: “Os Satyros: um palco visceral”



A noite do Barqueiro (texto e direção: Samir Yazbek)

Local: Teatro Centro da Terra, rua Piracuama, 19, Sumaré

Sessão: Sexta-feira às 21:30 h

Sorteio: “Teatro”, de Samir Yazbek

quarta-feira, 25 de março de 2009

CURITIBA NA TELA

Em comemoração aos 316 anos da Cidade de Curitiba

De 28 a 30 de março de 2009

Cinemateca de Curitiba

Rua Carlos Cavalcanti, 1174

Entrada franca

Quando o cinema surgiu, muitos dos que logo se encantaram com a sétima arte procuravam representar na tela os momentos do cotidiano. Os operários saindo da fábrica, o bebê comendo e fazendo gracinhas, o trem chegando à estação. Assim que se espalhou pelo mundo inteiro, o cinematógrafo veio acompanhado desse panorama do real. Surgiram os filmes de cavação, os travelogues, dentre outros. Nas cidades, as pessoas compareciam em peso para ver, na grande tela, as ruas por onde passavam para ir ao trabalho, as casas onde moravam, os prédios mais famosos, que abrigavam instituições do governo, as praças onde se encontravam com os amigos. Em Curitiba não foi diferente. A lente de Annibal Requião registrou todos esses momentos e muitos outros que marcaram algumas décadas da capital paranaense. Ao mesmo tempo, surgiam os cinejornais, que registravam as visitas de pessoas ilustres, conferências, exposições e muito mais. Era o tempo de João Batista Groff captar as imagens que comporiam “Pátria Redimida”, o principal filme da época do cinema mudo paranaense.

Algumas décadas se passaram e o Paraná formou muitos outros realizadores que, assim como os pioneiros, continuaram a usar Curitiba como cenário principal de seus filmes. Só que desta vez, as vistas panorâmicas da cidade davam lugar às histórias de ficção, os prédios abrigavam pessoas, com suas tristezas, suas alegrias, suas paixões. A linda construção da igreja agora era palco de travessuras de meninos, as ruas contavam histórias de catadores de papel e de famílias polonesas. Mas o pontapé inicial dado por Requião e por Groff, ou seja, a representação do real, continuou a influenciar diretores que optaram pelo caminho do documentário, registrando com suas câmeras as desventuras e o contentamento dos moradores da margem do Rio Belém, das duplas sertanejas de Curitiba e das artesãs, ícones da cultura popular do Paraná. Portanto, seja como cenário principal ou mero adereço de uma produção muito maior, pode-se dizer que Curitiba continuará cedendo seus prédios, suas praças, suas ruas e, principalmente, a história de seus moradores com o maior prazer, para serem registrados pela câmera dos futuros realizadores paranaenses. Em comemoração aos 316 anos de Curitiba, nada mais justo que reunir alguns dos muitos filmes que marcaram a cidade. Foi o que fez a Cinemateca com a mostra “Curitiba na Tela”. Boa sessão.




Dia 28, às 20h:

PANORAMA DE CURITYBA (BR/PR, 1913 – 4’). De Annibal Requião. Panorama de Curitiba na década de 1912: Palácio do Congresso, Rua José Bonifácio, Praça Dr. João Cândido, Gymnasio Paranaense, Estação Ferroviária, Praça Eufrásio Correia, Praça Tiradentes.

CARNAVAL DE CURITIBA 1920 (BR/PR – 10’). De Annibal Requião. Desfile de carnaval no centro de Curitiba (Rua XV de Novembro e algumas transversais) focalizando aspectos do corso carnavalesco.

CATADORES (BR/PR, 1978 – 7’17” ). Direção de Homero de Carvalho. Documentário sobre os que sobreviviam da coleta de papel em Curitiba, mas fazendo ver a sua necessidade de organização tendo em vista fortalecerem-se diante da figura do intermediário que ficava com a maior parte dos ganhos.

À MARGEM DO BELÉM (BR/PR, 1979 – 13’). Direção de Francisco Alves dos Santos. Documentário sobre os favelados que residem à margem do Rio Belém.

VALDIR E RUTE (BR/PR, 1997 – 15’ ). Direção de Eloi Pires Ferreira, com Maria Adélia, Tupacezetan Matheus, Zeca Cenovicz. A trajetória de um fogão roubado altera a rotina de um casal de catadores de papel que luta pela sobrevivência. Censura livre.

VAMOS JUNTO COMER DEFUNTO? (BR/PR, 1990 -13’). Direção de Eloi Pires Ferreira, com Luciano Mengarelli, Rafaello Rossi, Maria Adélia. Filme que evoca, a pretexto do trocadilho-título, lembranças e vivências do próprio Eloi num bairro curitibano na década de 1960 - as algazarras infantis, grupos rivais, jogos, e as idas em bloco à igreja local, sempre que havia encomendações fúnebres – o primeiro contato, inevitável, com a morte.

POLACO DO NHANHA (BR/PR, 2001 – 20’ ). Direção de Eloi Pires Ferreira, com Luthero Almeida, Maristela Reinehr, Marcelo Lipiec. A sensível reconstituição de um dia na vida de uma família polonesa, ao impacto da chegada da televisão na cidade.

Classificação livre para este programa

Dia 29, às 20h:

FILMES RESTAURADOS DO ACERVO DA CINEMATECA DE CURITIBA:

Cine Jornal nº 3 – sonoro. Duração 9’.

- Curitiba recebe a visita do ministro da Suíça Dr. Henry Vallaton;

- Corrida do “Fogo simbólico da pátria” no território do Paraná / Corredores na estrada / Chegam ao Centro de Curitiba / Palanque com autoridades / Solenidade;

- Exposição em Curitiba do artista Poty Lazarotto;

- Polícia do Estado do Paraná comemora 90 anos em 10/08/1944;

- Grupo anexo à escola de professores;

- Acampamento do CPOR em Curitiba / Manobra de artilharia.

Cine Jornal nº 11 – Curitiba e Porto Alegre – sonoro. Duração 5’

- Honra ao mérito – condecoração de dois heróis da F.E.B. / Soldados no campo / Manobras de guerra;

- Conferência de governadores em Porto Alegre;

- O educandário de Curitiba em festa.

O Dia da Bandeira, 1937 – Groff – mudo. Duração 9’

- Srs. Manoel Ribas, Governador do Estado e General Meira de Vasconcellos passa revista à tropa;

- Recepção ao Governador do Estado e Comandante da Região;

- Juramento dos conscritos de 1937;

- Governador Manoel Ribas, General Meira e Comandante Pinto de Oliveira;

- Srs. Gonçalves Motta e Ângelo Lopes – Secretários do Estado;

- Radialistas da 1ª PRB2;

- Desfile do Exército / Aparece Correio Antigo;

- Militares e soldados do Corpo de Bombeiros;

- Desfile Escola Normal;

- Sr. Gaspar Vellozo, diretor geral da Educação;

- Ginásio Novo Ateneu / Grupos Escolares / Praça Santos Andrade;

- Universidade Federal do Paraná / Desfile das Associações Esportivas / Parada de fogo.

Círculo Militar do Paraná – sonoro. Duração 2’30”

- Acontecimento social. Fachada do Círculo Militar do Paraná. Interior (pessoas tomando chá-lanche). Close de algumas pessoas que estão nas mesas. Enfermeiras (moças com avental onde tem uma cruz). Músicos tocando/Casal de bailarinos.

Cine Jornal nº 8 – Chega em Curitiba o novo Interventor

- Solenidade de posse do interventor

- Homenagem do PSD ao Dr. Brasil Pinheiro Machado;

- Curitiba recebe o novo comandante da região;

- Manifestação de apreço e reconhecimento.

Cine Jornal nº 7 – sonoro. Duração 8’

- Condecorado pelo Governo Norte - Americano, o General Ary Pires / Dia das Mães em Curitiba (Estádio Couto Pereira);

- Crianças dançando com trajes típicos;

- Festividades da vitória no Círculo Militar do Paraná;

- Aeroclube do Paraná recebe mais dois aviões de treinamento;

- Escola de trabalhadores rurais de Ivaí.

Cine Jornal nº 5 – Encerramento da Semana da Criança em Curitiba – sonoro. Duração 9’30”

- Solenidade de encerramento da semana da criança;

- Homenagem a magistratura paranaense ao interventor Manoel Ribas;

- Colação de grau na Escola de Professores de Jacarezinho;

- Inauguração da ponte sobre o Rio Iguaçu em União da Vitória;

- Inauguração da expedição agropecuária de Rebouças;

- Colação de grau na Escola de Educação Física.

RAINHA DE PAPEL (BR/PR, 1998 – 17’ ). Direção de Estevan Silveira e Osval Dias de Siqueira Filho (Tiomkim). Documentário sobre a artesã, poeta e artista popular Efigênia Rolim, ícone da arte popular do Paraná.

BALADA DO VAMPIRO (BR/PR, 2007 – 13’). De Beto Carminatti e Estevan Silveira, com João Luiz Fiani. História de Nelsinho, famoso personagem dos contos do escritor curitibano Dalton Trevisan.

EM BUSCA DE CURITIBA PERDIDA (BR/PR, 2008 – 14’). Direção de Estevan Silveira, com Alexandre da Silveira, Alzemiro Amaral, Anna Lajes Pinheiro. Adaptação do conto de Dalton Trevisan, do livro Mistérios de Curitiba. Trata-se de uma releitura de Curitiba dos anos 70.

Classificação 14 anos para este programa

Dia 30, às 20h:

BELARMINO E GABRIELA (BR/PR/2007 – 85’). Direção de Geraldo Pioli. – Documentário musical sobre a famosa dupla sertaneja do Paraná, que iniciou carreira da década de 1940 em Curitiba. Músicos e humoristas, durante quatro décadas eles pontificaram nos shows populares, circos, rádios, e no disco. O filme reconstitui as apresentações da dupla, canções que já fazem parte do imaginário sertanejo paranaense, como As Mocinhas da Cidade e Passarinho Prisioneiro. – Participação do Grupo Viola Quebrada, do músico Marinho Galera, da dupla Rui e Soraia Graciano, como também Ivan Graciano e Família. Classificação livre

PROGRAMAÇÃO CINEMA CURITIBA

De 27 de março a 2 de abril de 2009

Domingo, 29 de março – ingresso a R$1,00

CINEMATECA - Sala Groff – Rua Carlos Cavalcanti nº 1.174 / fone (41) 3321-3270 (De segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h30) e (41) 3321-3252 (diariamente, das 14h30 às 21h) – Ingressos a R$ 5 e R$ 2,50 (estudantes). Gratuito para pessoas com idade a partir de 60 anos. www.fccdigital.com.br

A ALEGRIA DE EMMA (Emmas Glück – Alemanha, 2006 – 99’). Direção de Sven Taddicken, com Jördis Triebel, Jürgen Vogel, Hinnerk Schönemann. Após receber a pior notícia de sua vida um homem desesperado decide fugir de tudo, rumo ao lugar mais bonito do mundo: o México. Quando ele acidentalmente aterrissa na fazenda de Emma, se dá conta de que a felicidade verdadeira pode estar logo após a próxima curva. Classificação 16 anos

De 27 a 31, sessões somente às 16h

Dias 1º e 2 – sessões às 16h e 20h

A LANTERNA (BR/PR, 2009 – 11’). Direção de Almir Correia, com Alex Vallin, Osvaldo Soares, Maurini de Souza, Arnaldo Sbalqueiro. Uma lanterna que desperta os mortos e as almas que estão vivendo entre nós. Classificação 12 anos

Dia 27, às 19h30 – entrada franca

MOSTRA CURITIBA NA TELA

De 28 a 30 – às 20h – entrada franca (ver programação anexa)

AGRADEÇO(BR/PR, 2008 - 15’). Direção de Carolina Angelo, com Eliane Souza Santos, Maria Célia dos Santos, Silmar Alves, Dilcel Metzger, Rubens Correia e Cesar Almeida. “Agradeço” revela as diferentes relações existentes entre admiradores e devotos com Maria Bueno, conhecida por muitos como a "santa curitibana". O documentário mostra como Maria Bueno faz parte da cidade de Curitiba, está presente em suas vidas e no cotidiano dessas pessoas. Classificação livre

Dia 31, às 20h – entrada franca


PROGRAMAÇÃO

De 27 de março a 2 de abril de 2009

Domingo, 29 de março – ingresso a R$1,00

CINE LUZ Rua XV de Novembro nº 822 / fone (41) 3321-3270 (De segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 18h30) e (41) 3321-3261 (diariamente, das 14h30 às 21h). Ingressos a R$ 5 e R$ 2,50 (estudantes). Gratuito para pessoas com idade a partir de 60 anos. www.fccdigital.com.br

Lançamento:

O SEGREDO DO GRÃO (França, 2007 – 151’). Direção de Abdel Kechiche. Com Habib Boufares, Hafsia Herzi, Farida Benkhetache. Slimane Beiji tem 60 anos e enfrenta um divórcio após anos de casamento. Sem emprego nem salário, ele é obrigado a seguir dependente de sua família, transformando-se num homem inútil para a sociedade e fracassado. Ele resolve focar em seu maior sonho: abrir um restaurante. Classificação 14 anos

Sessões às 16h e 19h

Domingo, dia 29 – sessão somente às 19h

KIRIKOU – OS ANIMAIS SELVAGENS (Kirikou et les bêtes sauvages – França/2005 – 75’). Animação dublada. Direção de Bénédicte Galup e Michel Ocelot. Kirikou é menino muito pequenino, nascido em uma aldeia da África Ocidental. O garotinho não alcança nem o joelho de um adulto, mas terá de enfrentar a poderosa e malvada Karabá, feiticeira que secou a fonte d’água da aldeia de Kirikou, engoliu todos os homens que foram enfrentá-la e ainda pegou todo o ouro que tinham. Nessa aventura, o garotinho enfrenta muitos perigos e percorre lugares que somente pessoas pequeninas poderiam entrar. Classificação livre

Domingo, dia 29 – sessões às 10h30 e 15h30

"Viagens à Lua e outras extravagâncias cinematográficas românticas ou não"

"Viagens à Lua e outras extravagâncias cinematográficas românticas ou não"

- Lauro António -

no Clube Literário do Porto

Amanhã, dia 26 de Março, pelas 21h30, o Clube Literário do Porto recebe Lauro António"Viagens à Lua e outras extravagâncias cinematográficas românticas ou não". para uma conferência em torno do tema da Lua no Cinema, intitulada

A conferência está inserida no Ciclo da Lua, ciclo que integra as comemorações do Ano Internacional da Astronomia -2009.
Das Artes aos avanços científicos e à influência dos astros nos povos, passando pela conquista da Lua, o Ciclo reúne painéis das mais diversas áreas artísticas, científicas e de investigação, decorrendo semanalmente durante o mês de Março, com entrada gratuita, no Auditório do Clube Literário.

Clube Literário do Porto
Rua Nova da Alfândega, n.º 22
4050-430 Porto
T. 222 089 228
Fax. 222 089 230
Email: clubeliterario@fla.pt
URL: www.clubeliterariodoporto.co.pt
BLOGUE: http//www.clubeliterariodoporto.blogspot.com


Museu da Casa Brasileira e site Arq!Bacana promovem passeio de arquitetos no Tietê, o ArqTour

O site Arq!Bacana está organizando no sábado, 4 de abril, em parceria com o Museu da Casa Brasileira (MCB), instituição vinculada à Secretaria de Estado da Cultura, o primeiro ArqTour de 2009 com um passeio pelo rio Tietê para arquitetos, urbanistas, paisagistas e designers. O evento é uma oportunidade de encontro e discussão “in loco” não só sobre o rio mas também sobre o seu entorno e temas relacionados, como mananciais, economia de água, meio ambiente e paisagem urbana. Esse passeio oferece uma chance única de observar uma parte de São Paulo sob um ângulo absolutamente inusitado.

O barco Almirante do Lago parte do Cebolão, vai até a ponte Atílio Fontana, e retorna após uma hora e meia. Durante o trajeto haverá uma apresentação de 20 minutos em multimídia sobre o rio Tietê e o seu entorno. Crianças de qualquer idade também podem participar (até 12 anos não pagam) deste passeio de educação ambiental. O barco conta com o apoio de dois monitores para ajudar nas atividades a bordo.

A embarcação foi adaptada para as condições de navegação do trecho urbano do rio Tietê, oferecendo conforto e segurança para os passageiros, e é o ponto central das atividades do projeto Navega São Paulo. Com 180 lugares, está equipada com sistema central de ar-condicionado, além dos mais modernos recursos multimídia para uso didático. Atende a requisitos de acessibilidade, têm um bar e três banheiros, incluindo um para pessoas com deficiência com acesso por elevador exclusivo.

Entre os itens de segurança estão 12 balsas salva-vidas com capacidade para 18 pessoas cada uma, três bóias salva-vidas e 231 coletes para adultos e crianças.

O ponto de encontro será no MCB às 9h30, onde estará disponível um serviço de vallet park por R$ 10,00. O café do Museu estará aberto pela manhã e, para o retorno, o restaurante Quintas do Museu aceita reservas para o almoço. A saída do MCB para o passeio é às 10h com retorno previsto para cerca de 13h30.

O custo do passeio é de R$ 70,00, que inclui o transporte de ônibus do MCB ao Cebolão, navegação na embarcação Almirante do Lago e o retorno ao Museu.

Serviço

Data: 4 de abril (sábado), às 9h30 Inscrição: R$ 70,00

Local de encontro: Museu da Casa Brasileira

Av. Faria Lima, 2705, Jardim Paulistano

Estacionamento no MCB: R$ 10,00, pagos no local

Informações e inscrições: arqbacana@arqbacana.com.br

Fones: 11 3078-7715 /7658 Fax: 11 3079-5373 /1631

terça-feira, 24 de março de 2009

Vítor Aguiar e Silva ganha o PRÉMIO D. DINIS 2009

O Prémio D. Dinis 2009, instituído pela Fundação da Casa de Mateus, foi atribuído, por unanimidade, ao investigador de literatura Vítor Aguiar e Silva pelo seu livro A lira dourada e a tuba canora: novos ensaios camonianos, publicado em 2008 pelos Livros Cotovia, que publicara em 1999 Camões: Labirintos e Fascínios.


O AUTOR
Vítor Aguiar e Silva nasceu em 1939.

Tem-se dedicado especialmente ao estudo da Teoria da Literatura, domínio em que a relevância do seu ensino e da sua investigação é nacional e internacionalmente reconhecida, e da Literatura Portuguesa do Maneirismo, do Barroco e do Modernismo. Os estudos camonianos têm constituído objecto constante da sua actividade de investigador.

Tem desempenhado funções docentes, como professor visitante, em diversas Universidades estrangeiras.

Orientou numerosas dissertações de mestrado e doutoramento, na sua maioria publicadas.

Ocupou, por escolha governamental, diversos cargos nas áreas da Educação e da Cultura.

Autor, entre outros, dos seguintes trabalhos: Para uma interpretação do Classicismo, Maneirismo e Barroco na poesia lírica portuguesa, Teoria da Literatura, Competência Linguística e competência literária: Sobre a possibilidade de uma poética gerativa, Análise e metodologia literárias e Camões: Labirintos e fascínios (obra galardoada com o Prémio de Ensaio da Associação Portuguesa de Críticos Literários e da Associação Portuguesa de Escritores).

A Universidade de Évora atribuiu-lhe o Prémio Vergílio Ferreira de 2002.

Em 2007, foi-lhe atribuído o Prémio Vida Literária, instituído pela Associação Portuguesa de Escritores e pela Caixa Geral de Depósitos, o mais alto galardão literário existente em Portugal.




Um lançamento da



QUARTAS MAL DITAS: "Desapareceu Dona Lua"

QUARTAS MAL DITAS: "Desapareceu Dona Lua" integrado no Programa do Ciclo da Lua.

25 Março 22h Clube Literário do Porto

A próxima sessão das Quartas Mal Ditas, organizadas por Anthero Monteiro, terá lugar no dia 25 de Março, pelas 22:00h, no Piano Bar do CLP.

Clube Literário do Porto
Rua Nova da Alfândega, n.º 22
4050-430 Porto
T. 222 089 228
Fax. 222 089 230
Email: clubeliterario@fla.pt
URL: www.clubeliterariodoporto.co.pt
BLOGUE: http//www.clubeliterariodoporto.blogspot.com

Clarice Messer faz palestra na Associação Alumni sobre os rumos da economia mundial

Clarice Messer faz palestra na Associação Alumni
sobre os rumos da economia mundial

Data: 31 de março, café com bate-papo às 19h30, palestra das 20h às 21h30 Gratuito
Local: Unidade Alumni Jardins - Biblioteca Patricia Bildner – Rua Padre João Manoel, 319



A economista Clarice Messer, doutora com ênfase em Economia Internacional e Finanças Públicas pela Fundação Getúlio Vargas e pelo MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), fará uma palestra na Associação Alumni, intitulada “Rumos da Economia Mundial”. Entidade binacional destinada a promover a integração entre o Brasil e os Estados Unidos por meio de programas de ensino, cultura e responsabilidade social, com esta iniciativa a Alumni dá início ao ciclo Contemporary Boutique, que ao longo do ano promove atividades na área cultural.



Clarice Messer também fez especialização como membro de Conselho de Administração pela Harvard Business School, atividade que exerce em diversos grupos empresariais e instituições não-governamentais. Atua também como Consultora. Foi diretora do Instituto de Pesquisas Econômicas da Fecomércio-RJ e diretora do Departamento de Pesquisas de Estudos Econômicos Fiesp/Ciesp. É autora/coautora de três livros, entre eles “O Dólar Paralelo no Brasil”, Editora Paz e Terra, e de artigos na imprensa especializada. Foi autora do projeto apresentado ao Banco Central do Brasil, pelo setor privado de turismo, da criação do mercado flutuante de câmbio, que passou a vigorar a partir de dezembro de 1988.


Serviço

Palestra: “Rumos da Economia Mundial”

Data: 31 de março, café com bate-papo às 19h30, palestra das 20h às 21h30 Gratuito

Colabore com o GAS (Grupo Alumni de Solidariedade) levando 1 kg de alimento não-perecível.

Inscrições: Tel. 5644-9733 E-mail cultural@alumni.org.br

Número de vagas: 60 Site: www.alumni.org.br

Classificação indicativa: livre

Local: Unidade Alumni Jardins - Biblioteca Patricia Bildner – Rua Padre João Manoel, 319 Metrô: Trianon

Estacionamento conveniado na Alameda Jaú, 1456

segunda-feira, 23 de março de 2009

Comissão do MEC quer aplicar novas diretrizes curriculares em 2010

As novas diretrizes curriculares para os cursos de jornalismo podem entrar em vigor já em 2010. Pelo menos essa é a vontade do presidente da comissão criada pelo Ministério da Educação para esse fim, José Marques de Melo.

“É para aplicar o ano que vem. Nós queremos encerrar as atividades em junho e encaminhar a proposta para a avaliação do MEC no segundo semestre. Ano que vem muda o governo e, quando muda o governo, muda tudo. Se isso não convencer vocês...”, diz Marques de Melo, em tom de brincadeira, no encerramento da primeira audiência pública promovida pela comissão na manhã desta sexta-feira (20/03), no Rio de Janeiro.

Cerca de 50 pessoas, entre coordenadores de curso, professores e estudantes de jornalismo participaram da reunião. Todos tiveram a oportunidade de opinar e apresentar ideias para a construção das novas diretrizes curriculares. Temas como a qualificação dos docentes, seleção de alunos, dupla formação, interdisciplinaridade e estágio curricular foram levantados.

“As audiências públicas são extremamente relevantes porque eu creio que essa discussão sobre as diretrizes curriculares se vincula a um projeto que é uma formação de qualidade para os cursos de jornalismo que vai garantir o avanço do processo democrático no País”, avalia o coordenador do curso de jornalismo da PUC/Rio e diretor-científico do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo, Leonel Aguiar.

"Se for ruim, fecha"
Alguns estudantes presentes criticaram a abertura indiscriminada de faculdades particulares e a falta de investimento nas instituições públicas. Por sua vez, o diretor de coordenação e supervisão da Secretaria de Educação Superior, Paulo Wollinger, defendeu a abertura de mais universidades.

“Quanto mais gente nas faculdades, menos pontos de drogas no País”, afirmou Wollinger, complementando que a abertura de novas faculdades não está diretamente relacionada à qualidade de educação. “Se for ruim, fecha”.

A audiência pública realizada nesta sexta-feira recebeu contribuições da academia. “Foi muito boa, muito positiva. A gente viu que há diferenças de posição e vamos confrontar. Agora vão vir o mercado e a sociedade civil”, disse Marques de Melo. As próximas reuniões estão marcadas para Recife (PE), no dia 24/04, e São Paulo (SP), no dia 18/05. A comissão também recebe contribuições por e-mail até o dia 30/03.