sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Ensaios abertos de “We Cage” no Teatro Cleon Jacques

Os ensaios do espetáculo de dança da PIP Pesquisa em Dança, que revisita a coreografia Variatons V, de John Cage e Merce Cunningham, acontecem nos dias 5, 9 e 10 de fevereiro.

O público poderá conferir nos dias 5, 9 e 10 de fevereiro, às 19h30, no Teatro Cleon Jacques, os ensaios do espetáculo de dança We Cage, que tem como ponto de partida a coreografia Variations V, de John Cage e Merce Cunningham, criada em 1965. A obra, retomada pela PIP Pesquisa em Dança, foi pioneira em relacionar dança e tecnologia. Os ensaios, com entrada franca, serão seguidos de bate-papo com os artistas.

A montagem, sob a direção de Carmen Jorge, foi produzida com ferramentas atuais, que permitem a interação dos movimentos dos bailarinos com sons, luzes e imagens processadas ao vivo na cena, graças ao uso de computadores e de sensores. O resultado é um espetáculo inédito, que utiliza os softwares MAX MSP, Isadora e Live. A temporada de apresentações acontece de 24 de fevereiro a 21 de março, de quarta-feira a domingo, às 20h, no Teatro Cleon Jacques.

Essa interação entre dança e recursos tecnológicos garante novo espaço para a dança, novas inserções, novas relações e é foco da atuação da PIP desde 2006. O trabalho de pesquisa da companhia, tanto prático quanto teórico, foi árduo. O grupo se preocupou em levantar material bibliográfico e videográfico para embasar a concepção do espetáculo.

We Cage foi viabilizado com recursos do Fundo Municipal da Cultura, por meio do edital Produção e Difusão em Dança. Em meados de 2010, fará turnê pela cidade de São Paulo, com o apoio da Fundação Nacional de Arte (Funarte).

Serviço:

Ensaios abertos do espetáculo de dança We Cage

Local: Teatro Cleon Jacques (Rua Mateus Leme, 4.700 – Parque São Lourenço)

Data e horário: dias 5, 9 e 10 de fevereiro de 2010, às 19h30

Entrada franca

ANTÔNIO ABUJAMRA EM “COMEÇAR A TERMINAR” NA CAIXA CULTURAL CURITIBA

Espetáculo é inspirado na obra de Samuel Beckett

O espetáculo “Começar a Terminar”, com Antônio Abujamra, Miguel Hernandez e Nathália Corrêa, é inspirado nas obras do dramaturgo irlandês Samuel Beckett, e fica em cartaz de sexta (12) a domingo (14) no Teatro da CAIXA.

A montagem, que estreou no XV Festival Internacional de Teatro Porto Alegre Em Cena em 2008, é um Beckett imaginário. Antonio Abujamra, Gregório Bacic e Miguel Hernandez se debruçaram sobre o universo do dramaturgo durante meses, mais precisamente em cima o texto "Begining to End", e criaram Começar a Terminar. A partir do movimento pós-dramático em que a representação perde importância para a presença cênica, a proposta é contar a história de um homem, uma mulher e um velho prestes a morrer.

Duas enormes lâmpadas quebram a escuridão do cenário simplista e expõe um homem – velho - solitário, que relembra sua vida em seus momentos mais simbólicos, a relação com o pai, a lembrança da mãe e a reflexão existencial que, neste contexto, se confundem com o momento existencial dos próprios atores. Suas inquietações são traduzidas em palavras de diversos personagens de diferentes textos e épocas de Beckett com o tema em comum: falam da morte e da iminência do fim.

Fonte de inspiração

Profundo conhecedor de Beckett e do chamado Teatro do Absurdo, Abujamra selecionou e traduziu com Miguel Hernandez os textos com os quais montou “Começar a Terminar”. O espetáculo baseia-se em um trabalho de alta qualidade, e muito pouco conhecido, sobre Beckett: no fim da década de 1960, o ator irlandês Jack MacGowran encenou uma adaptação de trechos que considerava essenciais na obra de Beckett, seu amigo e conterrâneo. Reuniu fragmentos que tratavam da morte, tais como os conhecidos “Ato sem Palavras 1”, “From an Abandonned Work of Art” e o monólogo do personagem Lucky em “Esperando Godot”.

Após algum tempo o próprio Beckett se envolveu no projeto e mudou o nome para “Beggining to End”, além de incorporar outros fragmentos revisados de textos seus. O formato final foi encenado entre 1970 e 1973, mostrando um homem à beira da morte que conta histórias fascinantes. Assim, aparecem personagens célebres do autor, como Krapp, Lucky, Molloy, Clov, Hamm, Watt, Malone e Vladimir.

Ficha Técnica

Texto: Antonio Abujamra, baseado em obras de Samuel Beckett

Tradução: Antonio Abujamra e Miguel Hernandez

Elenco: Antonio Abujamra, Miguel Hernandez e Nathália Corrêa

Música: André Abujamra

Direção: Antonio Abujamra e Hugo Rodas

Produção: Companhia Anjos Pornográficos

Duração: 60 minutos

Entrevistas

Miguel Hernandez – (11) 3379-12391 / (11) 8364-0047

miguelhernandez2000@hotmail.com

Serviço:

Teatro: “Começar a Terminar”

Local: Teatro da CAIXA

Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba/PR

Data: de 12 a 14 de fevereiro

Horários: sexta e sábado 21h e domingo 19h

Ingressos: R$ 10,00 e R$ 5,00

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, das 16 às 19h)

Classificação etária: Não recomendado para menores de 14 anos

Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes)

www.caixa.gov.br/caixacultural

Música nos Parques leva shows ao Bosque do Papa

Muita música e animação estarão à disposição do público, neste domingo (7), com as apresentações de grupos curitibanos, que acontecem às 15h e às 17h.

Neste domingo (7) tem “Música nos Parques” no Bosque João Paulo II, o Bosque do Papa. Às 15h, o grupo Novos Matutos leva ao público a diversidade de gêneros que forma a música caipira. Às 17h, a Banda Nuvens mostra um espetáculo que une a música a outras formas de expressão artística, como a poesia, o teatro e as artes visuais. O projeto “Música nos Parques” é desenvolvido pela Fundação Cultural de Curitiba e, na edição deste ano, conta com o patrocínio da OI.

A programação musical começa às 15h, com o show “Paisagem Rasqueada”, do grupo Novos Matutos. Com viola caipira, violão 7 cordas, acordeom e percussão, o grupo executa músicas de compositores da primeira metade do século XX e também de duplas e violeiros contemporâneos. Obras de Raul Torres, Nhô Berlamino, Angelino de Oliveira, Serrinha e Teddy Vieira somam-se a produções de Zé Mulato e Cassiano e às composições de violeiros como Paulo Freire, Rogério Gulim e Roberto Correia.

Neste espetáculo, os Novos Matutos revelam a essência da música de raiz, explorando o canto a duas vozes, que é entrecortado por causos e contextualizações das canções. O grupo tem por objetivo promover uma aproximação maior do artista com a plateia, incentivando a participação de todos.

Depois, às 17h, a Banda Nuvens apresenta o show “Despertar – Nuvens no Parque”, que conecta a música a outras modalidades artísticas, visando à análise do homem dentro do ambiente urbano e promovendo a interação com o público. Os músicos que se uniram para formar a banda – Raphael Moraes, Marcos Nascimento, Vinícius Nisi, Amandio Galvão, Marcus Pereira e Luís Bourscheidt – são remanescentes de grupos com grande visibilidade no Paraná. A banda tem se destacado no cenário musical com shows que primam pela produção e pelo pioneirismo na fusão das artes.

Serviço:

Música nos Parques

Local: Bosque João Paulo II – Bosque do Papa (Rua Mateus Leme)

Data: 7 de fevereiro de 2010 (domingo)

Horários:

Às 15h – Grupo Novos Matutos, com o show “Paisagem Rasqueada”

Às 17h – Banda Nuvens, com o show “Despertar – Nuvens no Parque”

Entrada franca

SÃO PAULO RECEBE QUINTA EDIÇÃO DA FESTA DO ANO NOVO CHINÊS EM FEVEREIRO DE 2010

A festa integra o calendário de eventos mais importantes da capital e reuniu, na última edição, cerca de 200 mil pessoas nos dois dias, consolidando-se como uma das maiores celebrações fora da China. A entrada do Ano do Tigre será comemorada nos dias 6 e 7 de fevereiro.

Cerca de 200 mil pessoas são esperadas na Praça da Liberdade, para comemorar a entrada do Ano Novo Chinês nos dias 6 e 7 de fevereiro. A data mais importante do calendário do país oriental será comemorada pela quinta vez na cidade de São Paulo, com grande festa que mostra um pouco da milenar tradição chinesa.

No palco montado na Praça da Liberdade, academias de artes marciais, grupos de danças, músicas e organizações sociais apresentarão rituais e outras manifestações artístico-culturais típicas do país que desponta como grande potência econômica mundial. Também no Bairro da Liberdade, barraquinhas de comidas e artesanato típicos oferecerão varias opções da gastronomia chinesa aos interessados.

O evento é organizado pela JCI Brasil-China, entidade internacional que congrega jovens com idade entre 18 e 40 anos com a missão de difundir e promover a integração cultural entre os dois países. A entrada é gratuita. Para Jacqueline Huang, Presidente da JCI Brasil-China para 2009, o objetivo da festa é incentivar o intercâmbio cultural entre os dois países. “Nossa missão é apresentar esta cultura milenar desconhecida de muitos e que vai muito além do rolinho primavera e do tai-chi-chuan. E, na nossa opinião, isso tem dado certo. Na sua quinta edição, a festa já foi consolidada como grande evento cultural na capital e reconhecido internacionalmente como uma das maiores comemorações do Ano Novo Chinês fora da China”, explica.

No País de Origem
O Ano Novo Chinês é o feriado mais importante do calendário do país oriental. No período dos festejos, o país para por quinze dias para os preparativos, viagens e rituais que marcam a passagem do ano. Geralmente, são realizados grandes banquetes em casa ou em restaurantes e, nestes jantares, é comum uma grande variedade de pratos, muitos a base de peixe, símbolo da fartura.

É uma época também que muitos voltam para suas cidades de origem para visitar parentes e amigos, levando presentes e os tradicionais envelopes vermelhos que contêm dinheiro. O momento mais esperado da comemoração é a queima de fogos de artifício que, acreditam, atrai sorte e espanta as energias negativas.

O Ano do Tigre
Tradicionalmente, a festa está ligada ao Horóscopo Chinês, representado por doze animais, cada um trazendo suas características para o ano. O Tigre, homenageado neste ano, representa grandeza, fazendo com que tudo aconteça com maior intensidade nos seus anos regentes, nada acontece em escalas tímidas ou pequenas. O animal é ativo, aventureiro e desperta garra e desejo de realização nas pessoas que, com novas idéias, conseguem êxito profissional e pessoal.

Sobre a JCI Brasil-China
A JCI – Junior Chamber International – é uma ONG internacional que atua em mais de 115 países, com o objetivo de desenvolver a liderança entre jovens de todo mundo. Cada “capítulo” da JCI desenvolve, na sua localidade de atuação, atividades nas suas denominadas quatro áreas estratégicas de atuação: Comunitária, desenvolvendo o espírito de cidadania ativa em seus membros e na comunidade; Internacional, promovendo o intercâmbio internacional; Negócios, fomentando oportunidades de negócios para seus membros e Individual, com o oferecimento de cursos de capacitação para seus membros. Todas as atividades e práticas visam trazer mudanças positivas para os membros da JCI e também para a comunidade em geral.

O “capítulo” Brasil-China da JCI tem apenas cinco anos de atuação, mas de forma muito presente, realizando diversos eventos, palestras e encontros com temas de interesse à comunidade, além de promover e participar voluntariamente em ações sociais.

PROGRAMAÇÃO DE PALCO
PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS (06-02-2008 - Sábado)
Horário Apresentação no Palco
12:00 Recepção de Autoridades
12:30 Cerimonial de Abertura
12:40 Culto ecumênico – Budismo / Igreja Protestante / Igreja Católica e Desfile das Academias
13:00 Cerimônia de prosperidade à São Paulo
13:10 Passagem do dragão
13:30 Desfile das Academias – chegada no palco
13:50 Caligrafia Chinesa
14:00 Apresentação infantil – chegada da primavera
14:05 Apresentação infantil
14:15 Apresentação Musical
14:30 Academia
14:50 Apresentação Musical
15:00 Apresentação de dança
15:05 Aula de Chinês
15:10 Pantomima
15:30 Pintura Chinesa (tigre)
15:45 Academia
16:00 Apresentação de coral infantil (3 músicas): áster Song; Ye Lai Xiang; Over the Rainbow – em chinês e inglês
16:25 Apresentação folclórica com a música: “Toda a montanha com as cores da primavera”
16:30 Aula de Chinês
16:40 Dança “A Primavera”
16:45 Gu Zheng (professora e alunas)
16:50 Dança “Meninas Lindas”
17:00 Tai Chi – Tai Ji Quan 24 formas ou da Saúde e Longividade
17:10 Tai Chi – Tai Ji Jian 32 formas ou Espada Tai Ji
17:20 Tai Chi – Leque Gonf Fu Tai Ji
17:30 Música Chinesa “Caminho do Céu” – sobre ferrovia ligando China e Tibete
17:40 Academia
18:00 Apresentação Musical – “Today you has to marry me”
18:10 Academia
18:30 Apresentação de músicas chinesas e variadas com Gu Zheng e banda (guitarra, teclado, bateria e baixo)
19:00 Academia
19:30 Desfile de Roupas Chinesas e Leão com poste
20:00 Contagem regressiva / Fogos de artifício


PROGRAMAÇÃO DE EVENTOS (07-02-2008 – Domingo)
Horário Apresentação no Palco
13:00 Cerimônia de Abertura
13:15 Academia
13:40 Dança "A Primavera"
13:50 Gu Zheng (professora e alunas)
14:00 Dança "Meninas Lindas"
14:10 Aula de Chinês
14:15 Apresentação Musical
14:30 Pantomima
14:40 Academia
15:00 Apresentação de coral infantil (3 músicas): Master Song; Ye Lai Xiang; Over the Rainbow - em chinês e inglês
15:20 Academia
15:40 Músicas
16:00 Música instrumental
16:20 Academia
16:40 Dança Folclórica
16:45 Apresentação Musical
16:55 Apresentação Musical
17:10 Academia
17:30 Desfile de Roupas Chinesas e Leão com poste
18:00 Encerramento e Agradecimento

Ibope orienta TVs sobre normas para divulgação de audiência

O Ibope enviou um comunicado às TVs com orientações sobre os critérios adotados na divulgação da audiência das emissoras à imprensa e ao mercado publicitário. De acordo com a empresa, as TVs devem contabilizar apenas o número de televisores ligados e excluir os aparelhos ligados em DVD ou videogame.

Na última semana, a Folha informou que a Globo adotava esse padrão, o que dá a impressão de um melhor resultado na audiência, enquanto as outras emissoras continuavam a seguir o padrão antigo, com a contagem de todos os aparelhos.

A emissora afirmou que a novela "Cama de Gato", por exemplo, é sintonizada por 59% dos televisores ligados no país, no horário. Se calculados os ligados em outros aparelhos, a audiência cai para 55%.

A orientação de que se contabilize apenas os televisores que não estejam ligados a outros aparelhos foi recomendada pelo Ibope há mais de um ano, mas apenas a Globo adotou a medida. As outras emissoras mantiveram o outro critério, já que seus resultados têm alterações proporcionalmente menores.

A falta de critério foi confirmada por um executivo do Ibope, ao receber de um diretor da Record e-mail enviado também a jornais e anunciantes sobre a audiência da emissora.

A norma é que as TVs informem sempre qual o padrão utilizado na divulgação da audiência.

Congresso Ibérico de Astrologia 2010

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

JAZZ NO PORTO

clique para ampliar


Clube Literário do Porto Rua Nova da Alfândega, n.º 22 4050-430 Porto T. 222 089 228 Fax. 222 089 230 Email: clubeliterario@fla.pt URL: www.clubeliterariodoporto.co.pt

"Força Tomás!"


Domingo 7/Fev





Este domingo, o Clube de Leitores tem a particularidade de ter como obra em destaque o primeiro livro infantil da Edita-Me

"Força Tomás!"

Clube Literário do Porto
Rua Nova da Alfândega, n.º 22
4050-430 Porto
T. 222 089 228
Fax. 222 089 230
Email: clubeliterario@fla.pt
URL: www.clubeliterariodoporto.co.pt

"Retalhos Serenos"


A editora Edita-Me e a autora Carla Madureira convidam a estar presente na sessão de lançamento do seu primeiro livro

"Retalhos Serenos"


a ocorrer este sábado (6/Fev/2010) pelas 17h00 no Bela Cruz Club (Porto).
clique para ampliar

PROGRAMAÇÃO CINEMA CURITIBA

PROGRAMAÇÃO

De 5 a 11 de fevereiro de 2010


CINEMATECA - Sala Groff - Rua Carlos Cavalcanti, nº 1.174 – fone: (41) 3321-3252 (diariamente, das 9h às 12h e das 13h30 às 22h30 – sábados e domingos, das 14h30 às 22h30) www.fccdigital.com.br

2º FESTIVAL DO JÚRI POPULAR

De 5 a 7

Entrada franca

PROGRAMA:

Dia 05, 16 horas

Competitiva 02, 96’

Classificação 12 anos

Teresa, de Renata Terra e Paula Szutan, 15’, SP, fic

Teresa vem a São Paulo para realizar o sonho do casamento. Mas ela é obrigada a mudar seus planos quando se vê diante de uma realidade bem menos romântica do que havia idealizado.

O anão que virou gigante, de Marão, 10, RJ, anim

A improvável – todavia autêntica – história do anão que virou gigante.

Oscar 07/02, de João Krefer, 9’, PR, exp/doc

Documentário experimental sobre uma obra contemporânea de arquitetura (o Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba). Adaptando preceitos de Niemeyer, o filme explora o potencial estético da construção, ao invés de oferecer um mero registro funcional e "realista".



Chapa, de Thiago Ricarte, 15’, SP, fic

Antônio, um trabalhador informal de beira de estrada, quebra a rotina de serviço para esperar a visita da filha.



O controle dos zumbis, de Gabriel Marzinotto, 11’, SP, fic

A família de Pedro não poderia imaginar que existia um zumbi aprisionado no porão da casa que eles acabaram de comprar. E o que deveria ser um novo lar vira uma disputa com mortos-vivos, entre rituais de purificação e humanos em fúria. Agora o dono da casa será aquele que tiver o controle nas mãos.

Dois mundos, de Thereza Jessouroun, 15’, RJ, doc

Para os surdos, existem dois mundos: o mundo do silêncio e o mundo sonoro. Este filme é sobre a experiência com o mundo sonoro dos surdos que transitam entre os dois mundos .

A invasão do Alegrete, de Diego Muller, 21’, RS, fic

Brasil, Rio Grande do Sul. Duas cidades vizinhas, Alegrete e Uruguaiana, têm uma rivalidade histórica. Após a instalação do primeiro telefone público em Alegrete, dois uruguaianenses resolvem passar um trote em Doutor Sérgio, único que possui telefone na cidade rival, e mandam a informação: Uruguaiana prepara A Invasão do Alegrete. Famoso em dar notícias ruins vindas de longe, Doutor Sérgio parte, junto com seu fiel escudeiro Paulinho, numa jornada repleta de surpresas em busca de ajuda para defender a cidade.



Dia 05, 20 horas

Competitiva 04, 92’

Classificação 14 anos

Áurea, de Zeca Ferreira, 16’, RJ, fic/doc

Curta sobre a cantora Áurea Martins. A festa acaba, músicos a pé.

Número 27, de Marcelo Lordello, 19’, PE, fic

O pesadelo de um escolar com dor de barriga.

O rim de Napoleão, de Fernando Coimbra, 5’, SP, fic

Napoleão e Pepe sempre foram adversários. Mas um incidente vai transformar – ou não – essa velha relação.

Pastoreio, de Alexandre R. Garcia, 17’, PR, doc/exp

A rotina do trabalho de Laudelino, que há quase 20 anos é pastor de ovelhas no Parque Barigüi em Curitiba, em meio à região urbana e inúmeras pessoas que praticam esportes ou passam suas horas de lazer.

A ilha, de Alê Camargo, 10’, DF, Anim

O filme aborda de forma bem humorada as dificuldades de se viver numa cidade grande.

Bomba!, de Lara Lima, Marcelo Lima e Renato Coelho, 5’, SP, exp

Uma refiguração dos eventos de maio de 1968.

Olhos de ressaca, de Petra Costa, 20’, RJ, doc/exp

Em Olhos de Ressaca, Vera e Gabriel, que formam um casal de idosos, divagam sobre sua própria história. Neste rememorar, imagens de arquivo familiar se confundem com imagens do presente, sugerindo um diário pessoal e onírico acerca do amor e da morte.



Dia 06, 16 horas

Competitiva 03, 96’

Classificação 10 anos

Sobre, Sofia, de André Mielnik, 16’, RJ, fic

A vida que a gente leva, e a vida que a gente se deixa levar.

Silêncio e Sombras, de Murilo Hauser, 9’, PR, anim

Quem cavalga tão tarde pela noite e pelo vento?



98001075056, de Felipe Barros, 3’, SP, exp

Guardados nos corpos dos nossos velhos...

Zigurate, de Carlos Eduardo Nogueira, 20’, SP, anim/exp

Acima das nuvens, próximo dos céus, longe da terra. Uma alegoria cínica da sociedade de castas e da incomunicabilidade.

Restos de Antônio, de Mariska Michalick, 13’, RJ, fic

Creusa recebe a ligação de uma patroa que pede o favor de atender a um amigo que precisa de uma faxineira para substituir sua diarista doente. Para Creuza era mais um abençoado dia de trabalho, para Paulo, um inconveniente e mal-humorado dia de faxina. Creuza encontra tudo sujo e bagunçado, sem se dar conta, acaba por faxinar a casa e também a vida de Paulo.



O filme mais violento do mundo, de Gilberto Scarpa, 17’, MG, fic

Um produtor de cinema de origem humilde pede ajuda a um amigo produtor bem sucedido, que o convence a fazer um filme cheio de sangue e violência.

Muro, de Tião, 18’, PE, exp/fic

Alma no vácuo, deserto em expansão.

Dia 06, 20 horas

Competitiva 05, 93’

Classificação 12 anos

A arquitetura do corpo, de Marcos Pimentel, 21’, MG, doc

Os bailarinos e suas formas, suas dores, seus sonhos.

Encontro em Marte, direção coletiva, 2’ ES, anim

Um garotinho que constroi um foguete e vai a Marte.

Holanda, de Álvaro Furloni e Lígia Diego, 12’, RJ, fic

Os sonhos de seu Jorge com a Holanda.

Menino Aranha, de Mariana Lacerda, 13’, SP, doc

A história de uma lenda urbana real que aconteceu em Recife, Pernambuco, no final da década de 90.

O Muro, de Diego Florentino, 5’, PR, fic/exp

Um garoto duela com o desconhecido ao tentar resgatar a bola que caiu no quintal do vizinho.

O Presidente, de Luiza Favale, 13’, SP. Fic

Victor tem olhos sadios e sonha ser presidente dos Estados Unidos.

O Plano do cachorro, de Arthur Lins e Ely Marques, 10’, PB, fic

Cachorros vagam solitários esperando a morte chegar.

Canosaone, de Fellipe Gamarano Barbosa, 17’, RJ, doc

Fabiano Canosa, curador de cinema.


Dia 07, 16 horas

Competitiva 01, 95’

Classificação 12 anos

O teu sorriso, de Pedro Freire, 19’, RJ, fic

Rodrigo e Suzana estão namorando há poucas semanas. Ele tem 72 anos, ela tem 60, e estão completamente apaixonados. Juntos, passam os dias grudados, na cama, namorando, batendo papo, comendo e rindo.

O Divino, de repente, de Fabio Yamaji, 7’, SP, anim/doc

Ubiraci Crispim de Freitas, personagem real conhecido por Divino, canta repentes e conta sua vida neste documentário animado com ficção experimental. Além do live-action, várias técnicas artesanais de animação sem uso de computador compõem o filme: flipbook, desenho animado, rotoscopia, pixilation e stop motion.



De volta ao quarto 666, de Gustavo Spollidoro, 15’, RS, doc

Qual o futuro do cinema? Em 1982, em Cannes, Wim Wenders convidou diversos cineastas a responderem esta pergunta. Vinte e seis anos depois, a pergunta continua a mesma, mas Wenders está do outro lado da câmera.

Os Inocentes, de Davi Kolb, 7’, RJ, fic/exp

O mar tem jogado na praia pinguim, tartaruga gigante, cação, cachalote. Hoje: tem mulher nua.

Bibica, de Bernardo Belisário, 15 MG, fic/exp

Bibica (Evelyn Pereira), uma gangster de dez anos de idade, vive no perigoso mundo do tráfico de bonecas. Juntamente com sua gangue, aventura-se em um eletrizante jogo de violência, funk e bananas. Em meio a essa sangrenta guerra, Bibica encontra-se presa num sutil problema.

A montanha mágica, de Petrus Cariry, 13’, CE, doc/exp

De tanto se divertir lá em cima, ele caiu, quinze metros, faltou ar! Quais são os limites entre a realidade e ficção?Eu gostaria de lembrar um pouco mais. Um filme sobre uma memória da infância.

A guerra de Arturo, de Júlio Talbkin e Pedro Arantes, 19’, SP, fic

Arturo é um reles funcionário da redação de um grande jornal. Seu trabalho não tem emoção nem aventura: ele apenas digita mecanicamente as notícias do dia-a-dia. No entanto ele terá sua rotina quebrada quando, por um erro de digitação, deflagra acidentalmente uma guerra entre Brasil e Argentina. Agora só resta a Arturo consertar seu erro, salvar o mundo e ficar com a garota.


Dia 07, 20 horas

Competitiva 06, 96’

Classificação 14 anos


A distração de Ivan, de Caví Borges e Gustavo Melo, 15’, RJ, Fic

Ivan é um menino de 11 anos. Ele vive com a avó no subúrbio do Rio de Janeiro. Em meio ao seu cotidiano de brincadeiras e brigas com os amigos, ele irá amadurecer.

Prîara Jõ, depois do ovo, a guerra, de Komoi Panará, 15’, PE, doc

As crianças Panará apresentam seu universo em dia de brincadeiras na aldeia. O tempo da guerra acabou, mas ainda continua vivo no imaginário das crianças.

Depois de tudo, de Rafael Saar, 12’, RJ, fic

Depois da despedida, a espera. Depois da espera, a volta. Depois de tudo, o que mais querem é estar juntos e um dia basta para esperarem pelo próximo.

Sweet Karolynne, de Ana Bárbara Ramos, 15’, PB, doc

Nem Elvis, nem Jarbas morreram. É tudo uma grande invenção.

Timing, de Amir Admoni, 8’, SP, fic/anim

Uma metáfora da inexorável passagem do tempo.

Nego fugido, Cláudio Marques e Marília Hughes, 16’, BA, fic

Brinquedo de nego forro fugido é abrir roda para mostrar que tudo é caça e caçador.

O menino que plantava invernos, de Victor Hugo Borges, 15, SP, anim

Antes de nascer, um menino tem seus pais mortos. Ele acredita que a tragédia foi causada por um maléfico dragão. Para se vingar, pensa em aniquilar o dragão trazendo à terra o pior frio já imaginado para congelar o monstro.


Estreia:

NO MEU LUGAR (BR/2009 – 113’). Direção de Eduardo Valente. Com Dedina Bernadelli, Raphael Sil, Márcio Vito.

Rio de Janeiro, hoje. Um policial se vê obrigado a intervir num assalto a uma casa de classe média alta, no bairro das Laranjeiras. A partir desse evento, o filme acompanha três histórias passadas em tempos diferentes. Dias depois, o policial, suspenso das suas atividades, tenta seguir adiante com o seu dia a dia normal, entre a vida com sua única filha e a presença dos amigos. Cinco anos depois, uma mulher volta com seus dois filhos e o novo marido para esvaziar e vender a casa onde morou no seu casamento anterior até a morte do primeiro marido. Algumas semanas antes, um entregador de compras de um supermercado descobre o amor da sua vida.

De 8 a 11, sessões às 16h e 20h

Ingresso pago: R$5,00 (inteira)

R$2,50 (meia)

Poesia e humor povoam a peça em cartaz no Teatro do Piá


A peça de formas animadas “Ludicamente”, com estreia neste domingo (7), leva ao palco o Grupo Merengue, que encanta o público infantil com sua arte.

Neste domingo (7), às 11h, entra em cartaz no Teatro do Piá o espetáculo de animação “Ludicamente”, com o Grupo Merengue. Novas apresentações acontecem nos dias 14 e 21 de fevereiro, dentro da tradicional programação dominical para o público infantil, promovida pela Prefeitura de Curitiba. A montagem foi selecionada por meio de edital do Fundo Municipal da Cultura e tem entrada franca.

Bonecos, sombras e formas animadas criam um ambiente circense, que envolve a plateia. A proposta da peça “Ludicamente”, que tem texto e direção de Olga Romero, é instigar cada espectador a criar seu próprio circo, com erros e acertos, estimulando a aceitação dos desafios com poesia e humor. A trajetória de sucesso do espetáculo reúne apresentações em importantes festivais brasileiros, sempre se destacando ela beleza plástica, figurino, cenografia e diversidade de técnicas utilizadas.

O Grupo Merengue tem no currículo mais de 20 anos de pesquisa e experiências cênicas. É formado pela atriz e bonequeira Olga Romero – que há 41 anos dedica-se à arte do teatro de animação – e seu filho Bernardo Grillo, na mesma profissão há 20 anos, atuando na criação de bonecos, cenários, efeitos de iluminação e sonoplastia. A equipe também conta com Marilda Kobachuk, bonequeira responsável pela manutenção do material cênico.

Os caminhos que o grupo percorre o aproximam da Escola da Bauhaus, criada na Alemanha, após a 1ª Guerra Mundial, e que levantou questões que ainda hoje estão vigentes e permitem novas investigações. O Merengue segue a orientação do diretor da Escola da Bauhaus, professor Oskar Schlemmer, que retirou da cena o supérfluo para ficar com a essência do espetáculo.

A autora, diretora e atriz Olga Romero escreveu e dirigiu diversas peças teatrais. Inserida entre os nomes mais importantes do teatro infantil no Brasil, Olga também tem atuação reconhecida na América do Sul e na Europa. Realizou curso de aprimoramento em Bolonha, na Itália, e entre suas atividades estão oficinas e palestras sobre arte-educação, sempre com o objetivo de estimular a leitura. É de sua autoria o livro infanto-juvenil “Maria das Cores e seus Amores”, publicado em edição bilíngüe (português – espanhol) pela Editora Arte e Letra.


Serviço: Peça “Ludicamente”, do Grupo Merengue de teatro de animação Local: Teatro do Piá (Praça Garibaldi, 7 – Setor Histórico) Data e horário: sessões nos dias 7, 14 e 21 de fevereiro de 2010, sempre às 11h Entrada franca

Renomado pianista internacional se apresenta no Grande Teatro do Palácio das Artes

Em concerto especial gratuito, o pianista David Gómez irá se apresentar na capital mineira, no dia 27 de fevereiro, às 18h, no Grande Teatro do Palácio das Artes. A apresentação está sendo promovida pelo Instituto Cervantes, órgão oficial do Governo da Espanha, em parceria com a Fundação Clóvis Salgado.

David Gómez trará em seu repertório obras dos compositores clássicos Bach, Mozart, Piazzolla e Chopin. Na performance, que terá cerca de uma hora de duração, o músico também apresentará uma obra do compositor cubano Ernesto Lecuona. David prepara uma homenagem a este compositor cubano em um novo CD, com gravações de temas de Lecuona, que está sendo preparado para ser lançado.

David Gómez

Nascido em 1974, David Gómez teve seus primeiros contatos com a música ainda muito jovem, através de Marta Christel. Posteriormente estudou com Emilio Muriscot e Claudie Desmeules, professora do Conservatório de Genebra. Ampliou seus estudos com o pianista Michael Davidson no Conservatório de Rotterdam (Holanda), onde formou-se também em direção orquestral e Tango para piano.

Seu primeiro recital foi aos 14 anos e, desde então, tem realizado numerosos recitais na qualidade de solista, apresentando-se nas mais prestigiadas salas da Europa, Ásia, Estados Unidos e Oriente Médio. Gravou o cd "A. Piazzolla. Tangos para piano", que fez imenso sucesso em diferentes cidades européias. Atualmente prepara outra gravação, com o compositor cubano E. Lecuona.

Suas atuações têm recebido reconhecimento internacional desde o ano de 2000, até a atualidade. Foi premiado várias vezes em concursos como por exemplo: Primeiro Prêmio do II Concurso de Piano "Miguel Ballester I Serra", segundo lugar no V Concurso Internacional de Piano "Pio Tur" e no Nacional de Piano "Antoni Torrandell", terceiro prêmio no "Arte Joven 97" e finalista na "Doelen Competition" ( Holanda).

Programa:
J.S.Bach: Suite francesa n.2 en Do menor
- Allemana
- Corranda
- Zarabanda
- Aria
- Minuetto
- Giga

F.Chopin: Cinco valses

F.Mompou: Impresiones íntimas
- Pájaro Triste
- Gitano

J.Turina: Danzas gitanas
- Generalife
- Sacro-Monte

E.Lecuona: Suite española
- Gitanerías
- Malagueña





Serviço Evento: David Gómez - Concerto Especial Local: Grande Teatro do Palácio das Artes (Avenida Afonso Pena, 1.537 – Centro, Belo Horizonte) Data: 27 de fevereiro Horário: 18h Duração: 1 hora Classificação etária: 8 anos Entrada Franca Informações: (31) 3236-7400

Exposição “O céu pode esperar”




“O céu pode esperar”
Galeria do piso 2 + Galeria da Cave

De 6 a 27



Artistas participantes:
- Ângela M. Ferreira; - Catarina Rocha; - Celeste Cerqueira;
- João Carlos Pereira; - Pedro Ruiz; - Rita Pinto

Inauguração: Dia 6, 18h30



" O projecto artístico “O Céu pode esperar” surge na sequência de dar continuidade a expectativas anteriores, nunca realizadas, de confrontar num mesmo espaço as obras realizadas ou projectadas, desenvolvidas no âmbito da pós-graduação em “Direcção Artística” na ESAP (extensão Guimarães_2004). Após uma extensão de tempo razoável desde essa primeira união, e percursos / vivências divergentes, surgiu agora, no Clube Literário, a hipótese de um re-encontro, numa espécie de celebração por essa coincidência tempo-lugar comum a todos os participantes. No entanto, aquando este novo desafio, prontamente aceite, verificou-se a intensidade deste elo inicial: a vontade de questionar(-se) e experimentar(-se). Isto é, uma vontade expressa, pelos artistas, de agir na possibilidade de um constante questionamento e no tentar ultrapassar as práticas artísticas estabelecidas convencionalmente.

A congruência ou incongruência expositiva do “O Céu pode esperar” advém dum percurso e experiência artística singular, resultante das deduções de cada olhar, estritamente conectadas com o “estar no mundo” de cada participante. Assume-se assim a ausência de um programa de curadoria ou outro tipo de coerências, tais como, junção de obras por semelhanças temáticas ou por relações cronológicas. Pretende-se, deste modo, dar a conhecer obras realizadas recentemente, cujo cunho unificador se molda com o desejo de criar num despojamento activo perante o circuito de produções artísticas mercantis”.

Clube Literário do Porto Rua Nova da Alfândega, n.º 22 4050-430 Porto T. 222 089 228 Fax. 222 089 230 Email: clubeliterario@fla.pt URL: www.clubeliterariodoporto.co.pt

Estreia a 4ª Temporada do Teste de Audiência


Teatro da CAIXA apresenta a primeira exibição de 2010

O Teste de Audiência, projeto idealizado e produzido pelos cineastas e produtores Marcio Curi e Renato Barbieri, está de volta e entra na 4ª temporada.

O projeto Teste de Audiência

O Teste de Audiência é um projeto que exibe no Teatro da CAIXA, uma vez por mês, um filme brasileiro da nova safra, ainda em fase de finalização. Por meio de um questionário tabulado pela equipe de pesquisadores a plateia emite sua opinião sobre diversos aspetos do filme como roteiro, trilha, duração, personagens, além de peças promocionais como cartaz e trailer. Ao final, um debate com o diretor/produtor dá chance ao público de fazer perguntas, críticas e elogios. O projeto assemelha-se aos screening tests já tradicionais no cinema internacional.

Subsidiados pelo material obtido na sessão, como os questionários e áudio do debate, os produtores e diretores dos filmes tem uma visão privilegiada dos valores do filme e da percepção do público. Isso pode ajudar nas tomadas de decisões relevantes para o aprimoramento da montagem e para a elaboração da estratégia de lançamento.

Entre os diretores que já participaram do teste, estão: André Klotzel, Alain Fresnot, Anna Muylaert, Marco Altberg, Toni Venturi, Paulo Morelli, José Eduardo Belmonte, Lina Chamie, dentre outros.

Experiência em Curitiba

A cidade, que foi incluída no projeto a partir da 3ª Temporada, se fixou como parte do Teste de Audiência. Segundo Curi "os curitibanos aprovaram e criaram vivo interesse pelo Teste. Os debates são sempre muito interessantes e dinâmicos e revelam uma aguçada percepção dos filmes por parte do espectador de Curitiba".

Curi ressalta ainda que "o sucesso do Teste acontece porque tanto o público quanto os cineastas o aprovam, dada a originalidade da idéia no Brasil e a seriedade da metodologia com que é realizado. As mudanças realizadas nos filmes atestam que eles se aprimoram depois do Teste e essa sempre foi a motivação maior que nos guiou

Serviço: Cinema: Teste de Audiência – 4ª Temporada Local: Teatro da CAIXA Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba/PR Data: 09 de fevereiro Horários: terça 19h30 Ingressos: Os ingressos devem ser retirados na bilheteria do Teatro, no dia do evento, a partir das 18h Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, das 16 às 19h) Classificação etária: Não recomendado para menores de 16 anos Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes) www.caixa.gov.br/caixacultural

Programa Q3 entrevista o empresário Saidul Rahman Mahomed nesta quinta-feira

Nesta quinta-feira (04/02/2010), às 11h, o empresário e editor da Qualitymark Editora, Saidul Rahman Mahomed, vai ser entrevistado no Programa Q3 – No Mundo da Excelência em Gestão, da emissora online all TV.

Nessa edição, o empresário vai apresentar o case de 20 anos da Qualitymark Editora, que por sua tradição no mundo editorial, é hoje uma referência nas áreas de Recursos Humanos, Qualidade, Finanças, Responsabilidade Social e Educação. Com mais de 850 títulos publicados, a empresa conquistou o Prêmio Jabuti, no ano de 1994, e o terceiro lugar na categoria editoras do Top of Mind Fornecedores de RH, em 2001.

Na trilha do sucesso, a Qualitymark criou mais duas marcas: a Dunya (em 1996), voltada às áreas de Educação, Saúde e Qualidade de Vida, e a Azaan (2001), com publicações que focam a religião islâmica.

Para ter acesso exclusivo à entrevista no Programa Q3 clique no link: www.alltv.com.br

Não perca esta história exemplar!



quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

A BIBLIA DO YOGA

A BIBLIA DO YOGA
de Christina Brown

Páginas: 400



O LIVRO

O yoga confere ao praticante não apenas flexibilidade, mas também bem-estar físico e espiritual. Com a descrição e ilustrações de mais de 170 posturas das principais correntes de yoga, A Bíblia do Yoga é o guia mais completo e abrangente para quem quer praticar o yoga e alcançar um equilíbrio físico e mental na vida. Este livro incentiva tanto o iniciante como o praticante experiente a encontrar a sequência de posturas que mais se adapta às suas necessidades e aptidões pessoais e beneficiar-se ao máximo dessa riquíssima prática milenar.





A AUTORA
Christina Brown tem 18 anos experiência na yoga abrangendo um vasto leque de tradições e vem ensinando doze anos. Publicou diversos livros incluindo cinco dedicados a Yoga. Seu livro é fruto de duas viagens de estudo aprofundado na Índia e estudou no Yoga Therapy Centre em Londres. Christina dirige o programa - Teacher Training Program at Life Source, onde ela dá aulas públicas, e conduz retiros .


**


UM LANÇAMENTO

NA INTERNET, JORNAIS E REVISTAS QUE MARCARAM A IMPRENSA BRASILEIRA


Pesquisadores e estudantes têm acesso eletrônico e gratuito a
jornais e revistas que marcaram a história da imprensa no Brasil

Entre as páginas temáticas do novo site do Arquivo Público do
Estado de São Paulo (www.arquivoestado.sp.gov.br), está
Memória da Imprensa, que reconstitui momentos importantes dos
mais de 200 anos de história da imprensa no Brasil. É possível
acompanhar a trajetória da imprensa paulista e brasileira por meio
de uma seleção de periódicos do acervo da instituição, datados
entre 1854 e 1981. São 14 títulos de jornais e revistas de época.

O site Memória da Imprensa é constituído por micro coleções de
documentos do acervo da instituição que foram digitalizados e
disponibilizados na internet, acompanhados por narrativas que
situam cada periódico no contexto histórico nacional. A seleção dos
jornais e revistas revela as facetas variadas do jornalismo
brasileiro em momentos distintos da nossa história.

“Os pesquisadores poderão acessar desde publicações que
marcaram época, como a revista A Cigarra (1914-1975) e o jornal
Última Hora (1951-1971), até títulos menos conhecidos, como o
jornal sindical Notícias Gráficas (1945-1964) e o anarquista La
Barricata (1912–1913)”, diz Carlos de Almeida Prado Bacellar,
coordenador do Arquivo Público do Estado de São Paulo.

Estudantes, pesquisadores, interessados em história e jornalismo
também podem conhecer alguns fatos do cotidiano que foram
registrados pelos periódicos da época. Nas páginas do Diário de
Santos (1872-década de 1920), por exemplo, é possível saber
mais sobre o debate público ocorrido no início do século XX em
torno das deficiências do tratamento de esgoto na cidade. O jornal
acompanha as reivindicações da população e a implementação do
projeto de saneamento básico desenvolvido pelo engenheiro
Saturnino de Brito. Os canais de Santos, obra mais marcante do
projeto, são até hoje referência na cidade.

Com uma página que remete à diagramação de um jornal, as
coleções mais completas e consultadas pelo público ganharam
destaque especial e compõem as “manchetes” deste site.
Também é possível fazer download de algumas capas para utilizar
como papel de parede. O site será atualizado periodicamente, com
a inclusão de mais títulos e outros exemplares dos periódicos
atualmente disponíveis.

Um título de destaque é o jornal Última Hora, que revolucionou o
jornalismo brasileiro. Fundado em junho de 1951, o Última Hora
circulou até 1991, período em que ficou conhecido pela sua
participação no jornalismo popular da época e pelo apoio aos
governos de Getulio Vargas e João Goulart, envolvidos em causas
trabalhistas.

Outro título importante é o Movimento, periódico que liderou a
campanha pela anistia durante a ditadura militar. Lançado em
1975, como dissidência do Opinião, e fechado em 1981,
Movimento chegou a ter 3.093 artigos e 3.162 ilustrações
censurados pela ditadura. Sua atuação era centralizada na luta
pelas liberdades democráticas e pela anistia dos exilados e presos
políticos.

O diretor do Departamento de Preservação e Difusão do Acervo do
Arquivo Público do Estado, Lauro Ávila Pereira, explica o sentido da
página dentro do novo site da instituição: “Jornais e revistas
complementam e dialogam com a documentação oficial preservada
pelo Arquivo, inclusive precisando data e sequência dos
acontecimentos históricos. Esta página tem como objetivo divulgar
a nossa hemeroteca, que é uma das maiores do estado, e
corresponde a uma parte importante da memória pública que
preservamos aqui”.


Outros títulos disponíveis neste site são: as revistas O Malho
(1902-1954); Panóplia (1901-1935); Anauê! (1935); Vida Moderna
(1907-1925); Escrita (1975-1988), além dos jornais Lanterna
(1901-1935), Acção (1936), Germinal (1902–1913) e Correio
Paulistano (1854-1963), este último o primeiro diário da província
de São Paulo.

Acesse: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/memoria

Astronomia: palestra sobre a origem do Universo


A palestra

Em setembro do ano passado, Sueli Viegas lançou o livro No início dos tempos, destinado ao público juvenil. Nele, a astrônoma encara o desafio de explicar a formação do universo para leigos e principalmente para pequenos cientistas.

Agora, ela chama professores e educadores para falar sobre a experiência de transmitir conceitos complexos e avançados em linguagem simples, bem-humorada e saborosa aos alunos em sala de aula, para “atiçar a imaginação, a criatividade e fazê-los pensar conceitos tão modernos de astronomia, física, química e biologia”.

Sueli falará ainda da importância de apresentar aos alunos as descobertas efetuadas a partir do século XX e que mudaram radicalmente a concepção do universo dos nossos antepassados. Um material que complementa perfeitamente o que é dado no ensino médio e fundamental, que normalmente privilegia os astros mais próximos, em particular planetas, satélites e sol.

A autora

Sueli Viegas, professora titular do Departamento de Astronomia da USP, é doutora em Astrofísica pela Universidade de Paris VII, foi chefe do Departamento de Astronomia da USP, assessora do CNPq e da Capes, pesquisadora visitante em várias universidades do exterior, representante brasileira na Rede Latino-americana de Astronomia, coordenadora do Núcleo de Excelência Galáxias: Formação, Evolução e Atividade e do Núcleo de Pesquisa em Astrofísica da USP. Foi agraciada com o prêmio de Pesquisador Emérito do CNPq.

Livro e evento da

Você acredita em Vampiros ?


Pois saiba que 2010 e’ o ano do vampiro.

E para comemorar a data, a Fan Music convida você a conhecer a banda de rock mais dark do momento – RIBAS on the ROCKS.
Com o lançamento de seu primeiro CD previsto para o primeiro semestre, a banda apresenta seu repertorio autoral e versões incríveis de grandes sucessos do rock internacional.
Alem do CD, que tem a produção assinada pelo produtor Ricardo Moura, a banda prepara-se para gravar uma serie de videoclips cinematográficos.

Com letras profundas e sonoridade fantasmagórica, a banda RIBAS on the ROCKS, convida você para conhecer seu som, dia 18 de Fevereiro de 2010.

Prepare-se para entrar no mundo do desconhecido. O show vai acontecer em um antigo casarão de Curitiba, ao lado da Cinemateca. O local chama-se Blood Rock Bar (nada mais propicio, já que blood significa sangue em inglês), e tem a temática inspirada em filmes de terror, e decoração ao estilo das masmorras do século XVIII.

Uma noite arrepiante com as melhores bandas da cidade : Ribas on the Rocks, Relespublica e Magaivers.


Serviço : Evento : Show com as bandas Ribas on the Rocks, Relespublica e Magaivers Data : 19 de Fevereiro de 2010, sexta feira Horário : 22:00h Local : Blood Rock Bar Endereço : Rua Carlos Cavalcanti, 1212, bairro São Francisco, Curitiba Entrada : R$ 10,00 (na bilheteria) Info e reservas : www.bloodrockbar.com.br Promoçao : 91 Rock Info das bandas : www.myspace.com/ribasrocks www.myspace.com/relespublica www.myspace.com/magaivers

Programa de música de câmara com selecionados para 2010


Os duos, trios e quartetos contemplados pelo Edital Música de Câmara na Capela Santa Maria farão apresentações de abril a dezembro deste ano.

O Edital Música de Câmara na Capela Santa Maria, do Fundo Municipal da Cultura, contemplou seis projetos na categoria Duo, dois na categoria Trio e cinco na categoria Quarteto, totalizando 13 propostas que obtiverem as melhores notas na análise documental e avaliação de mérito. As apresentações acontecerão na Capela Santa Maria, no período de abril a dezembro deste ano, em datas a serem definidas pela coordenação de música da Fundação Cultural de Curitiba.

A comissão formada por profissionais ligados à área musical selecionou os seguintes espetáculos: na categoria Duo estão “Do Romantismo à Música Americana Contemporânea”, de Jairo Wilkens da Costa Souza; “Lamento e Divertimento”, de Valéria Maria Vargas da Costa; “O Piano”, de Alvaro Ramos; “Recital de Percussão e Eufônio”, de Fernando D. Rodrigues dos Santos; “A Voz do Contrabaixo”, de Pablo Eduardo Guiñez Vergara; e “A Música para Bandolim e Piano”, de Carmen Célia Fregoneze.

Na categoria Trio, os escolhidos foram “Contos de Fada”, de Paulo Emiliano Piá de Andrade; e “Imagine: A Canção Inglesa de Purcell aos Beatles”, de Silvana Ruffier Scarinci. Os projetos vencedores na categoria Quarteto são “Solistas da Salzburg Solists e Soprana Diana Daniel”, de Mirna Dequech Selme Daniel; “Kismara Pessati e Trio Porto Alegre”, proposto por Ramin e Collaço Ltda.; “Imagens”, de Davi Sartori; “B.A.C.H.”, de Paulo José da Costa; e “Olga Kiun e Quarteto Guarani”, de Maria Ivete Fontoura.

Serviço:

Resultado do Edital Música de Câmara na Capela Santa Maria, do Fundo Municipal da Cultura

Disponível no site www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br / Lei de Incentivo.

Informações: (41) 3213-7559 / (41) 3213-7560

Novos editais do Fundo Municipal da Cultura estão com inscrições abertas

Editais lançados pela Fundação Cultural de Curitiba contemplam as áreas de dança, música, artes cênicas, arte urbana e literatura.

A Fundação Cultural de Curitiba lançou sete novos editais do Fundo Municipal da Cultura, que contemplam as áreas de dança, música, artes cênicas, arte urbana e literatura. O total de recursos do Fundo destinado aos novos editais é de R$ 1,045 milhão. As inscrições se estendem até março. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no site www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br, no link “Lei de Incentivo”.

Até o dia 6 de março podem ser feitas as inscrições para os grupos interessados em participar do programa Ópera Ilustrada. Até o dia 8 de março serão aceitas as inscrições para projetos de Pesquisa em Dança Contemporânea. Em 12 de março encerra o prazo para se inscrever no edital de Difusão em Dança. O edital Bandas de Garagem tem inscrições até 13 de março, o de Arte Urbana – Transporte Coletivo até 15 de março, e no dia 30 de março termina o prazo para os dois editais da área de literatura – Contação de Histórias e Fomento em Leitura de Textos Literários.

Outros editais do Fundo Municipal da Cultura foram lançados em dezembro de 2009 e continuam com inscrições abertas. São eles: Difusão em Circo (até 6 de fevereiro), Ocupação de Espaços de Exposições da FCC (até 13 de fevereiro) e Circo da Cidade (até 20 de fevereiro).

Serviço:

Novos editais do Fundo Municipal da Cultura – Inscrições abertas

Ópera Ilustrada – até 6 de março de 2010

Pesquisa em Dança Contemporânea – até 8 de março

Difusão em Dança – até 12 de março

Bandas de Garagem – até 13 de março

Arte urbana – Transporte coletivo – até 15 de março

Contação de Histórias – até 30 de março

Fomento em Leitura de Textos Literários – até 30 de março.

Regulamento e ficha de inscrição disponíveis no site www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br/ Lei de Incentivo

Informações: (41) 3213-7559 / (41) 3213-7560

Fim do diploma faz universidade suspender curso de jornalismo


O fim da obrigatoriedade do diploma de Jornalismo para o exercício da profissão, decidido em junho do ano passado pelo Supremo Tribunal Federal, atingiu a Universidade Mogi das Cruzes (UMC), de São Paulo. Com uma queda de 50% na procura, o curso desse semestre foi suspenso.

A coordenadora de jornalismo da UMC, Cristina Schmidt Pereira da Silva, nega que a universidade tenha intenção de fechar o curso. “Não vamos fechar, vamos apenas deixar de oferecer esse semestre. Sentimos uma diminuição muito grande na procura, uma queda de 50%, o que ficou economicamente inviável”, explicou.

Cristina disse que o curso sempre teve uma boa procura e que existe uma pequena variação entre um ano e outro, mas dessa vez a queda foi muito alta. Além disso, alguns alunos iniciantes do semestre passado se sentiram desmotivados e desistiram do curso. “Ficamos muito tristes com isso, mas vamos continuar, porque queremos mudar essa ideia de que não precisa de diploma para exercer a profissão”, afirmou.

Informa Izabela Vasconcelos, do Comunique-se

Programa de música de câmara com selecionados para 2010


Os duos, trios e quartetos contemplados pelo Edital Música de Câmara na Capela Santa Maria farão apresentações de abril a dezembro deste ano.

O Edital Música de Câmara na Capela Santa Maria, do Fundo Municipal da Cultura, contemplou seis projetos na categoria Duo, dois na categoria Trio e cinco na categoria Quarteto, totalizando 13 propostas que obtiverem as melhores notas na análise documental e avaliação de mérito. As apresentações acontecerão na Capela Santa Maria, no período de abril a dezembro deste ano, em datas a serem definidas pela coordenação de música da Fundação Cultural de Curitiba.

A comissão formada por profissionais ligados à área musical selecionou os seguintes espetáculos: na categoria Duo estão “Do Romantismo à Música Americana Contemporânea”, de Jairo Wilkens da Costa Souza; “Lamento e Divertimento”, de Valéria Maria Vargas da Costa; “O Piano”, de Alvaro Ramos; “Recital de Percussão e Eufônio”, de Fernando D. Rodrigues dos Santos; “A Voz do Contrabaixo”, de Pablo Eduardo Guiñez Vergara; e “A Música para Bandolim e Piano”, de Carmen Célia Fregoneze.

Na categoria Trio, os escolhidos foram “Contos de Fada”, de Paulo Emiliano Piá de Andrade; e “Imagine: A Canção Inglesa de Purcell aos Beatles”, de Silvana Ruffier Scarinci. Os projetos vencedores na categoria Quarteto são “Solistas da Salzburg Solists e Soprana Diana Daniel”, de Mirna Dequech Selme Daniel; “Kismara Pessati e Trio Porto Alegre”, proposto por Ramin e Collaço Ltda.; “Imagens”, de Davi Sartori; “B.A.C.H.”, de Paulo José da Costa; e “Olga Kiun e Quarteto Guarani”, de Maria Ivete Fontoura.

Serviço:

Resultado do Edital Música de Câmara na Capela Santa Maria, do Fundo Municipal da Cultura

Disponível no site www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br / Lei de Incentivo.

Informações: (41) 3213-7559 / (41) 3213-7560

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

CABALA - UMA BREVE INTRODUÇÃO PARA CRISTÃOS


CABALA - UMA BREVE INTRODUÇÃO PARA CRISTÃOS
de
Dra. Tamar Frankiel

Número de Páginas: 240

Outra parcela de uma série de iluminação judaica para o leitor cristão. Kabbalah: Uma breve introdução para os cristãos de Tamar Frankiel é uma reformulação de seu O Dom da Cabala: Descobrindo os segredos dos Céus. Títulos, capítulos e seções dos dois livros são quase idênticos. Embora grande parte do texto não foi alterado, Frankiel exclui material em alguns lugares .

A AUTORA
A dra. TAMAR FRANKIEL é uma das mais importantes mestras do misticismo judaico da atualidade. Ela é professora da Academy for Jewish Religion, na Califórnia, e faz palestras sobre assuntos reladonados ao mistidsmo judaico. É coautora de vários livros.








UM LANÇAMENTO


ARANHA DAILILI


ARANHA DAILILI
Texto: Luciana Savaget
Ilustrações: Patrícia Melo

44 cores . 32 pag .

Com linguagem muito simples, própria de crianças começando a descobrir o mundo das palavras, Luciana Savaget nos apresenta Dailili, uma aranha que se diverte tanto quanto criança que se diverte folheando seu primeiro livro, ou mexendo em seu primeiro brinquedo. Dailili salta, rebola, desliza. E nesse mexe remexe desengonçado, ela troca as pernas, desenhando letras que vão formar uma palavra bonita, bonita, feito poesia a encostar no céu. Por vezes, Dalili parece criança aprendendo a andar, desejando que o mundo se encha da melhor coisa que se pode querer de um mundo humanizado.

UM LANÇAMENTO

No prelo

Política econômica e sustentabilidade ambiental são temas do 1º volume da Coleção 2003-2010

O Brasil em transformação


Será lançado no 4º Congresso do PT o livro A nova política econômica/A sustentabilidade ambiental, primeiro volume da coleção 2003-2010 O Brasil em transformação.

A obra é baseada em debates e depoimentos organizados e colhidos pela Fundação Perseu Abramo em 2009 e nos primeiros dias de 2010. A coleção terá ainda volumes dedicados às diversas políticas sociais, ao papel do Estado e das empresas estatais, à infraestrutura do país, às instituições de justiça e segurança, ao quadro da democracia brasileira, aos direitos humanos e à promoção da cidadania, e à política externa.

Este primeiro volume reúne cinco capítulos ("Um novo modelo econômico em construção", "A crise econômica mundial e as respostas do Brasil", "Preservar o planeta, mudar o modelo de desenvolvimento", "Outros grandes problemas herdados", "Desafios a vencer") e contribuições de diversos gestores, intelectuais e dirigentes do movimento social como Tânia Bacelar, Nelson Barbosa, Aloizio Mercadante, Saturnino Braga, Guilherme Cassel, Luiz Pinguelli Rosa, Marina Silva, Ricardo Amorim, Carlos Minc, Hamilton Pereira, Júlio Miragaya, Artur Henrique, Amir Khair, Ladislau Dowbor, Ermínia Maricato, Carlos Minc, Gilney Viana, Marcos Montenegro, Sérgio Rosa, José Machado e Júlio Barbosa.

O Brasil entre o passado e o futuro

Também está previsto o lançamento no 4º Congresso do PT do livro O Brasil entre o passado e o futuro, organizado por Marco Aurélio Garcia e Emir Sader.

Entre os temas tratados estão a participação social na definição das políticas públicas, por Luiz Dulci; a construção de um novo projeto de sociedade, por Márcio Pochmann; o Brasil de Getúlio a Lula, por Emir Sader; o protagonismo do país no mundo, por Marco Aurélio Garcia; a política econômica, crescimento e distribuição de renda, por Nelson Barbosa e José Antonio Pereira de Souza; e uma crônica de Jorge Mattoso ("País já pode olhar para frente"). Haverá ainda um artigo de Dilma Rousseff.

Lançamentos






AS CHEFIAS AVASSALADORAS

Assédio moral ou violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Pode-se dizer que ele é tão antigo quanto o trabalho.

A novidade reside na intensificação, gravidade, amplitude e banalização do fenômeno e na abordagem que tenta estabelecer o nexo-causal com a organização do trabalho e tratá-lo como não inerente ao trabalho. A reflexão e o debate sobre o tema são recentes no Brasil, tendo ganhado força após a divulgação da pesquisa brasileira realizada por Dra. Margarida Barreto. Tema da sua dissertação de Mestrado em Psicologia Social, foi defendida em 22 de maio de 2000 na PUC/ SP, sob o título "Uma jornada de humilhações".

A primeira matéria sobre a pesquisa brasileira saiu na Folha de São Paulo, no dia 25 de novembro de 2000, na coluna de Mônica Bérgamo. Desde então o tema tem tido presença constante nos jornais, revistas, rádio e televisão, em todo país. O assunto vem sendo discutido amplamente pela sociedade, em particular no movimento sindical e no âmbito do legislativo.

Em agosto do mesmo ano, foi publicado no Brasil o livro de Marie France Hirigoyen "Harcèlement Moral: la violence perverse au quotidien". O livro foi traduzido pela Editora Bertrand Brasil, com o título Assédio moral: a violência perversa no cotidiano.

Atualmente existem mais de 80 projetos de lei em diferentes municípios do país. Vários projetos já foram aprovados e, entre eles, destacamos: São Paulo, Natal, Guarulhos, Iracemápolis, Bauru, Jaboticabal, Cascavel, Sidrolândia, Reserva do Iguaçu, Guararema, Campinas, entre outros. No âmbito estadual, o Rio de Janeiro, que, desde maio de 2002, condena esta prática. Existem projetos em tramitação nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Paraná, Bahia, entre outros. No âmbito federal, há propostas de alteração do Código Penal e outros projetos de lei.


O LIVRO

AS CHEFIAS AVASSALADORAS

de JORGE DIAS SOUZA

Páginas: 192

O sofrimento e terror que o assédio moral traz aos subordinados de chefes que são tiranos estão retratados nesta obra de forma objetiva e clara, incluindo casos reais do mais puro humor negro. Chefes avassaladores destroem diariamente a motivação, a felicidade, a criatividade e a inovação dos seus colaboradores, semeando diariamente o pânico e trazendo prejuízos irreversíveis à imagem de suas organizações. Entenda o perfil desses algozes, saiba o que fazer para lidar com essa situação devastadora e prepare-se para acabar de vez com esses “loucos varridos” ainda de plantão em muitas empresas.


O AUTOR

Jorge Dias Souza é jornalista, administrador e dramaturgo. Atua em cargos gerenciais desde os 22 anos de idade, e desde os 33 em cargos de direção. É membro da American Society for Training and Development (ASTD), e frequentador de seus congressos internacionais desde 1989. Foi professor universitário e consultor de empresas e entidades. Ao longo de sua carreira, recebeu 10 prêmios por seus trabalhos ligados a Responsabilidade Social, Recursos Humanos e Cidadania.

saiba mais em http://www.assediomoral.org/



UM LANÇAMENTO