segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Lucrécia - A bruxinha que queria ser sereia


Lucrécia - A bruxinha que queria ser sereia

de Miriam Portela
Ilustrações de Jefferson Galdino


24 páginas – 24 x 34 cm

Lucrécia não é uma bruxinha comum. Ao contrário das irmãs, primas, tias e até das avós, nasceu gordinha, rosada e de nariz arrebitado.
Mortadela, a mãe, culpa as melancias e abóboras que comeu em excesso durante a gravidez. Não conseguia resistir aos alimentos redondos.
Em sua trajetória, Lucrécia enfrenta os conflitos de uma adolescente que não se identifica com sua família e busca o sonho de ser uma sereia.
Abra as páginas desse livro, dê muitas risadas e se encante com essa nova personagem de Miriam Portela.




Assunto: o conflito de identidade pessoal e de gênero na pré-adolescência. Interdisciplinaridade: Psicologia, Filosofia, Estudos Sociais e Sociologia, Ciências da Natureza e Língua Portuguesa e Literatura. Transversalidade: saúde emocional, orientação sexual, pluralidade cultural e ética. Propostas: criar fantoches e montar uma apresentação teatral, elaborando um final diferente para a história. Indicações: - Séries iniciais do Ensino Fundamental


UM LANÇAMENTO

Galinha Inês - Com ela ninguém tem vez!



Galinha Inês - Com ela ninguém tem vez!



de Miriam Portela
Ilustrações de Glair Arruda



24 páginas - Brochura
Formato: 24 x 34 cm

Inês é uma galinha de personalidade.
Com ela, ninguém briga ou faz maldade!
Ela nunca leva desaforo para casa, pois além de famosa, não tem medo de nada.
Inês é forte e decidida. Tão nova, e já sabe o que quer da vida!
Quer ser feliz ao lado do namorado, o galo Pedrês, e mandar no galinheiro de uma vez!
Entre nesta história e divirta-se com o mais novo livro de Miriam Portela, que nos ensina deliciosamente que uma mulher, quer dizer, uma galinha de opinião é sempre quem toma a decisão!





UM LANÇAMENTO



Sob o Sol de Satã


Sob o Sol de Satã

de Georges Bernanos

Tradução: Jorge de Lima

Edição 01
Formato: 14 X 21 cm
Número de Páginas: 320



Desde seu primeiro romance, Georges Bernanos retratou modalidades radicais da condição humana - a angústia e a fé, o riso e as lágrimas, a dor e a alegria, o bem e o mal. Encontra-se, em 'Sob o Sol de Satã', a busca incessante pela fonte misteriosa onde tudo está ligado acompanhado de uma expressão literária do caráter paradoxal da condição humana.


Tudo está dito. Só resta sentir, por sua vez, a desoladora lucidez de Bernanos lendo Sob o Sol de Satã. Não resumirei a história, isso significaria privar aqueles que descobrem este livro do prazer de devorá-lo como um romance policial, perguntando-se: “Quem foi?” O diabo ou Deus? Esta é a grande questão do livro, até essa cena incrível, na última parte, em que o padre Donissan tenta fazer um milagre ressuscitando uma criança morta.

O que poderia lhe dar essa força sobrenatural: o ódio ou o amor? Esse dilema é representado por Bernanos de maneira grandiosa. Primeiramente, o confronto entre Mouchette, que a mentira e o mal fizeram com que ficasse exterior a ela mesma, e o padre Donissan, que para salvar Mouchette do vazio deve enfrentar ao mesmo tempo o desespero e o diabo, obriga o leitor a voltar à fonte misteriosa onde tudo está ligado: a angústia e a fé, o riso e as lágrimas, a dor e a alegria.







LANÇAMENTO

É REALIZAÇÕES

JERUSALÉM


Jerusalém
de Andrea Frediani

574 páginas


Jerusalém, 70 d.C. Um jovem, membro da família de Jesus, salva as memórias escritas por Tiago, irmão de Cristo, da devastação romana promovida por Tito.

Mais de mil anos depois, o manuscrito reaparece, em Mogúncia, nas mãos da comunidade hebraica, que pretende usá-lo como prova da absoluta inocência dos judeus na morte de Jesus. Agora, em 1099, enquanto a cidade é assediada pelos cruzados, o precioso documento está novamente em Jerusalém, onde os chefes cristãos o procuram a fim de impedir que a mensagem provoque uma cisão no cerne da Igreja.

Oito destinos se entrelaçam à sorte do memorial de Tiago: duas irmãs judias, sobreviventes ao pogrom dos cruzados na Germânia; uma prostituta semipagã e um monge cluniacense que escaparam do desastroso epílogo da cruzada de Pedro, o Eremita; um emir árabe e três ex-combatentes da Batalha de Manzikert: um normando, um bizantino e um turco.
Reconstruído com vívido realismo, tanto nos episódios sangrentos como nas sombrias motivações dos agentes do conflito, ganha corpo o choque entre duas religiões, a cristã e a muçulmana, o qual cresce em ferocidade dia após dia, até o insensato massacre final.

O AUTOR




um lançamento


sábado, 26 de fevereiro de 2011

Natureza, História, Deus


Natureza, História, Deus

de Xavier Zubiri
Tradução: Carlos Nougué


Edição 01
Formato: 13,5 x 23,5 cm
Número de Páginas: 558




Natureza, História, Deus é um clássico da literatura filosófica espanhola do século XX. É, além disso, um livro fundamental na produção escrita de seu autor, Xavier Zubiri. A feliz confluência nele de três grandes criações intelectuais – a filosofia grega, a ciência moderna e a tradição fenomenológica – tem como resultado um pensamento rico e ágil, tão enraizado na tradição quanto rigorosamente inovador.

Ao longo das páginas deste livro, são reapresentados, como seu título indica, alguns dos conceitos mais importantes da filosofia, justamente os de natureza, história e Deus. Trabalhando-os, Zubiri formula pela primeira vez suas teses básicas sobre a realidade, a inteligência e a religação, que depois serão amplamente desenvolvidas em Sobre a Essência, Inteligência Senciente e O Homem e Deus.

Vistas do ângulo dos livros de sua época madura, as velhas páginas de Natureza, História, Deus, cuja tradução ao português é apresentada aqui ao público brasileiro, adquirem renovado vigor e crescente atualidade. Isso permite afirmar que este livro é, sem dúvida alguma, a melhor introdução à filosofia de Zubiri.




O AUTOR
Xavier Zubiri
é um dos pensadores mais originais de nosso tempo. Seu pensamento, situado na trilha aberta por Husserl e Heidegger, desemboca porém na apreensão primordial de realidade, o que permite a Zubiri formular uma nova concepção de inteligência e de realidade. Partindo da análise da inteligência senciente, ele pôde tratar praticamente todos os grandes temas da filosofia clássica. Uma grande e inovadora síntese filosófica, à espera ainda de uma compreensão mais exaustiva.

Xavier Zubiri nasceu em San Sebastián (Donosti), em 1898. Após estudar no Colegio de Santa María daquela cidade, o jovem Zubiri inicia os estudos de filosofia e teologia no Seminário de Madri, onde recebe influências decisivas para sua formação filosófica. Muito importante é o encontro, em 1919, com Ortega y Gasset, que o introduz nas principais correntes do pensamento europeu, especialmente a fenomenologia de Husserl.

Entre 1920 e 1921, Zubiri estuda filosofia na Universidade Católica de Louvain. No final de 1920, vai a Roma, onde obtém o doutorado em teologia. Em fevereiro de 1921, apresenta em Louvain a tese de licenciatura Le Problème de la Objectivité d’Après Ed. Husserl. I: La Logique Pure. Em 21 de maio, apresenta na Universidade Central de Madri a tese de doutorado Ensayo de una Teoría Fenomenológica del Juicio, com que assume uma posição “objetivista” no âmbito do movimento fenomenológico. E ainda em 1921 é ordenado sacerdote, em Pamplona.

Em 1926 Zubiri conquista a cátedra de História da Filosofia da Faculdade de Filosofia e Letras na Universidade Central de Madri. Muda-se três anos depois para Friburgo de Brisgóvia, onde frequenta cursos de Husserl e de Heidegger. Ele assume a radicalização da fenomenologia operada por Heidegger, mas se mantém crítico com respeito às ideias deste.

Em 1930 encontra-se em Berlim, onde conhece Einstein e Schrödinger. Grande parte de seus esforços se voltam então para o estudo dos avanços na física e suas consequências para a filosofia. Zubiri pensava que tais progressos científicos necessitavam de um instrumental filosófico completamente novo, que só se poderia alcançar elevando a um novo patamar as descobertas de Husserl e Heidegger.

Em 1931 retoma a cátedra em Madri. É um período em que Zubiri elabora trabalhos decisivos para sua trajetória posterior. Os grandes conceitos da filosofia ocidental começam a ser questionados. Em 1935 Zubiri vai a Roma, onde obtém a secularização, e um ano depois se casa com Carmen Castro. Com a nova situação política italiana, o casal se muda para Paris, onde Zubiri ministra cursos no Institut Catholique e estuda linguística com Benveniste. Ali permanece até o início da guerra mundial.

O retorno à Espanha não é fácil. Após diversas vicissitudes, o filósofo afasta-se definitivamente da universidade e passa a dar cursos particulares. Em 1944, publica-se Natureza, História, Deus. Em 1947 funda-se a Sociedad de Estudios y Publicaciones, em que Zubiri poderá expor seu pensamento. Por muitos anos ele quase não publica. Mas seus cursos orais refletem o progressivo amadurecimento de uma filosofia que tem raízes no que Zubiri chama “impressão de realidade”. A filosofia clássica, pensa Zubiri, “substantivou” e “entificou” a realidade, ao mesmo tempo que “logificava” a intelecção. Agora Zubiri propõe, em face do lógos antigo e moderno, a inteligência senciente, e, em face da substância antiga e do sujeito moderno, uma nova ideia de realidade como estrutura substantiva. É o que se verá em seu Sobre a Essência (1962).

Na década de 1970 cria-se o Seminario Xavier Zubiri. Nesta fase, conquanto ele se interesse também por vários outros temas, em verdade se está preparando para escrever sua obra máxima: a trilogia Inteligência Senciente, a cujo primeiro volume, Inteligência e Realidade (1980), se seguem Inteligência e Logos (1982) e Inteligência e Razão (1983). Nesta trilogia Zubiri possibilita uma compreensão sistemática de seu pensamento mais maduro e resolve todas as dúvidas quanto a um suposto “realismo ingênuo” em sua filosofia.

Em 1983, já doente, Zubiri escreve O Homem e Deus, que não poderá terminar. Falece em 21 de setembro, em Madri. Seus discípulos, reunidos no Seminario Xavier Zubiri e, depois, na Fundación Xavier Zubiri, dão início à publicação de suas obras.

Saiba mais sobre Xavier Zubiri em http://www.zubiri.net/





LANÇAMENTO

É REALIZAÇÕES

ISO Série 9000 - Mauriti Maranhão


ISO Série 9000 (Versão 2008)
– 9ª Edição –

Nº de páginas: 264

Pois bem chegamos à nona edição e já está mais que na hora de começar a implementar em sua empresa novos parametros de qualidade e eficiência. Ou será que isso é só uma daquelas famosas resoluções de ano novo? Claro que não. Mãos à obra! (E.C.)

A ISO 9000 cada vez mais se afirma como instrumento de referência para a gestão da Qualidade. Além da comprovada eficácia de sua metodologia, é genérica, sendo apropriada a qualquer tipo ou porte de organização.

A obra apresenta passo a passo para solucionar o quebra-cabeça da gestão sustentada, abordando temas como competitividade (sustentação técnica e econômica); Ambiente (preservação do ecossistema); responsabilidade social (ética) e “dicas” para a compreensão, projeto, desenvolvimento, implementação e manutenção de Sistemas de Gestão da Qualidade — SGQ ISO 9000.
Mais do que fornecer subsídios, o livro pretende mostrar para empresários e trabalhadores os inestimáveis benefícios de implementar SGQs ISO 9000.

Nesta 9ª Edição (Revista e Ampliada), – alinhada com a NBR ISO 9001:2008 – incorporou-se a abordagem estruturada de processos, metodologia indispensável ao atual exigente ambiente competitivo.


Em edição atualizada, a obra fornece as informações e "dicas" para a compreensão, projeto, desenvolvimento, implementação e manutenção de Sistemas de Gestão da Qualidade - SGQ ISO 9000.


UM LANÇAMENTO








A beleza e o inferno


A beleza e o inferno
La bellezza e l'inferno
de Roberto Saviano


Tradutor: Karina Jannini


Páginas: 294

A beleza e o inferno: entre polos tão opostos — que evocam o pensamento de Albert Camus —, estende-se o território frequentado por Roberto Saviano, habitado por sua visão da vida e da arte, e por seu engajamento.

Introduzidos por um prefácio do próprio Saviano, os textos aqui reunidos traçam um percurso tão rico e variado quanto reconhecível e coerente.

Do rapaz que já dá os primeiros, porém maduros, passos no âmbito da literatura e da militância antimáfia ao escritor consagrado que é convidado para a Academia do Nobel e abraçado pelas vítimas do terremoto em Abruzzo, Roberto Saviano continua sendo ele mesmo.

Fala-nos do sobrenatural Lionel Messi, que venceu um gigantesco desafio contra as severas limitações de seu próprio corpo; de Anna Politkovskaia, assassinada porque não havia outro modo de calar sua boca; dos pugilistas de Marcianise, para os quais o suor do ringue tem cheiro de raiva e de redenção; de Miriam Makeba, que foi a Castel Volturno levar solidariedade a seis irmãos africanos, mortos pela mão camorrista; de Enzo Biagi, que, em sua última transmissão, entrevistou Saviano; de Felicia, mãe de Peppino Impastato, que por vinte anos teve que olhar o rosto do assassino do filho, antes de obter justiça; e de tantos outros personagens encontrados na vida ou entre as páginas dos livros, seja na terra sofrida e poluída dos homens, seja nas livres e vastas da literatura.

A CRÍTICA
“Temos de agradecer a Roberto Saviano. Ele restituiu à literatura a capacidade de abrir os olhos e as consciências.”
Mario Vargas Llosa, Prêmio Nobel de Literatura 2010









um lançamento


As duas menininhas de azul


As duas menininhas de azul
Two little girls in blue
de Mary Higgins Clark


Tradutor: Haroldo Neto



Páginas: 400



É aniversário das gêmeas Kathy e Kelly, de 3 anos, filhas do casal Frawley. Após a festa, eles saem para jantar e as deixam com a babá, mas, ao voltarem, têm uma terrível surpresa: suas filhas foram raptadas. A empresa em que ele trabalha acaba pagando o resgate, mas apenas uma das gêmeas é libertada, e tudo indica que a outra tenha sido morta. No entanto, uma conexão inexplicável entre as meninas mudará o rumo desta história.

A AUTORA
Mary Higgins Clark nasceu e foi criada em Nova York. Seus livros tiveram mais de 70 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Foi presidente da Associação Mistery Writers of America e recebeu o Grand Prix de Littérature, na França, em 1980, entre muitas outras honrarias. Atualmente, vive com o marido em Saddle River, Nova Jersey.

A CRITICA
“Mary Higgins Clark prende os leitores até a última página.” - Boston Globe

Ovelha negra


Ovelha negra
Black sheep
de Georgette Heyer


Tradutor: Ana Luiza Borges


Páginas: 286



A rica Abigail Wendover, ainda solteira aos 28 anos, ocupa seu tempo com as obrigações sociais da época. Sua mais nova preocupação é a paixão da sobrinha Fanny pelo belo mas interesseiro Stacy Calverleigh. Para protegê-la, Abby procura Sr. Calverleigh. Acaba encontrando, porém, o tio de Stacy, Miles: a ovelha negra da família. Ele fez fortuna na Índia, mas é repudiado pela “boa sociedade” devido a um antigo escândalo. O encontro dará início a um mútuo encantamento. Construído com leveza e sensibilidade, Ovelha negra retrata a Inglaterra do início do século XIX, abordando as limitações e as possibilidades das convenções sociais. Uma divertida e bela história.

A AUTORA
Georgette Heyer
nasceu em 16 de agosto de 1902, em Wimbledon. Quando morreu, aos 71 anos, tinha publicado mais de cinqüenta obras, traduzidas para dez idiomas, entre elas 11 histórias de detetive. As tiragens de seus livros variavam entre 60 mil e 120 mil exemplares - num período de recessão mundial em que não se podia recorrer a trens, jornais e correio. Apesar de nunca ter cedido à imprensa, suas obram sobrevivem.

Mais sobre a autora em www.georgette-heyer.com

A SEXTA MULHER


Enfim o ano está começando. Passado o Carnaval voltaremos às atividades normais, espero...Um sinal disso tudo é que o sempre atencioso Sergio França nos indica alguns lançamentos da Editora Record. São títulos imperdíveis para os fans de ficção, em especial romances históricos. Confira (C.R.)

A sexta mulher
The sixth wife
de Suzannah Dunn

Tradutor: Marilene Cezarina Tombini


No início do século XVI, ninguém imaginaria que o príncipe mais belo da Europa, o então gracioso Henrique VIII, morreria obeso, deformado e com uma reputação de Barba-Azul. Foram seis mulheres com o destino marcado pelo monarca. Divorciada, decapitada, morta, divorciada, decapitada, sobrevivente. Assim passaram a ser popularmente conhecidas suas rainhas: não tanto pela trajetória, mas como suas vidas acabaram.

Em A SEXTA MULHER, Suzannah Dunn abre novas perspectivas de compreensão da vida social de um interessante período da história britânica ao revelar o destino de Catarina Parr, última mulher de Henrique VIII. Uma mulher forte, de extraordinária determinação, que viveu sob a sombra de seu destino e posição, no coração da mais glamourosa e excitante corte da Europa. E ainda assim sobreviveu, seguindo seu coração.

Vítima da obsessão do rei por um herdeiro masculino, sua história tem todos os elementos de um drama — horror, comédia, obsessão. Sobrevivente do mais cruel dos maridos, Catarina reinou e apaixonou-se de novo. Mas foi traída por quem mais amava. Após a morte de Henrique, ela cai pelos encantos do ousado, charmoso e irresistível Thomas Seymour. Sem pensar duas vezes, se casa com ele. Uma união apressada que selaria seu destino de forma inexorável.

Outra Catarina, duquesa de Suffolk e melhor amiga da rainha viúva, se torna a principal e mais relutante testemunha do caso. Enquanto ela nutre graves suspeitas sobre Thomas, torna-se claro que ela própria também possui um lado sombrio. E quando Thomas inicia uma misteriosa amizade outra das amigas de Catarina, Elizabeth Tudor, o conto de fadas desmorona. Até onde Thomas irá em sua busca por poder? Deixará para trás a esposa grávida?

Tão afiada nos detalhes históricos quanto nos meandros do coração humano, Dunn cria um romance envolvente sobre a vida de duas mulheres corajosas e arrojadas que decidem arriscar tudo por amor numa época em que o amor é um luxo a que nem a realeza se pode permitir.

A Crítica
“Que história! Cativante até a última página!” The Times

“Suzannah Dunn tece uma história de amor comovente e verdadeira... sobre segundas chances no amor e uma paixão revivida. Trata-se do universo dos Tudor como raramente visto. Encantador.” Daily Telegraph

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

"emissora usa dinheiro dos fiéis da Universal"

TV Record: Juca Kfouri afirma que emissora usa dinheiro dos fiéis da Universal



O jornalista Juca Kfouri declarou que o dinheiro da TV Record vem dos fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd). A afirmação de Juca foi feita nesta quinta-feira (24/2), em sua coluna na Folha de S. Paulo. A emissora de TV e a igreja pertencem ao mesmo empresário, Edir Macedo.

A critica de Juca ao canal 7 de São Paulo está relacionada ao fato de seis clubes terem deixado o Clube dos 13 para negociar de forma independente os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro. De acordo com o colunista, a briga entre os times e a entidade aconteceu "porque os que saíram (Botafogo, Corinthians, Coritiba, Flamengo, Fluminense e Vasco da Gama) não querem saber de mudanças e preferem a Globo".

"Eu, aliás, também preferiria, ainda mais que o dinheiro da Record é uma forma de concorrência desleal, porque da Iurd. Só os adeptos daquele chinês que não se importa com a cor do gato, desde que ele coma ratos, não dão bola à origem do dinheiro, como o Corinthians, com o aval de seu atual presidente, não se importou com a grana da MSI", diz Juca, em sua coluna, ao mostrar que também prefere ter sua imagem exibida na emissora da família Marinho.

Comentário parecido
Na noite desta quarta-feira (23/2), o jornalista já havia feito criticas à TV Record durante participação na jornada esportiva da CBN. Em conversa com o narrador Marcelo Gomes e com o apresentador Paulo Massini, Juca declarou que o dinheiro da emissora de Edir Macedo vem "da fé" e que as agências de publicidade preferem divulgar produtos na TV Globo, ao invés de veicularem na Record.

Antes disso, no quadro "Momento do Esporte", durante o "Jornal da CBN 2ª Edição", Juca questionou a parcialidade da Record. "A Record bateu no Andrés não foi por razões jornalísticas, foi pelo fato de ele ser a favor da Globo", disse.

Procurada pela reportagem, a Record disse que não irá se manifestar sobre as declarações de Juca.

5ª edição da Meia Maratona de São Paulo

5ª edição da Meia Maratona de São Paulo abre a Liga de Ouro de Corridas de Rua

A 5ª edição da Meia Maratona de São Paulo reunirá 11.500 corredores e terá um atrativo a mais para os atletas de Elite. A prova deste domingo de manhã será a abertura da Liga de Ouro Brasil de Corridas de Rua , um símbolo e um ranking com sete das principais competições do País e que premiará os cinco melhores atletas, masculino e femininos, com R$ 250 mil.

Ao final de um ano, somados os resultados, os campeões levarão R$ 50 mil e os vices garantirão R$ 30 mil. Os terceiros colocados terão direito a R$ 20 mil; quartos lugares R$ 15 mil e os que terminarem na quinta posição, R$ 10 mil.

Além da Meia Maratona de São Paulo, que abre o ranking no domingo e fecha com a edição de 2012, o calendário da Liga de Ouro terá: 10K Brasil (SP, 5 de junho), Maratona de São Paulo (19 de junho), Meia Maratona do Rio de Janeiro (21 de agosto), Maratona de Revezamento(Rio de Janeiro, 2 de outubro), 10k Rio (13 de novembro), e Volta da Pampulha (Belo Horizonte, 4 de dezembro).

"Há mais de oito anos, a Yescom criou um ranking, junto com a Rede Globo, que vem dando uma série de benefícios, como passagens e hospedagens aos atletas mais bem colocados. Nessa mesma linha, estamos lançando a Liga de Ouro, que não é uma entidade, apesar do nome, e sim um símbolo e um prêmio especial aos melhores atletas brasileiros do ano que correm nossas provas", afirma Thadeus Kassabian, diretor da Yescom, organizadora das provas e idealizadora da Liga de Ouro.

A pontuação da liga será distribuída para os 10 primeiros de cada evento. A Maratona de SP tem peso 4, as Meia do Rio e de SP e a Volta da Pampulha têm peso 3 e as provas de 10k ou revezamento (10K Brasil, 10K Rio tem peso 2). Outro destaque será a bonificação de 100% em pontos a cada recorde de prova quebrado. Além disso, quem bater sua marca pessoal na competição terá bônus de 50% na pontuação.

"A premiação, a maior distribuída a corredores de rua no Brasil, foi criada para incentivar os atletas a melhorarem suas marcas pessoais e baterem os recordes de cada prova. Acreditamos que, assim, estaremos colaborando para melhorar o nível técnico das provas brasileiras", acrescenta Kassabian.

Entrega dos kits de participação - Os kits de participação da Meia Maratona de São Paulo serão entregues nesta sexta-feira (das 9h às 20h) e no sábado (8h às 17h), no Ginásio Poliesportivo Mauro Pinheiro, que fica na Rua Abílio Soares, 1300. Cada kit é composto de número de peito, chip, camiseta e guia de informações do atleta.

A Meia Maratona de São Paulo 2011 tem realização e organização da Yescom, com promoção da TV Globo, Sportv, Globoesporte.com e patrocínio da Caixa, Adidas e Fisk. O apoio é da Gatorade, HCor e Montevergine. Apoio Especial da Prefeitura Municipal de São Paulo e Governo do estado de São Paulo, com supervisão da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Federação Paulista de Atletismo (FPA), Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) e Associação das Maratonas e Corridas de Rua Internacionais (AIMS).

PROGRAMAÇÃO CINEMA CURITIBA

PROGRAMAÇÃO

De 25 de fevereiro a 3 de março de 2011

CINEMATECA - Sala Groff - Rua Carlos Cavalcanti nº 1.174 – fone 41 3321-3252 (diariamente, das 9h às 12h e das 14h às 22h30 – sábados e domingos, das 14h30 às 22h30) www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br

MÚSICA SUBTERRÂNEA (BR/PR, 2009 – 114’). Direção de Luciano Coelho.

Documentário sobre o jazz em Curitiba. Nas décadas de 1950 e 1960, Curitiba possuía uma cena musical de jazz efervescente, refletindo um dos momentos áureos da economia local e suas grandes safras de café, o chamado “ouro verde”. O movimento atraia músicos de vários lugares do país e teve palco principalmente nas boates da cidade, onde o repertório habitual começou a ser progressivamente substituído pelo estilo musical norte-americano. Uma cena que tem se mantido graças à formação de novas gerações de músicos. Classificação livre

Sessões às 15h45, 18h e 20h15

Ingresso pago –R$5,00 (inteira)

R$2,50 (meia)

R$1,00 (aos domingos)

Agenda Cultural 25 de fevereiro a 3 de março


clique para ampliar

Projetos culturais recebem apoio financeiro do município

Os interessados em desenvolver projetos culturais em Curitiba devem ficar atentos às oportunidades de financiamento que estão sendo ofertadas pela Prefeitura. A Fundação Cultural de Curitiba está em plena temporada de abertura de editais para selecionar projetos nos diversos segmentos artísticos, por meio do seu Programa de Apoio e Incentivo à Cultura. Para este ano está previsto um repasse de R$ 22,076 milhões, correspondentes a até 2% da arrecadação dos impostos municipais (IPTU e ISS).

Artistas, produtores, pesquisadores e cidadãos que têm interesse em desenvolver projetos culturais, com financiamento do município, têm dois caminhos a seguir: concorrer aos editais do Fundo Municipal da Cultura ou aos editais do Mecenato Subsidiado. A principal diferença entre Fundo e Mecenato está na forma de recebimento dos recursos. No Fundo, a verba é repassada diretamente pela Prefeitura ao autor do projeto contemplado, enquanto no Mecenato, os recursos devem ser captados junto a empresas que, mediante renúncia fiscal do município, podem destinar até 20% do imposto devido ao projeto cultural.

A captação de recursos junto a empresas não torna o procedimento do Mecenato mais complicado que o do Fundo. Na verdade, as empresas simplesmente utilizam parte dos impostos que recolheriam aos cofres municipais. Para elas o Mecenato também representa uma opção vantajosa, pois, sem fazer investimentos diretos, ganham visibilidade e têm a sua logomarca associada a um produto cultural.

Outra diferença é que os projetos que concorrem ao Fundo Municipal da Cultura devem se enquadrar nas propostas dos editais, previamente definidas por uma comissão, segundo a política cultural do município, as sugestões da classe artística e as demandas da comunidade. Os editais do Fundo fomentam importantes programas da Prefeitura nas áreas de música, dança, teatro, circo, ópera, literatura, artes visuais, audiovisual, patrimônio, artesanato, folclore e cultura popular. No Mecenato, o autor tem liberdade de desenvolver a sua proposta, desde que também siga determinados critérios e atenda os requisitos previstos em lei.



Participação – Para participar do Fundo e do Mecenato é preciso cumprir uma série de exigências legais, para garantir a devida prestação de contas do recurso público empregado. Nos dois casos há análise de mérito, ou seja, da qualidade do projeto e do produto cultural que recebe o incentivo público. A apresentação das propostas também deve obedecer a determinados padrões, com formulários específicos e modelos pré-definidos.

Com o intuito de garantir o amplo acesso dos cidadãos ao financiamento público na área cultural, a Fundação promove em todo último sábado de cada mês uma Oficina de Elaboração de Projetos Culturais. A oficina é gratuita e acontece na sede da Diretoria de Apoio e Incentivo à Cultura, no Moinho Rebouças (Rua Engenheiros Rebouças, 1.732), das 9h às 12h e 14h às 18h. A inscrição pode ser feita por telefone (41-3213-7511) ou pelo e-mail paicatendimento@fcc.curitiba.pr.gov.br.



Editais – Até o dia 12 de março, a Fundação Cultural de Curitiba receberá inscrições para os editais do Mecenato Subsidiado 2011, que abrangem agentes culturais iniciantes e não iniciantes. O edital encontra-se disponível no site da Fundação Cultural (www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br, link “Lei de Incentivo”, menu – “Editais/Inscrições” – “Mecenato 2011”).

São contempladas pelo Mecenato Subsidiado as áreas de música, artes cênicas, audiovisual, literatura, artes visuais, patrimônio histórico, artístico e cultural, folclore, artesanato, cultura popular e demais manifestações culturais tradicionais. O valor máximo dos projetos aprovados pelo Mecenato é de R$ 88 mil para os não iniciantes e de R$ 44 mil para os iniciantes. Ambos têm o compromisso de apresentar uma contrapartida social.

Até o final do ano serão lançados pelo Fundo Municipal da Cultura 34 editais, liberando recursos para um total de 256 projetos culturais. Doze editais já foram lançados e alguns tiveram suas inscrições encerradas, mas só em março serão lançados mais 11 novos editais.

Os editais, regulamentos e formulários de inscrição também estão disponíveis no site da Fundação Cultural. Ao acessar a página, os interessados encontram todas as informações sobre os valores concedidos e as obrigações pertinentes a cada área pretendida, além do número de projetos a serem selecionados e equipamentos disponibilizados. Todos os editais estabelecem uma contrapartida social, na qual os contemplados devem realizar cursos, oficinas e apresentações gratuitas para a comunidade.



Conheça os editais do Fundo que serão lançados em março:



Música nos Parques – seleciona grupos musicais para se apresentar aos domingos, nos meses de verão, nos parques de Curitiba.

Difusão em Dança – seleciona espetáculos de dança de todos os estilos para apresentações no Teatro Cleon Jacques (Centro de Criatividade).

Circo da Cidade – destinado a companhias interessadas em se apresentar no Circo da Cidade Zé Priguiça e realizar oficinas circenses para crianças.

Difusão em Teatro – seleciona companhias teatrais para apresentar espetáculos para o público infantil e aduto em espaços alternativos nos bairros.

Análise e Criação Literária – para projetos de cursos e oficinas voltadas à produção de textos e estudos de obras nos diversos gêneros literários.

Arte Urbana – Passarelas Subterrâneas – seleciona projetos de arte urbana, como o grafite, para intervenções em passarelas de terminais de ônibus.

Patrimônio Imaterial – apoio à realização de levantamento histórico e publicação (em livro, DVD, catálogo, exposição ou outros suportes) de pesquisas referentes ao patrimônio imaterial de Curitiba.

Registro e Inventário dos Caminhos Históricos – levantamento e publicação de pesquisa referente a um dos caminhos históricos de Curitiba.

Difusão de Pesquisas Históricas – publicação de pesquisas já desenvolvidas.

Pesquisa Urbana – seleciona projetos de memória urbana para publicação.

Corrente Cultural – seleciona projetos culturais de diversos segmentos artísticos para integrar a programação da Corrente Cultural, em novembro de 2011.

Novas mídias na arte

Novas mídias na arte contemporânea são tema de palestra no CCC



A transformação que a cultura experimenta com as inovadoras tecnologias da informação e da comunicação será discutida neste sábado (26), na palestra “Arte contemporânea: novas mídias e novos conceitos”, que Guilherme Kujawski comanda, a partir das 17h, no Centro de Criatividade de Curitiba. O ingresso é gratuito, mas as vagas são limitadas. Informações pelos telefones 3313-7191, 3313-7192 e 3313-7193.

O encontro integra o projeto “In.flexão”, que engloba uma exposição dos artistas de multimídia Fábio Alves e Tiê Passos, em cartaz também no Centro de Criatividade de Curitiba. A mostra, sob a curadoria de Jonas Prates, faz a confluência poética entre informação, mídia e estética, permitindo que o público aprecie projeções em uma escultura flutuante, que interagem com os visitantes por meio de sons, luzes e imagens.

Jornalista, autor de ficção científica e produtor cultural, Guilherme Kujawski abordará a estética das novas mídias e a relação da arte com seus novos meios de criação e difusão. Mestrando do curso MediaArtHistories, em Donau-Universität Krems, na Áustria, o palestrante tem artigos e ensaios publicados em diversos veículos, desde 1993. Entre 2000 e 2002, foi editor de tecnologia da revista CartaCapital e, em 1994, publicou o romance “Piritas Siderais” (Editora Francisco Alves). Atualmente, concebe e organiza eventos na área de arte tecnológica para o Instituto Itaú Cultural, onde também edita CIBERCULTURA, revista sobre arte, ciência e tecnologia.

Segundo Guilherme, temas como ciberespaço, hipermídia, realidade virtual e ciberarte estão cada vez mais presentes no nosso cotidiano, mudando o modo como entendemos o mundo. Ele destaca que uma das questões mais intrigantes dentro da arte contemporânea, especificamente no campo das artes visuais, é o que é exatamente a arte e sua intersecção com as novas mídias.



Serviço:

Projeto “In.flexão”

Palestra “Arte contemporânea: novas mídias e novos conceitos”, a cargo de Guilherme Kujawski

Data e horário: dia 26 de fevereiro de 2011 (sábado), às 17h

Local: Centro de Criatividade de Curitiba (Rua Mateus Leme, 4.700 – São Lourenço)

Entrada franca (vagas limitadas)

Informações pelos telefones: 3313-7191 / 3313-7192 / 3313-7193

Passeios de ônibus urbanos tematizam Artes Cênicas

Passeios de ônibus urbanos tematizam Artes Cênicas em março, quando transcorre Dia Mundial do Teatro



São passeios temáticos de ônibus urbanos. Assim se concretiza o programa PerCursos Urbanos, do Centro Cultural Banco do Nordeste em parceria com a ONG Mediação de Saberes. No próximo mês de março, em que transcorre o Dia Mundial do Teatro (dia 27), o programa realizará três passeios tendo como referência as Artes Cênicas, nos dias 12, 18 e 26. Gratuitas, as inscrições acontecem na recepção do CCBN-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - fone: (85) 3464.3108).

Denominado "As expressões humanas no Teatro", o primeiro passeio acontecerá no dia 12 (sábado), de 15h às 18h30, tendo como mediador João Paulo Pinho (ator formado pelo curso de Arte Dramática da Universidade Federal do Ceará e membro do grupo cênico Expressões Humanas). Inscrições abertas a partir de 09 de março.

Intitulado "Cenografia e figurino, espaços cênicos e os criadores da cena", o segundo roteiro será mediado por Marcelo Santiago (artista visual, figurinista, cenógrafo há 15 anos, trabalha na formação de cenotécnicos). Acontecerá no próximo dia 18 (sexta-feira), de 15h às 18h30, com inscrições abertas a partir do dia 15.

Por sua vez, o terceiro passeio abordará o tema "O Teatro e a Cidade", com a mediação de Thiago Arrais (diretor teatral, professor do curso de Licenciatura em Teatro do IFCE, bacharel em direção teatral pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre em Teatro pela Universidade de São Paulo e integrante do movimento Todo Teatro é Político). O referido roteiro acontecerá no próximo dia 26 (sábado), de 15h às 18h30, com inscrições abertas a partir do dia 22.

Leia a seguir as sinopses de cada um dos três passeios temáticos:



As Expressões Humanas no Teatro

Dia 12, sáb, 15h às 18h30

Na comemoração de 20 anos do Grupo Expressões Humanas, o PerCursos Urbanos o convida para mostrar, junto à cidade, sua pesquisa teatral, que como o nome do próprio grupo diz, vem se engendrando na necessidade da expressão humana. Uma busca, uma luta, uma ato vital. Seguindo este fio, o Grupo Expressões Humanas vem buscando, através do teatro, criar e desenvolver elos que facilitem nossas conflitantes expressões humanas. O grupo tem intuito de complexificar as possibilidades de chegar às pessoas através da experimentação de uma linguagem que contribua para a construção de um teatro vivo, atento ao cotidiano e à cidade, proporcionando a construção do ser artístico e social. 210min.

Mediador: João Paulo Pinho, graduado em Gestão Pública pela UNIFOR, ator formado pelo Curso de Arte Dramática da UFC, membro do Grupo Expressões Humanas.

Participantes: Interessados em geral, mediante inscrição prévia.

Ponto de saída: Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza.

Inscrições: A partir de 09/03, na recepção do CCBN-Fortaleza.



Cenografia e Figurino, Espaços Cênicos e os Criadores da Cena

Dia 18, sex, 15h às 18h30

O teatro reúne muita gente na frente e atrás dos palcos. E não só os dramaturgos e os atores, mas também os profissionais de bastidores são prestigiados no meio e têm importante história a ser enveredada. Nesta tarde, iremos percorrer especialmente lugares, pessoas e histórias da cenografia e figurino em Fortaleza. Histórias de quando ainda não havia profissionais específicos e os carnavalescos e artistas plásticos davam o suporte a estas demandas do teatro e dança, descobrindo na cenografia e figurino um conforto e, ao mesmo tempo, desafio no campo da invenção. Histórias dos painéis pintados e "fantasias" até às mil e uma possibilidades tecnológicas que convivem nos palcos de Fortaleza misturando tempos, espaços, expressões, culturas, texturas e mundos. 210min.

Mediador: Marcelo Santiago, artista visual, figurinista, cenógrafo há 15 anos, trabalha na formação de cenotécnicos.

Participantes: Interessados em geral, mediante inscrição prévia.

Ponto de saída: Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza.

Inscrições: A partir de 15/03, na recepção do CCBN-Fortaleza.



O Teatro e a Cidade

Dia 26, sáb, 15h às 18h30

A relação do teatro com Fortaleza não se limita às salas de teatro convencionais. Ela se amplia a cada dia. Estende-se por lugares incomuns, ocupando diferentes quadrantes da capital cearense. Em nosso percurso, conheceremos parte dessa "cidade-teatro", também cidade teatral e, afinal, cidade onde o teatro se expressa. Acompanharemos, assim, um movimento concreto que está a pleno vapor em Fortaleza: o teatro buscando a cidade, a cidade buscando o teatro. 210min.

Mediador: Thiago Arrais, Diretor teatral, professor do curso de Licenciatura em Teatro do IFCE, bacharel em direção teatral pela UFRJ e mestre em Teatro pela USP. É integrante do Movimento Todo Teatro É Político.

Participantes: Interessados em geral, mediante inscrição prévia.

Ponto de saída: Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza.

Inscrições: A partir de 22/03, na recepção do CCBN-Fortaleza.

Diversidade cultural é marca do Carnaval em Curitiba



Diferentes opções culturais em pleno período carnavalesco fazem de Curitiba um destino especial. A cidade abre espaço para manifestações de todos os gostos, o que faz da diversidade a marca do seu carnaval. Tem o desfile de escolas de samba, como na maioria dos lugares, mas também o original bloco Garibaldis e Sacis, puxado pelas marchinhas carnavalescas, o Psycho Carnival para quem troca o samba e o axé pelo psycho e rockabilly, e também os bailes populares do Bairro Novo, oportunidade para as famílias brincarem a folia como nos clubes de antigamente.

“São quatro diferentes maneiras de abordagem do Carnaval, mas que se complementam no seu conjunto”, diz o diretor de Planejamento da Fundação Cultural de Curitiba, Beto Lanza. Ele destaca que a diversidade constitui o próprio perfil de Curitiba, historicamente formada por várias etnias e, portanto, palco de diferentes culturas. “Isso também se reflete no período de Carnaval, quando a cidade se abre para receber as mais diversas manifestações”.

O bloco pré-carnavalesco Garibaldis e Sacis tem a sua última apresentação neste domingo (27), a partir das 16h, no Largo da Ordem. Desta vez, a festa tem como tema os “Invertidos”, em que homens devem brincar fantasiados de mulher e mulheres, vestidas de homem. Os Garibaldis e Sacis saíram pela primeira vez às ruas há mais de dez anos e agora são uma das atrações mais esperadas. Mesclando as marchinhas com modernidade e liberdade de expressão, o bloco nasceu da união de pessoas de vários setores da sociedade, traduzindo mais uma vez a pluralidade do carnaval curitibano.

O desfile das escolas de samba será realizado no dia 5 de março (sábado), a partir das 18h, com a participação das escolas Acadêmicos da Realeza, Embaixadores da Alegria, Leões da Mocidade e Mocidade Azul, pelo Grupo A, e Os Internautas e Unidos de Pinhais, pelo Grupo B. Os blocos carnavalescos Derrepent e Rancho das Flores, mais o Grêmio Cultural Boi de Pano, também são atrações do desfile. Os bailes populares, para crianças e adultos, acontecem nos dias 7 e 8 de março, das 15h às 19h e das 20h às 24h no Ginásio de Esportes Bairro Novo.

Durante o feriado, também será realizada em Curitiba a 12ª edição do festival Psycho Carnival. Neste ano se apresentam 30 bandas, sendo 10 internacionais. As principais atrações são as bandas Nekromantix (Dinamarca/EUA), Mad Sin (Alemanha), The Griswalds (Reino Unido) e Phantom Rockers (Reino Unido/EUA). As apresentações acontecem entre os dias 4 e 7 de março, no Moinho Eventos e Jokers Pub. Mas um dos momentos mais peculiares é a caminhada Zombie Walk, que neste ano tem previsão de reunir 1.000 pessoas caracterizadas de zumbis pelas ruas de Curitiba.

Serviço:

Invertidos – festa programada pelo bloco Garibaldis e Sacis

Data: 27 de fevereiro, às 16h

Local: Largo da Ordem

Gratuito

Desfile das Escolas de Samba

Data: 5 de março, às 18h

Local: Avenida Cândido de Abreu

Bailes Carnavalescos

Datas: 7 e 8 de março, das 15h às 19h (infantil) e das 20h às 00h (adulto)

Local: Ginásio de Esportes Bairro Novo - Rua Ourizona, 1681

Gratuito

Psycho Carnival

Data: 3 a 7 de março

Local: Moinho Eventos e Jokers

Informações: http://www.psychocarnival.com.br/2011/


***

É sábado: Vanessa Barbara e Andrés Sandoval


clique para ampliar

*******

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Série Almodóvar


Série Almodóvar exibirá, no início de março, sete filmes do cineasta espanhol no CCBN-Fortaleza



Uma boa (e gratuita!) oportunidade para se conhecer melhor a obra cinematográfica do diretor espanhol Pedro Almodóvar. O Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - fone: 3464.3108) exibirá, no início de março, a série Almodóvar, composta de sete filmes do cineasta.

A série começa já antes do carnaval, no dia 1º de março (próxima terça-feira), prosseguindo até a sexta-feira, 4. Nesse período, serão exibidos "Fale com ela" (dia 1º), "Tudo sobre minha mãe" (dia 2), "Volver" (dia 3) e "Má educação" (dia 4).

Após o carnaval, a mostra que celebra o cinema de Almodóvar retorna na quarta-feira de cinzas, dia 9, e se encerra na sexta-feira, 11. Nesse intervalo, serão exibidos "Abraços partidos" (dia 9), "Ata-me" (dia 10) e "Carne trêmula" (dia 11).

Conheça a seguir a sinopse e os horários de exibição dos filmes da série Almodóvar:



Fale com Ela

Dia 01, terça-feira, 18h

Uma tragédia em comum une dois homens desconhecidos até então, quando eles precisam cuidar de duas mulheres, por quem são apaixonados, ambas em coma no mesmo hospital. Direção: Pedro Almodóvar. Drama. Cor. 14 anos. 112 min.



Tudo Sobre Minha Mãe

Dia 02, quarta-feira, 18h

No dia de seu aniversário, Esteban ganha de presente da mãe, Manuela, uma ida para ver a nova montagem da peça "Um bonde chamado desejo", estrelada por Huma. Após a peça, ao tentar pegar um autográfo de Huma, Esteban é atropelado e termina por falecer. Manuela resolve então ir ao encontro do pai, que vive em Barcelona, para dar-lhe a notícia, quando encontra no caminho o travesti Agrado, a freira Rosa e a própria Huma Rojo. Direção: Pedro Almodóvar. Drama. Cor. 14 anos.101 min.



Volver

Dia 03, quinta-feira, 17h30

Raimunda trabalha para sustentar o marido desempregado e a filha adolescente. Sole, sua irmã mais velha, trabalha em casa, onde instalou um salão de beleza. Ambas visitam rotineiramente o túmulo da mãe, Irene, que morrera num incêndio causado pelo calor e pelos fortes ventos da região. Certo dia, Irene reaparece. Inicialmente, somente Sole a vê, mas na verdade, é com Raimunda que ela precisa resolver assuntos pendentes. Direção: Pedro Almodóvar. Drama. Cor. 14 anos.121 min.



Má Educação

Dia 04, sexta-feira, 18h

Vinte anos mais tarde, um garoto que sofreu abusos sexuais em um colégio interno católico reencontra aquele que era sua grande paixão na época. Direção: Pedro Almodóvar. Drama. Cor. 14 anos.106 min.



Abraços Partidos

Dia 09, quarta-feira, 17h30

Há 14 anos, o cineasta Mateo Blanco sofreu um trágico acidente de carro, no qual perdeu a visão. Neste mesmo acidente, a pessoa que o acompanhava morreu. A partir de então, ele abandona sua posição de cineasta e preserva apenas o lado de escritor, assumindo o pseudônimo de Harry Caine. Um dia Diego, filho de sua antiga e fiel diretora de produção Judit Garcia, é enviado ao hospital por ter ingerido drogas acidentalmente. Assim que sabe do ocorrido, Harry vai em seu socorro. Quando o jovem o indaga sobre seus dias de cineasta, o amargurado homem revela se lembrar de detalhes marcantes de sua vida e do acidente. Direção: Pedro Almodóvar. Drama. Cor. 14 anos.128 min.



Ata-me!

Dia 10, quinta-feira, 18h

Ricky sai de um reformatório psiquiátrico e vai para um set de filmagens, onde Marina Osorio, uma ex-viciada em heroína e ex-atriz pornô que ele já conhecia de um bordel, está filmando um filme de terror "B" que está sendo dirigido por Maximo Espejo - este, um diretor conhecido que está tentando se recuperar após ter tido um forte derrame, que o deixou preso a uma cadeira de rodas. Após o término das filmagens, Ricky invade o apartamento de Marina e lhe diz que quer ser seu marido e o pais dos seus filhos. Ele resolve deixá-la amarrada na cama até Marina aprender a amá-lo, mas diversas situações imprevistas dão um novo rumo aos acontecimentos. Direção: Pedro Almodóvar. Drama. Cor. 16 anos. 101 min.



Carne Trêmula

Dia 11, sexta-feira, 17h30

Madri, janeiro de 1970. Uma prostituta tem um filho em um ônibus, quando tentava chegar na maternidade, e ali mesmo lhe dá o nome de Victor. Após vinte anos, Victor (Liberto Rabal) é um homem que está começando sua vida adulta e tenta se encontrar com Elena (Francesca Neri), uma desconhecida, com quem uma semana antes teve relações dentro de um banheiro. Direção: Pedro Almodóvar. Drama. Cor. 14 anos. 147 min.


Trajetória

Pedro Almodóvar Caballero, nascido em Calzada de Calatrava, em 24 de setembro de 1949, é um cineasta, ator e argumentista espanhol. Almodóvar nunca pôde estudar cinema, pois nem ele nem sua família tinham dinheiro para pagar seus estudos. Antes de dirigir filmes, foi funcionário da companhia telefônica estatal, fez histórias em quadrinhos, foi ator de teatro de vanguarda e cantor de uma banda de rock, da qual participava travestido. Foi o primeiro espanhol a ser indicado ao Oscar de melhor diretor. Homossexual assumido, seus filmes trazem a temática da sexualidade abordada de maneira sublime. Seu ano de nascimento é incerto, sendo por vezes divulgado como 1949 e outras vezes como 1951. A página oficial do cineasta na internet, no entanto, afirma que ele nasceu na década de 1950.

Segunda sessão do Teste de Audiência


Segunda sessão do Teste de Audiência acontece na CAIXA Cultural Curitiba



Projeto de cinema exibiu “Morte e Vida Severina”, de Afonso Serpa, na estreia da temporada





A CAIXA Cultural Curitiba apresenta a segunda sessão da temporada 2011 do Teste de Audiência, no dia 01 de março. O projeto consiste na exibição de um filme ainda em fase de finalização e em um bate-papo entre o diretor do filme e o público. Na primeira sessão desta temporada o filme exibido foi “Morte e Vida Severina”, de Augusto Serpa.



Entre os filmes exibidos nas temporadas anteriores, estão “Reflexões de um Liquidificador" (André Klotzel), "Elvis e Madona" (Marcelo Laffitte), "Família Vende Tudo" (Alain Fresnot) e "Guerra de Vizinhos" (Rubens Xavier), sendo que estes dois últimos ainda serão lançados. O produtor Márcio Curi promete novidades para esta temporada. “Estamos trabalhando firme na curadoria, para trazer uma variedade ainda mais diversificada e interessante de filmes”, conta Curi.



O projeto



O Teste de Audiência consiste na projeção de um filme em caráter de surpresa. O filme, ainda em fase de finalização, é analisado em todos os seus aspectos pelo público presente, que participa de um bate papo com o diretor ou produtor da obra após a exibição do filme. Além de oferecer aos cineastas brasileiros uma preciosa ferramenta de trabalho, o Teste de Audiência colabora também para a formação do público e para o desenvolvimento de uma metodologia científica, bastante utilizada em cinematografias comerciais e comum no exterior, mas inacessível ao cinema independente brasileiro.

Através de uma ampla pesquisa sobre o estágio de filmagem e montagem dos novos filmes brasileiros, os curadores do Teste de Audiência selecionam os títulos mais adequados ao projeto. Nessa etapa são considerados critérios de diversificação geográfica e de gênero, sempre respeitando a qualidade cinematográfica em seus aspectos técnicos e narrativos. Esses aspectos essenciais permitem montar uma grade de programação forte e plural, refletindo e respeitando os valores da cinematografia brasileira.



Serviço Cinema: Teste de Audiência 2011 – 2ª sessão Local: Teatro da CAIXA - Rua Conselheiro Laurindo, 280 - Curitiba/PR Data: 01 de março Horário: terça 19h30 Ingressos: Os ingressos devem ser retirados na bilheteria do Teatro, no dia do evento, a partir das 18h30 Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, as 16 às 19h) Classificação etária: Não recomendado para menores de 16 anos Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes) www.caixa.gov.br/caixacultural

Prefeito entrega chave da cidade ao Rei Momo


leia em *********

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

IMCLP

O Atelier Instrumental destina-se a crianças e adolescentes que pretendem iniciar o estudo de um instrumento, tendo a possibilidade de experimentar três instrumentos durante um ano, de modo a fazerem uma escolha mais conscienciosa do instrumento que pretendem estudar.

Idade: 5 aos 14 anos

Instrumentos:

* Flauta de Bisel
* Violino
* Piano
* Guitarra

Duração: 3 meses (ao fim deste período, o aluno pode experimentar outro instrumento)

Plano de estudos:

Instrumento (aula com três alunos): 45 minutos por semana.

Expressão Musical (aula de conjunto): 45 minutos por semana.

Horário:

De segunda a sexta-feira, a partir das 17h30.

Pagamento:

25 euros/mês

25 euros Taxa de Inscrição

Inscrições:

institutodemusica.clp@gmail.com

Clube Literário do Porto


Explicações de Música

O Instituto de Música Clube Literário do Porto tem ao seu dispor um serviço personalizado de explicações para que o seu educando se prepare melhor para os testes, exames e provas.

O serviço de explicações abrange as disciplinas de Instrumento, Formação Musical, História da Música, Análise e Composição.

Cada aula individual de 60 minutos tem um custo de 20 euros.



Clube Literário do Porto

Rua Nova da Alfândega, nº 22

4050-430 Porto

Tel. 222 089 228

Fax. 222 089 230

Email: clubeliterario@fla.pt

URL: www.clubeliterariodoporto.co.pt

http://clubeliterariodoportofla.wordpress.com/

***
***

Orquestra À Base de Corda seleciona novo contrabaixista

A Orquestra À Base de Corda, mantida pela Fundação Cultural de Curitiba, está selecionando músico para preenchimento de uma vaga de contrabaixista. O edital, contendo os requisitos e outras informações sobre o processo de seleção, está disponível no Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba (Rua Mateus Leme, 66). Os candidatos devem possuir experiência comprovada na área de música popular e serão submetidos à avaliação por uma banca composta por profissionais reconhecidos no meio musical. Informações pelo telefone (41) 3321-3208.

Cursos gratuitos de mídia digital

Solar dos Guimarães oferece cursos

gratuitos de mídia digital



O Ponto de Cultura Solar dos Guimarães – Centro de Estudos Multimeios, unidade da Fundação Cultural de Curitiba, está com inscrições abertas para os cursos de DJ e Mídias Digitais, Introdução à Fotografia e Criação de Documentário. Voltados a oferecer aos jovens novas oportunidades de atuação no mercado de trabalho, os cursos do Solar dos Guimarães têm como requisito específico o atendimento à população de baixa renda. Dessa forma, a inscrição é feita mediante o preenchimento de uma ficha com dados pessoais e a seleção acontece com base na renda familiar.

As fichas de inscrição e o questionário estão disponíveis até o dia 10 de março, no próprio Solar dos Guimarães, das 13h30 às 18h, e nos núcleos da Fundação Cultural de Curitiba, localizados nas Ruas da Cidadania, das 8h às 18h. A efetivação da inscrição será feita posteriormente, com a comprovação de renda. O resultado da seleção das bolsas será divulgado no dia 16 de março, no site da Fundação Cultural (www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br). As matrículas deverão ser feitas nos dias 17 e 18 de março, no período da tarde, no Conservatório de MPB (ao lado do Solar dos Guimarães).

Os participantes, entre 14 e 23 anos, recebem formação profissionalizante, além de serem estimulados a compartilhar conhecimentos com suas comunidades. Neste semestre, as aulas terão início no dia 21 de março, nos períodos da tarde e noite, sendo ministradas no Solar dos Guimarães. Serão formadas duas turmas de DJ e Mídias Digitais (níveis I e II), mais uma de Introdução à Fotografia e outra de Criação de Documentário, com um total de 40 vagas.

O Solar dos Guimarães, unidade de interesse de preservação localizada no centro histórico da cidade, foi reaberto em agosto de 2009, depois de passar por ampla reforma. O trabalho foi fruto de uma parceria da Prefeitura de Curitiba com o Ministério da Cultura, que tornou o local mais um “Ponto de Cultura”, seguindo o modelo instituído pelo MinC. Nos cursos, os participantes aprendem, por exemplo, como criar um blog, um podcast e um videoblog, como fazer mixagem, masterização, captação e edição de imagens, além de conhecerem técnicas de webdesign, entre outras habilidades na internet, com a utilização de softwares livres.



Serviço:

Inscrições gratuitas para cursos de DJ e Mídias Digitais, Introdução à Fotografia e Criação de Documentário.

Data: de 21 de fevereiro a 10 de março de 2011

Locais e horários: Ponto de Cultura Solar dos Guimarães – Centro de Estudos Multimeios (Rua Treze de Maio, 571 – Centro), das 13h30 às 18h; e nos núcleos da Fundação Cultural de Curitiba, localizados nas Ruas da Cidadania, das 8h às 18h.

Informações pelo telefone (41) 3323-6653

As aulas terão início no dia 21 de março e serão ministradas no Ponto de Cultura Solar dos Guimarães – Centro de Estudos Multimeios (Rua Treze de Maio, 571 – Centro)

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Mano descobre o @mor



Mano descobre o @mor
de Gilberto Dimenstein e Heloisa Prieto

Coleção:
Cidadão-Aprendiz

48 páginas

Em Mano descobre o @mor, publicação da Editora Senac que conta com distribuição exclusiva da Ática, Hermano Santiago, ou simplesmente Mano, convive com situações inéditas e emocionalmente muito importantes. Mano descobre o @mor é o primeiro volume da série "Cidadão-Aprendiz", criada e escrita por Heloisa Prieto e Gilberto Dimenstein.

Na troca de inúmeras mensagens virtuais com Chatter, um novo amigo e confidente, o protagonista da série "Cidadão-Aprendiz" expõe seus sentimentos por causa do drama vivido pelo querido irmão Pedro. Depois de se aproximar de Sombra, colega de escola de temperamento destrutivo, Pedro sofre uma transformação negativa, passa a consumir drogas e abandona aqueles a quem sempre amou e por quem sempre foi amado.

Mano também conhece Anna, uma menina genial que torna-se amiga e namorada de Pedro e o ajuda a superar seus problemas. Tudo indica que os p
roblemas de Pedro eram apenas passageiros, uma fase ruim. Igual à que começa a incomodar Mano, quando descobre estar a meio caminho de se apaixonar pela gracinha da Anna, com quem adorava ficar quieto e sozinho. Será que nosso Hermano vai terminar a história triste e na rua da amargura afetiva?

Surpreenda-se lendo até o final este Mano descobre o @mor. No final do volume, você encontrará ainda uma pequena biografia sobre algumas personalidades citadas na trama da obra
.

Elaborada pelos renomados autores Gilberto Dimenstein e Heloisa Prieto, a série "Cidadão-Aprendiz" procura levar aos jovens temas importantes para reflexão, como a solidariedade, o amor e a liberdade.

As Melhores Coisas do Mundo

A liberdade tão sonhada de um menino que, aos quinze anos, é lançado para o complexo mundo dos adultos


O filme de Laís Bodanzky, diretora dos aclamados “Bicho de Sete Cabeças” e “Chega de
Saudade”, conta a história de um garoto de 15 anos em plena transformação.
As Melhores Coisas do Mundo retrata o universo de Hermano, conhecido como Mano
(Francisco Miguez). Adolescente de classe média, filho de intelectuais, mãe (Denise
Fraga) e pai (Zé Carlos Machado) professores de pós-graduação e irmão mais novo de
Pedro (Fiuk). A chegada do mundo adulto vem cercada de dificuldades de tirar o
fôlego e exige do protagonista uma grande transformação em sua forma de ver o
mundo.
O roteiro é assinado por Luiz Bolognesi, também roteirista de “Bicho de Sete Cabeças”, “Chega de Saudade” e “Terra Vermelha”, montagem primorosa de Daniel Rezende e produção coordenada pelos irmãos Caio e Fabiano Gull
ane.

O projeto foi livremente inspirado na série de livros “Mano”, de Gilberto Dimenstein e
Heloísa Prieto. É uma produção da Gullane em coprodução com Casa Redonda, Buriti
Filmes e Warner Bros. Pictures.







UM LANÇAMENTO









**

Histórias de amor


Histórias de Amor - PGL 22
de Elias José, João Antônio, João do Rio, Luis Fernando Veríssimo, Lygia Fagundes Telles, Machado de Assis, Marina Colasanti, Marques Rebelo, O. Henry, Orlando Bastos e William Shakespeare
Coleção:
Para Gostar de Ler


O volume Histórias de amor, da coleção "Para Gostar de Ler", da Ática, contou com a coordenação geral e seleção de textos do poeta e tradutor José Paulo Paes.

Em sua apresentação, Paes, dono de um estilo inconfundível, sempre dotado de rara sensibilidade, reflete: "Histórias de amor. Mas de qual amor? Há tantos! Amor carnal, amor platônico, amor conjugal, amor adúltero, amor à distância, amor à primeira vista, amor de perdição, amor de salvação - e quantos mais?".

No livro, uma formidável galeria de grandes escritores, de várias épocas, aborda, em suas narrativas, o "sentimento complexo, contraditório, que não se deixa prender numa definição", conforme, mais uma vez, as ponderações de José Paulo Paes.

Estão presentes, em Histórias de amor, William Shakespeare, João Antônio, Marques Rebelo, Orlando Bastos, Elias José, João do Rio, Luís Fernando Veríssimo, O. Henry, Machado de Assis, Marina Colasanti e Lygia Fagundes Telles.

O conto de Lygia se chama "Pomba enamorada ou uma história de amor". É curioso notar que a grande dama da literatura brasileira maneja com toda a propriedade um contexto com fartas dosagens de escracho, porém sem perder jamais a ternura que um amor verdadeiro encerra. Seja ele doentio ou não.

Mesmo que por demais já se tenha falado, após a leitura de Histórias de amor, o que vem à mente é mesmo a sensação de que cada amor é único. "Semelhantes, talvez; idênticos, nunca. Pois cada amor é sempre um amor como nunca houve outro igual", define José Paulo Paes.

UM LANÇAMENTO








**

Profissão: Jovem

O Ano Internacional da Juventude
(12 de Agosto de 2010 – 11 de Agosto de 2011)


1) Qual é a importância de dedicar um Ano Internacional aos Jovens?

A proclamação do Ano Internacional da Juventude representa um compromisso renovado, por parte dos Estados-membros, de colocar os jovens no centro das prioridades em matéria de desenvolvimento. O Ano constitui uma ocasião para sensibilizar as pessoas para os desafios e as oportunidades de 18% da população mundial e de gerar uma dinâmica para promover as causas relacionadas com os jovens.

A ONU elaborou uma Abordagem Quadro do Ano Internacional da Juventude, a fim de proporcionar um quadro concreto para as acções colectivas a realizar e definir os objectivos estratégicos do Ano. O Quadro identifica três objectivos principais, bem como acções específicas, essenciais para a sua consecução: (i) Sensibilizar: intensificar o empenhamento e aumentar o investimento nos jovens; (ii) mobilizar e implicar: Aumentar a participação dos jovens e as parcerias e (iii) Ligar e construir pontes: aumentar a compreensão intercultural entre os jovens. O Quadro completo está disponível em social.un.org/youthyear.

No ano de 2010, celebrou-se o 15º aniversário da adopção do Programa de Acção Mundial para a Juventude (PAMJ), uma resolução histórica que apela aos governos nacionais, para que adoptem políticas em 15 domínios prioritários tendo em vista o desenvolvimento dos jovens e que vão desde emprego e educação ao VIH/SIDA, passando pela participação dos jovens na tomada de decisões. Espera-se que o Ano Internacional da Juventude destaque este compromisso mundial e incentive os governos a formularem políticas nacionais de juventude, nos casos em que não existem, e a aplicarem-nas, quando já existem.


Profissão: Jovem
de Marcia Kupstas


Ilustrador: Samuel Casal

* Disciplina: Literatura
* Nível: Ensino Fundamental
* A partir de: 7ª série / 8º ano
* Lançamento: 2010
* Temas abordados: Profissões / Jovens / Música / Comércio / Esporte

O livro reúne oito histórias com personagens em seus primeiros empregos ou refletindo sobre futuras carreiras. São registros intensos ou pitorescos, de empregos eventuais ou revelando habilidades herdadas da família. Situações que poderiam ser vivenciadas por qualquer jovem.

Além das histórias, o livro também traz entrevistas com jovens de carne e osso, que já enfrentam o mercado de trabalho, de maneira formal ou
ocasional. O que pensam eles? Gostam do que fazem? Acreditam que suas tarefas os ajudarão na futura escolha profissional?

A AUTORA

Marcia Kupstas nasceu e sempre morou em São Paulo. Formou-se professora pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Sempre colaborou em suplementos literários e revistas destinadas ao público adulto e jovem. Ao mesmo tempo é mãe de Ígor, companheira de Edu, com quem divide suas criações, por quem é elogiada e criticada. Pai e filho são seus primeiros leitores críticos. Marcia diz que sempre gostou de ler e de escrever. Aos quinze anos mandava seus contos para concursos. Ganhou vários prêmios. Enfim, como em todo ofício, batalhou muito para se considerar uma escritora.

Sobre o ato de escrever, Marcia diz que "representa uma necessidade orgânica tão intensa quanto a de comer, respirar, amar". Enfatiza que "ao mesmo tempo em que escrever representa prazer pessoal, também é um trabalho, um árduo trabalho de criação", e como profissional da palavra leva muito a sério a profissão.

UM LANÇAMENTO







***