sexta-feira, 20 de abril de 2012

O triângulo secreto: As lágrimas do papa (Vol. 1)



O triângulo secreto: As lágrimas do papa (Vol. 1)

Título Original:     Le triangle secret: le larmes du pape

de   Didier Convard

Tradutor:     Maria Alice Araripe de Sampaio Doria

Coleção:     O triângulo secreto
Páginas:     518
Formato:     16 x 23 cm



E se Cristo fosse um maçom?

Há dois mil anos, a Igreja esconde de seus fiéis e do mundo inteiro um segredo que, se descoberto, pode destruir seu poder e seus dogmas...

O triângulo secreto: As lágrimas do papa, de Didier Convard, é um thriller que leva o leitor ao coração da maçonaria e que mostra os segredos dos templários e o lado obscuro do Vaticano. Com mais de um milhão de exemplares vendidos, esse, como todos os outros títulos do autor, figurou nas principais listas de mais vendidos francesas.

Didier Mosèle é o pesquisador na Fundação Meyer encarregado da restauração de um dos famosos manuscritos do mar Morto. Quando seu colega e gêmeo franco-maçom, Francis Marlane, desaparece misteriosamente após lhe deixar uma mensagem em que lhe confessa ter descoberto uma terrível comprovação, Didier percebe que algo muito maior está por trás de seus estudos.

A busca do protagonista pela verdade é pontuada por voltas ao passado que levam o leitor a diferentes períodos históricos, à vida e à morte de Cristo, ao tempo dos Templários, entre outros. A história se mistura. Cada passagem vem esclarecer ou, ao contrário, obscurecer o caminho em direção à verdade.

O triângulo secreto: As lágrimas do papa pode parecer mais um daqueles suspenses que envolvem a Igreja católica, mas não, o livro é mais do que isso, é uma aula de maçonaria e de história, recheada com personagens bem-construídos e complexos, e um enredo de tirar o fôlego. Com excelente visão histórica, o livro deixará todos ansiosos pela próxima obra do autor e também continuação desse sucesso.

O AUTOR
Didier Convard nasceu em 1950 em Paris. Casado, é pai de três filhos. Estudou artes gráficas e, depois de dar aulas de publicidade, iniciou sua carreira como ilustrador de histórias em quadrinhos, passando, posteriormente, a criar seus próprios personagens e histórias. Para escrever O Triângulo Secreto, o autor entrevistou vários historiadores e leu tudo o que estava a seu alcance sobre os cátaros, os templários e os maçons, buscando “alimento” para sua imaginação. Publicado originalmente em quadrinhos, O Triângulo Secreto está sendo adaptado para o cinema.
O autor é um ávido leitor, ele também é apaixonada por esoterismo, pelo fantástico e o invulgar. Ele publicou seus primeiros desenhos em  revistas e produziu as aventuras de Brunelle e Colin.  Paralelamente a sua carreira como desenhista, Didier Convard escreveu roteiros . Escritor prolífico, ele começou uma série  muito singular, The Triangle Secret. falando sobre a Maçonaria, Templários, Cátaros, e partiu de uma premissa terrível:... e se a Igreja tivesse mentido para nós por 2000 anos?

Didier Convard fala sobre um de seus trabalhos




UM LANÇAMENTO



 


Me leva Mundão de Maurício Kubrusly

Me leva Mundão

de Maurício Kubrusly


Páginas: 400
Formato: 13,7 x 20,8 cm



      Tão ou mais surpreendente que o seu tour pelo Brasil, Kubrusly leva aos espectadores e agora leitores sua visão sobre o comportamento humano, ou como se dizia antigamente os usos e costumes de uma população planetário um tanto chegada às esquisitices.

Depois de percorrer o Brasil durante vários anos em busca de casos curiosos e personagens diferentes, todos apresentados em seu quadro semanal no Fantástico, o jornalista Maurício Kubrusly ampliou sua área de atuação e foi procurar relatos peculiares e impressões inusitadas fora das fronteiras nacionais. O resultado está no livro Me Leva Mundão, um saboroso conjunto de crônicas divertidas e temperadas pelo olhar bem brasileiro do experiente repórter.

Os cenários não poderiam ser mais díspares. A Itália mereceu capítulos específicos para a Sicília e a Toscana; Portugal e França garantem o gostinho das peculiaridades de uma Europa em transformação. Já a Polônia e os Emirados Árabes garantem a exploração de destinos menos conhecidos entre os leitores brasileiros – ao contrário dos Estados Unidos, país bastante familiar por nós, mas apresentado no livro sob uma ótica especial.

Em todos os lugares, a equipe de Kubrusly confirma o afiado faro para descobrir curiosidades: como é uma loja de langeries numa cidade como Dubai? E uma academia de boxe feminino em Tóquio? E um lavatório de roupas coletivo na Índia? Um passeio por Trenchtown, favela mais famosa da Jamaica? E qual o significado de ser seguido dia e noite por estranhas e silenciosas figuras vestidas de roupas negras, que não se aproximam nem pronunciam uma palavra sequer? Quem lê os relatos de Kubrusly, descobre que em algumas partes de Portugal os chamados “homens de preto” são profissionais contratados para perseguir e constranger quem deve dinheiro a alguém, em pleno século 21.

O AUTOR
Maurício Kubrusly
é jornalista e apresentador do quadro Me Leva Mundão, veiculado no Fantástico. É autor do livro Me leva Brasil - A fantástica gente de todos os cantos do país, publicado pela Editora Globo em 2005.


Maurício Kubrusly fala sobre "Me leva mundão"


ccUM LANÇAMENTO

Nunca se case com uma mulher de pés grandes: A representação da mulher no dito popular


   

Nunca se case com uma mulher de pés grandes: A representação da mulher no dito popular

Título Original:     Never marry a woman with big feet

de   Mineke Schipper

Tradutor:     Manuela Torres
Páginas:     504
Formato:     16 x 23 cm



Este é um livro sério, fruto de um dedicado estudo, mas nem por isso maçante, verdadeiramente delicioso de ler.




Graças à sua perspectiva crítica global, Mineke Schipper , deu um impulso importante para o campo de estudos literários . Ela está longe de ser uma "torre de marfim" estudiosa, e conseguiu fazer seus pontos de vista acessíveis a ambos os públicos - o acadêmico e não acadêmico. Ela dá palestras, não só em universidades e institutos científicos (Berkeley, Pequim, Pretória. Estocolmo), mas também para o público não academico .

O LIVRO
Quase todo mundo é capaz de citar um provérbio de cor. Concisos e eloquentes, dotados de rima, ritmo e imagens, sintetizam uma realidade, uma regra social ou moral e a transmitem de geração em geração. Nunca se case com uma mulher de pés grandes, de Mineke Schipper, é o resultado da análise feita durante anos pela autora a respeito de provérbios que representem as mulheres de todo o planeta e de todas as épocas.

Nas mais diversas culturas, as questões de gênero têm sido expressas em provérbios, o menor dos gêneros textuais. Este livro fornece ao leitor insights reveladores sobre a condição feminina através dos séculos e continentes. Para surpresa de todos, Mineke descobriu mais semelhanças que diferenças em milhares de provérbios sobre as mulheres oriundos de mais de 150 países. Eles refletem diversas fases da vida da mulher: de menina a noiva, de esposa a coesposa, de mãe a sogra, viúva e avó; as alegrias e tristezas do amor, do sexo e da maternidade; a mulher no trabalho, seus talentos e poder.

A autora compilou provérbios de mais de 240 línguas em uma amostra que reflete um perfil bastante preciso da representação da mulher na fraseologia popular.

A  AUTORA

Mineke Schipper (née Wilhelmina Janneke Josepha de Leeuw , 06 de dezembro de 1938, Polsbroek ) é uma  autora holandêsa e pesquisadora mais conhecida por seus  estudos sobre a literatura de mulheres .
Mineke Schipper é professora de literatura na Universidade de Leiden, na Holanda. É autora de várias livros, incluindo Imagining Insiders: Africa and the Question of Belonging e Unheard Words: Women and Literature in Africa, The Arab World, Asia, the Caribbean, and Latin America. Publicou também dois romances.

BIBLIOGRAFIA

Imagining Creation. Leiden and Boston: Brill Publishers 2008 (with Markham J. Geller)
Epics and Heroes in China’s Minority Cultures'. Guangxi and Beijing: Guangxi Normal University Press 2004 (with Hubin Yin)
The Poetics of African Art, Special issue of Research in African Literatures. Vol. 31, no. 4, winter 2000, Bloomington: Indiana University Press
Bezweren en betoveren. Magie en literatuur wereldwijd. Amsterdam: Ambo 1995 (with P.H. Schrijvers)
Mijn naam is haas. Dierenverhalen in verschillende culturen. Amsterdam: Ambo 1993 (with W.L. Idema and P.H. Schrijvers)
Ik is anders. Autobiografie in verschillende culturen. Amsterdam: Ambo 1992 (with Peter Schmitz)
Onsterfelijke roem. Het epos in verschillende culturen. Amsterdam: Ambo 1989
Unheard Words. Women and Literature in Africa, the Arab World, Asia, the Caribbean and Latin America. London: Allison & Busby/New York: Schocken Books 1985
Het zwarte paradijs. Afrikaanse scheppingsmythen (collected and translated creation and origin myths from Africa). Maasbree: Corrie Zelen 1980 New edition: Rijswijk, Elmar, 1999.
De tovertam en andere verhalen uit Zaïre (collected and translated Congolese stories.) Maasbree: Corrie Zelen 1979
Text and Context in Africa. Methodological Explorations in the Field of African Literature. Leiden: Afrika-Studiecentrum 1977

UM LANÇAMENTO


 



Conheça mais sobre o projeto do livro em http://www.womeninproverbsworldwide.com/


Lançamento - Molloy de Samuel Beckett





Molloy
de Samuel Beckett


Tradutor: Ana Helena Souza
Páginas: 264
Formato: 14×21

O LIVRO
A Editora Globo traz de volta ao mercado Molloy, de Samuel Beckett, uma das obras-primas do romance moderno, em tradução exemplar de Ana Helena Souza. O livro contém, ainda, esclarecedor prefácio da tradutora, cronologia da vida do autor e completa bibliografia de sua vasta obra.

Molloy (primeira parte da famosa “trilogia do pós-guerra”, integrada ainda por Malone morre e O inominável) divide-se em duas seções. Na primeira, é o próprio Molloy, o “narrador-narrado”, quem fala; na segunda, é Moran, homem encarregado de vigiá-lo (sem que saiba bem por quê, à la Kafka).

A história que os dois – cada um à sua maneira – tentam registrar, é a das idas e vindas de Molloy, num vai-e-vem que alterna lugares abertos e fechados, a partir do apartamento de sua mãe – e que mimetiza os impasses das frases curtas e da própria linguagem, que deveria “abrir” o mundo mas se fecha sobre si mesma. Não por acaso, no caso de Moran, que começa objetivo, isto é, objetivo na linguagem e centrado em seu objeto (Molloy), essa objetividade acaba por perder-se até aproximá-lo da linguagem do próprio Molloy. Não falta ação dramática ao romance, incluindo um caso de amor e um de morte. Mas a verdadeira “ação”, tratando-se de Beckett, está na própria linguagem – ainda que seja a de comunicar a incomunicabilidade moderna.

CRÍTICAS

“Quebrando as expectativas do leitor e usando um humor que dribla o convencional, Samuel Beckett acaba transformando o romance em território experimental de reflexões sobre a própria natureza da linguagem.” Alécio Cunha — Hoje em Dia, Belo Horizonte, 2 fev. 2008. Cultura, p. 1

“Ao longo de toda esta não-história, deste não-tempo, destes não-personagens, seguimos a potência da expressão da impossibilidade e a ausência absoluta de algo a expressar, ao mesmo tempo que a urgência de dizê-lo.”
Noemi Jaffe — Folha de S. Paulo, 2 fev. 2008. Ilustrada, p. E1 e E7.

“É do ponto zero, onde narrar se torna impossível, que Samuel Beckett escreve Molloy (...). Em plena falência da linguagem, em meio
aos entulhos e destroços, Molloy, o personagem-narrador de Beckett, luta, ainda assim, para contar sua história.” O Globo, Rio de Janeiro, 2 fev. 2008. Prosa & Verso, p. 4.

Leia um trecho do livro
http://globolivros.globo.com/downloads/pdf/Molloy.pdf

O AUTOR
Samuel Beckett (Dublin, 13 de abril de 1906 — Paris, 22 de dezembro de 1989) foi um dramaturgo e escritor irlandês.
Recebeu o Nobel de Literatura de 1969. Utiliza nas suas obras, traduzidas em mais de trinta línguas, uma riqueza metafórica imensa, privilegiando uma visão pessimista acerca do fenômeno humano. É considerado um dos principais autores do denominado teatro do absurdo. Sua obra mais famosa no Brasil é a peça Esperando Godot.


Beckett nasceu numa família burguesa e protestante, e em 1923 ingressa no Trinity College de Dublin, para se formar em Literatura Moderna, especializando-se em francês e italiano. Em 1928, meses após sua mudança para Paris, conhece James Joyce, apresentado por um amigo em comum. Torna-se grande admirador do escritor, e sua obra posterior é fortemente influenciada por ele.

Após lecionar durante o ano de 1930 na Irlanda, Beckett volta no ano seguinte para Paris, fixando residência na cidade, e escreve sua primeira novela, “Dream of Fair to Middling Women” (publicada após a morte do autor, em 1993) Em 1933, Beckett retorna novamente a Dublin, pois, devido ao falecimento de seu pai, encarrega-se de cuidar de sua mãe. Retorna a Paris em 1938, quando é marcado por dois acontecimentos de grande importância: fica gravemente ferido ao ser agredido por um estranho, que lhe desferiu uma facada no peito, e conhece Suzanne Deschevaux-Dusmenoil, com quem viveria o resto da vida e se casaria em 1961.

Depois da eclosão da Segunda Grande Guerra, vincula-se à resistência francesa, na ocasião da invasão de Paris pelo exército nazista, em 1941, juntamente com sua esposa. Afasta-se da resistência em 1942, quando ambos foram obrigados a fugir da França. Morre em 1989, cinco meses depois de sua esposa, de enfisema pulmonar, contra o qual já lutava havia três anos. Foi enterrado no cemitério de Montparnasse.
A produção beckettiana foi um dos principais ícones do Teatro do Absurdo que faz uma intensa crítica à modernidade. Recebeu o Nobel de Literatura de 1969.

Ouça Molloy by Samuel Beckett


UM LANÇAMENTO

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Portal IG é vendido para grupo português




O Portal IG foi vendido para o grupo Ongoing, dono de um jornal de economia e de um canal de informação em Portugal. A confirmação do negócio foi divulgada pelo próprio site na tarde desta quarta-feira, 18. O acordo foi assinado entre a Oi, que até então controlava o portal de notícias, e a holding da empresa portuguesa no Brasil.

De acordo com a nota lançada, o grupo de Portugal comprou as áreas de conteúdo e de publicidade do IG. Além de ter a Portugal Telecom como uma de suas acionistas, a Ongoing possui, entre outros empreendimentos, ações minoritárias na Ejesa, empresa que é responsável pelos jornais O Dia, o Brasil Econômico, Marca Brasil e Meia Hora.

Recentemente, o IG perdeu a quarta colocação no ranking dos portais brasileiros para o R7, da Rede Record, segundo dados do Ibope/Nielsen.

Segue o comunicado oficial sobre a venda do IG:

A Ongoing, por meio de sua holding brasileira, informa que assinou hoje um acordo para a compra do portal iG. Com isso, a Ongoing pretende alavancar ainda mais a história de sucesso do portal, um dos maiores do Brasil.

Um dos principais acionistas da Portugal Telecom, a Ongoing é dona do maior jornal de economia e de um canal de informação econômica em Portugal. No Brasil, a empresa é acionista minoritária do grupo Ejesa, que edita os jornais Brasil Econômico, O Dia, Marca e Meia Hora.

Domingo tem show do Trio Quintina no passeio ciclístico

A diversidade dos ritmos dançantes da música brasileira marca o espetáculo que o Trio Quintina apresenta neste domingo (22), das 11h às 13h30, em palco montado ao lado do MON – Museu Oscar Niemeyer, no espaço conhecido como “Parcão”. O show integra a programação do passeio ciclístico e caminhada, em homenagem aos 160 anos da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, organizada pela Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude, em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba.
O repertório preparado pelo Trio Quintina vai do samba ao rock, passando pelo choro, baião e maracatu, mesclando elementos e influências da música contemporânea mundial. Algumas das composições são de autoria dos próprios integrantes do grupo, como “Balão azul”, do primeiro CD do trio, “A Caixinha Mágica” (1998); “Jarubeira”, do CD “Balaio da Menina” (2002); “Belo Horizonte”, do CD “Pára-dias de Chuva” (2004); e “Cuidado”, do CD “Quintina Orquestra Trio” (2009), ao lado de outros sucessos.
Além da diversidade de ritmos, nesse encontro musical o público desfrutará também de uma enorme gama de timbres e sonoridades, produzidas por um trio de multi-instrumentistas, cantores, arranjadores e compositores que pode ser comparado a uma pequena orquestra.
Na estrada desde 1997, o Trio Quintina – que conserva a formação original, com os músicos Gabriel Schwartz, Gustavo Schwartz e Fabiano Silveira, o Tiziu – já gravou cinco CDs independentes e conquistou definitivamente o reconhecimento do público e a cena cultural curitibana. Levando sempre a música brasileira na bagagem, seja em composições próprias ou interpretando grandes compositores nacionais, o Trio Quintina percorreu em turnês itinerantes países da América Latina e da Europa, com apresentações na Espanha, França, Holanda, Suíça e Itália.

Bicicleta e caminhada – O passeio ciclístico e a caminhada em homenagem aos 160 anos da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba têm início às 8h30, partindo do Museu Oscar Niemeyer, mesmo local marcado para a chegada, prevista para o horário das 13h30. A iniciativa, que tem por objetivo proporcionar inserção social por meio de ações educativas e culturais, conta também com atividades recreativas, entre elas escalada, jogos gigantes e tênis de mesa.

Concerto: Fado Violado

A partir da tradição, viajando pela Península Ibérica, estes músicos transformam e recriam o Fado dando-lhe a densidade e as cores do Flamenco, mas sem nunca quem ouve achar-se longe da branca, mágica, viajante e melancólica Lisboa.

ste grupo surgiu em Sevilla no ano de 2008, quando Ana Pinhal (voz) e Francisco Almeida (guitarra espanhola), à época residindo naquela cidade a fim de aprenderem Flamenco, foram convidados por um par de bailarinos de Tango argentino a montar um pequeno espectáculo onde se pretendia que o Fado fosse bailado à luz dessa arte Argentina. Uma vez que Ana e Francisco, possuíam no momento um repertório fadista ainda muito restrito, viram-se obrigados a ampliá-lo rapidamente. Como a linguagem de ambos estava já bastante contaminada pela forma e conteúdos flamencos, no resultado não seria de esperar outra coisa que não a reinterpretação de fados tão bem conhecidos com o ritmo, a energia e a cor flamenca.

Nos anos que se seguiram estes dois músicos, a par, do curso de Flamenco que acabariam por completar no ano de 2010, seguiram actuando, muitas das vezes na companhia de outros músicos, tais como Joseph Maria António (viola da gamba), ou David Baltazar (contra-baixo). É no ano de 2009, que conhecem Marta Chasqueira (bailaora), e que com ela e Bruno Pardo (dança contemporânea), montam um espectáculo designado, "El Fado, O Flamenco", onde mais uma vez o Fado é alvo de transformações, ou adaptações à prática do Flamenco. Da montagem deste espectáculo resultam uma nova ampliação de repertório, e a reafirmação do carácter Flamenco e simultaneamente Fadista que este grupo já havia demonstrado possuir.

Ana Pinhal – voz
Francisco Almeida - Guitarra Espanhola
David Baltazar - Contrabaixo

sábado, 21 Abril 2012

21h30

Orfeão do Porto
Praça da Batalha, nº 123
Porto

Projeto Orquestra encerra temporada em única apresentação com a Orquestra Filarmônica de Curitiba




O Ministério da Cultura e o HSBC apresentam o encerramento da temporada do Projeto Orquestra, na próxima terça-feira (dia 24 de abril), às 20h, no Teatro Positivo Pequeno Auditório. Trata-se da estreia da Orquestra Filarmônica de Curitiba com participação especial do maestro Alessandro Sangiorgi, que trará em seu repertório grandes clássicos como “O Barbeiro de Sevilha”, “Bodas de Fígaro”, “Flauta Mágica”, “Cavalleria Rusticana”, “Carmen”, entre outras.

Para o maestro Alessandro Sangiorgi, “Temos orgulho de fazer parte do sétimo concerto de música clássica do projeto, principalmente, numa data tão especial que é a estreia da Orquestra Filarmônica de Curitiba. Trata-se do nascimento de mais uma orquestra, capaz de ampliar horizontes e enriquecer o cenário artístico musical.”

Orquestra Filarmônica de Curitiba

Foi criada em 2012, com o objetivo de proporcionar uma performance de excelência, realizando concertos diferenciados. Ela é formada por músicos locais renomados que também fazem parte de grandes grupos como a Orquestra Sinfônica do Paraná e a Camerata Antiqua de Curitiba. Seu repertório é amplo e diversificado, transitando entre a música clássica e popular.

A direção artística da Orquestra Filarmônica de Curitiba é assinada pelo compositor e violinista Alexandre Brasolim, que faz parte do conselho artístico do Observatório das Artes. Uma empresa que tem o compromisso de promover e fomentar a arte e a cultura com a parceria de uma equipe qualificada, dinâmica, versátil e reconhecida pelo meio artístico local.

Segundo a porta voz da orquestra, Cristine Marquardt, “a Orquestra Filarmônica de Curitiba busca conquistar novos públicos, além de encontrar novos talentos musicais. O trabalho com a comunidade também faz parte do projeto, que busca engajamento social e prevê ações educativas para formação de plateia.”

O Maestro

Alessandro Sangiorgi nasceu na Itália, diplomou-se em piano no Conservatório de Milão, prosseguindo seus estudos nas classes de composição e regência. Sua carreira internacional teve início na Jerusalem Symphony Orchestra (Israel, 1989). Já foi regente residente do Teatro Municipal de São Paulo, principal regente convidado do Teatro Municipal de Rio de Janeiro, regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Paraná e regente convidado da Orquestra do Estado de São Paulo e da Orquestra Sinfônica Brasileira. Na Europa foi regente convidado da Ópera de Roma, do Teatro Nacional de Belgrado (Sérvia), do Teatro Nacional de Bratislava (República Eslovaca) e dividiu palco com Eva Marton, Cecília Gasdia, Julio Bocca e Nelson Freire. Atualmente é o principal regente convidado da Ópera Nacional de Sofia (Bulgária).

Dançar Marketing & Comunicações

Idealizadora do projeto.

Hoje, com mais de 30 anos de história, a Dançar, que começou como Editora e expandiu seus horizontes para produções, possui know-how e estrutura capaz de realizar qualquer projeto na área, para empresas de qualquer porte.

A Dançar criou a primeira turnê de música clássica no Brasil, com o projeto Concertos de Vinólia, que trouxe as orquestras Johann Strauss de Viena, Filarmônica de Moscou, Sinfônica de Berlim e a Orquestra de São Petersburgo.

A empresa também foi responsável pela criação do Avon Women in Concert, pelo qual grandes artistas marcaram presença como Kiri Te Kanawa, Barbara Hendrix e Alessandro Safina, Rosana Lamosa, além da Women' s Philharmonic Orchestra of San Francisco.

A Dançar contempla em seu currículo a vinda ao Brasil de diversas atrações, entre eles nomes como Andrea Bocelli, Sarah Brightman, José Carreras, entre outros.

Não se restringindo apenas à criação de projetos culturais inovadores para seus clientes, a Dançar transforma suas ideias em realidade, reunindo a estrutura e o expertise necessários para cuidar de todas as ramificações de cada projeto.

Já fizeram parte do Projeto Orquestra 2 apresentações da Bachiana Chamber Orchestra sob regência do Maestro João Carlos Martins e 4 apresentações da Orquestra Metropolitana com o Maestro Rodrigo Vitta.



Serviço:

Projeto Orquestra - Concerto Orquestra Filarmônica de Curitiba

Data: 24 de abril (terça-feira)

Horário: 20h (abertura da sala às 19h30)

Local: Teatro Positivo Pequeno Auditório (Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 I Campo Comprido I tel.: 3317-3107 I comercial@teatropositivo.com.br)

Realização: Dançar Marketing & Comunicações www.dancarmarketing.com.br

Ingressso: Gratuito

Retirada de ingressos na Bilheteria do Teatro Positivo - Pequeno Auditório, nos dias 20, 23 e 24 de abril, das 13h às 19h. Permitido apenas 04 ingressos por CPF.

Informações: www.observatoriodasartes.com.br

AGENDA | Destaque de 19 a 25 de abril - FCC


clique para ampliar

Bienal Internacional de Dança começa neste domingo

A Bienal Internacional de Dança de Curitiba começa neste domingo (22), às 10h, no Memorial de Curitiba, com apresentações de 12 das 27 companhias de dança nacionais e internacionais que participam do evento. A inauguração oficial, com a presença do prefeito Luciano Ducci, está marcada para as 18h. A Bienal acontece até 29 de abril, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, numa realização do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura Municipal, Ministério da Cultura e Governo Federal com patrocínio do Bradesco e da Nissan.
Nas apresentações, a partir das 10h, o público terá oportunidade de apreciar gratuitamente uma sequência de espetáculos de dança de todos os estilos, numa amostragem do que poderá ser visto durante a semana, nos palcos da cidade. Estarão se apresentando os grupos Dance Sempre, Oito Tempos Dança de Salão, Dança Latina Walmir Secchi, Dança de Salão Edson Cordeiro, Dança de Salão Cido Arruda, Cia. Dançar Lissandra Rodrigues, Street Extreme, Coripheus Dança Experimental, Lótus Cia. de Dança, In Pulse, Backstage e Cia. de Dança Juliana Carletto.
Sob a direção geral de Eleonora Greca, consagrada como primeira-bailarina do corpo de baile do Teatro Guaíra e com mais de 30 anos dedicados ao balé, a Bienal Internacional nasce com o objetivo de fazer a cidade voltar suas atenções a esse segmento artístico. “Curitiba precisava de um momento da dança. Temos aqui uma demanda imensa. São muitas escolas, academias e um público que lota os teatros”, diz Eleonora. Sua expectativa é que a Bienal possibilite o encontro e o intercâmbio de informações entre os artistas da área. “O que mais importa é que essas pessoas se conheçam, troquem informações e fortaleçam ainda mais o segmento da dança na cidade”, afirma.
Com o lema “A dança em todos os estilos”, a Bienal abrangerá diferentes modalidades da dança: clássica, contemporânea, danças urbanas, dança de salão, jazz dance e videodança. Os espetáculos acontecem no Teatro Guaíra (auditórios Bento Munhoz da Rocha Netto e Salvador de Ferrante), no Teatro da Reitoria da UFPR e no Teatro Londrina do Memorial de Curitiba, tendo como principais atrações as companhias internacionais Aspen Santa Fe Ballet (Estados Unidos), Polish Dance Theatre (Polônia), Solos de Stuttgart (Alemanha) e David Middendorp (Holanda).
Entre as companhias nacionais, estarão participando a Mote Cia. de Movimento (São Paulo), Mimulus Cia. de Dança (Minas Gerais), Cia. Mauricio de Oliveira & Siameses (São Paulo), Brazilian Groove Association (São Paulo) e Quasar Cia. de Dança (Goiás). De Curitiba participam a Minicomunidade Artística Couve-Flor, o Centro de Dança Eliane Fetzer, o Balé Teatro Guaíra, a G2 Cia. de Dança, a Téssera Cia. de Dança e a Cia. de Dança Masculina Jair Moraes, além dos 12 grupos locais que fazem a abertura no Memorial e apresentações compactas em diversos pontos da cidade.
Os ingressos para os espetáculos nos teatros serão vendidos a R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada). Para os participantes da Bienal e alunos das oficinas, os ingressos são gratuitos. Além dos palcos, as apresentações nos parques e praças do centro e dos bairros também possibilitam que o público acompanhe inúmeras atrações da Bienal gratuitamente.
As oficinas técnicas para bailarinos e coreógrafos serão realizadas na Casa Hoffmann – Centro de Estudos do Movimento e nas salas de balé do Teatro Guaíra. As inscrições, ao custo de R$ 15 por oficina, continuam abertas até o dia 22, na Casa Hoffmann, para alunos a partir de 14 anos, mediante apresentação de documento de identidade. As palestras, no Teatro Londrina do Memorial de Curitiba, são gratuitas e abertas ao público em geral. Também faz parte da programação uma mostra de filmes sobre dança, com exibição na Cinemateca de Curitiba.
Todas as informações sobre a Bienal Internacional de Dança, a programação, as oficinas e as palestras programadas estão no site www.bienaldanca.org.br. Além de Eleonora Greca na direção geral, o evento conta com a direção de produção de Wanderley Lopes.

Serviço:
Bienal Internacional de Dança de Curitiba
De 22 a 29 de abril de 2012
Início das apresentações: dia 22 de abril, às 10h, no Memorial de Curitiba (Rua Claudino dos Santos, 79 – Setor Histórico). Grupos participantes: Grupo de Dança Dance Sempre, Oito Tempos Dança de Salão, Dança Latina Walmir Secchi, Dança de Salão Edson Cordeiro, Dança de Salão Cido Arruda, Cia. Dançar Lissandra Rodrigues, Grupo Street Extreme, Coripheus Dança Experimental, Lótus Cia. de Dança, Grupo In Pulse, Grupo de Dança Backstage e Cia. de Dança Juliana Carletto.
Abertura oficial: dia 22 de abril, às 18h, no Memorial de Curitiba.
Informações: www.bienaldanca.org.br.

Lei de Incentivo à Cultura
Patrocínio: Nissan e Bradesco
Apoio: Aspen Santa Fe Ballet, Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Faculdade Metropolitana de Curitiba – Famec, Fundação Nacional de Artes – Funarte, Galvão Locações, Goethe-Institut Curitiba, Instituto Municipal de Turismo, Internationales Solo Tanz Theatre Festival, Korzo Producties, Polish Dance Theatre, São Paulo Companhia de Dança, Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, Sistema Fecomércio Sesc Paraná, Sanepar e Universidade Federal do Paraná.

Fim de semana com diversão garantida para a garotada

Os espetáculos de bonecos fazem a alegria das crianças, no sábado e domingo. A tradicional fábula de Esopo, “O Coelho e a Tartaruga”, ganha vida no Teatro de Bonecos Dr. Botica (Shopping Estação), com sessões às 15h e às 17h (dias 21 e 22). No Teatro do Piá (Praça Garibaldi), às 11h de domingo (15), a atração é a peça “O Malefício da Mariposa”.
Com uma bela disputa entre a inteligência e a displicência, “O Coelho e a Tartaruga” é uma das mais antigas fábulas infantis. Da obra de Esopo e La Fontaine, a adaptação dirigida por Claudio Miiler conta a história do coelho autoconfiante desafiado pela pacata tartaruga para uma corrida.
Federico Garcia Lorca, autor de “O Malefício da Mariposa”, mergulha no universo dos insetos para retratar os dramas vividos por causa do amor. Com direção geral de Ana Rosa Tezza e direção de arte a cargo de Cristine Conde, a montagem em cartaz no Teatro do Piá faz uso da poesia para se aprofundar nas relações afetivas. Os cenários, figurinos e bonecos são criações da companhia, e no elenco estão Alessandra Flores, Janine de Campos e Val Salles.

Serviço:
Espetáculos infantis:
“O Coelho e a Tartaruga”, com direção de Cláudio Miiller.
Local: Teatro de Bonecos Dr. Botica (Shopping Estação – Av. Sete de Setembro, 2.775).
Data e horário: dias 21 e 22 de abril de 2012 (sábado e domingo), com sessões às 15h e 17h.
Ingressos: R$ 15 e R$ 7,50 (estudantes, idosos e crianças de até 5 anos).

“O Malefício da Mariposa”, com direção geral de Ana Rosa Tezza.
Local: Teatro do Piá (Praça Garibaldi, 7 – Setor Histórico)
Data e horário: dia 22 de abril de 2012 (domingo), às 11h.
Entrada franca

Fundação Casa de Rui Barbosa

Concurso de bolsas

Estão abertas as inscrições para o concurso de seleção de bolsistas para o Programa de Incentivo à Produção do Conhecimento Técnico e Científico na Área da Cultura da Fundação Casa de Rui Barbosa. Prazo de entrega dos projetos: 25 de maio de 2012.

Chamada de trabalhos 1
A FCRB recebe até 7 de maio trabalhos a serem apresentados durante o IV Encontro Luso-Brasileiro de Museus Casas. Informações: (21) 3289-4663.

Chamada de trabalhos 2
A FCRB recebe, entre 1º de maio e 4 de junho de 2012, propostas para apresentação de trabalhos para o III Seminário Internacional de Políticas Culturais. Informações: (21) 3289-8609.

História e Culturas Urbanas
A série mensal volta com a conferência "Arquitetura do século XIX no Rio de Janeiro: guia temático e roteiros culturais", ministrada pelas pesquisadoras Claudia Nóbrega (Proarq/FAU-UFRJ) e Claudia S. Rodrigues de Carvalho (FCRB). Dia 24 de abril, às 18h, na sala de cursos. Entrada franca. Informações: (21) 3289-8616.

Memória & Informação
Palestra 'O Manuscrito dentro e fora do arquivo', ministrada pela pesquisadora Eliane Vasconcellos'. Dia 18 de abril, às 14h30, na sala de cursos. Entrada franca. Informações: (21) 3289-4677.

Fundação Casa de Rui Barbosa
Rua São Clemente, 134 Botafogo
Rio de Janeiro
comunica@rb.gov.br

Música para agradar crianças e adultos no Parque Passaúna

Neste domingo (22), o Parque Passaúna abre espaço para estilos diferentes de música. Como parte da programação oferecida pelos projetos Música nos Parques, desenvolvido pela Fundação Cultural de Curitiba, e o Fora do Eixo, iniciativa do Tubo Coletivo, o Grupo Siricutico e a banda De La Cruz animam a tarde, a partir das 15h30.
Isadora Flores, Mariana Ribeiro, Marc Olaf e Marcel Cruz dão o tom no Grupo Siricutico, atração do Música nos Parques. Misturando música, literatura e muitas brincadeiras, o grupo procura resgatar a criatividade e a imaginação. Com composições próprias e algumas cantigas populares, o espetáculo é uma opção para toda a família.
Com riffs (progressão de acordes) marcantes e elementos eletrônicos, a banda De La Cruz, selecionada pelo Fora do Eixo, discorre sobre a fé. Na estrada desde 2006 e com o último clipe “Imagens” lançado em 2011, a banda não prega nenhuma doutrina religiosa, mas busca expressar seu modo de ver o mundo através do rock’n’roll.
O projeto Fora do Eixo também promove atividades recreativas para as famílias, oferecendo pintura infantil, mesas de jogos, varal das artes com poesias de José Geraldo e gravuras de Gilberto Oliveira e “book crossing” (intercâmbio de livros). As atividades paralelas estão abertas à participação de outros artistas que queiram se integrar ao Fora do Eixo, mediante inscrição pela internet, no endereço http://foradoeixocuritiba.tnb.art.br.

Serviço:
Programa Música nos Parques, da Fundação Cultural de Curitiba, com apresentação do Grupo Siricutico.
Projeto Fora do Eixo nos Parques, realizado pelo Tubo Coletivo, com apresentação da banda De La Cruz e atividades recreativas.
Data e horário: dia 22 de abril de 2012 (domingo), às 15h30, no Parque Passaúna (Eduardo Sprada, s/n° – CIC).
Entrada franca

CCBNB-Fortaleza realiza encontro negocial com artistas, empreendedores e produtores musicais

Um encontro com artistas, empreendedores e produtores da área da música para alinhar oportunidades de negócios em Fortaleza e no Estado do Ceará.

É o programa "Negócios da Cultura - Sobre Música e Empreendimentos", que será realizado no próximo dia 28 (sábado), de 10 horas às 18 horas, no Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - fone: (85) 3464.3108), com entrada franca.

O objetivo do encontro é agregar músicos, produtores e empresários do setor produtivo da música para alinhar orientações e demandas sobre as diferentes formas de apoio à cultura.

Realizado pelo Banco do Nordeste e produzido pela Associação Cultural Cearense do Rock, este será o primeiro de uma série de encontros entre instituições (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Secretaria Municipal de Finanças, Secretaria Municipal de Cultura-SECULT-FOR, SEBRAE-CE, IPHAN e Banco do Nordeste) e a sociedade civil organizada, formada por artistas, coletivos, associações, sindicatos e empreendedores ligados à cadeia produtiva da cultura.

Mais informações podem ser obtidas pelos fones: (85) 3464.3238 / 8708.4223.

Inscrições podem ser feitas pelo e-mail: negocioscultura.ccbnb@gmail.com .

Veja a seguir a programação completa do Encontro:

PROGRAMAÇÃO

10h - Local: Auditório do 3º andar do Centro Cultural

Apresentação e boas vindas - Banco do Nordeste



10:15h

SEBRAE

* Formalização Empreendedor Individual
* Planos de negócios
* Consultoria



10:35h

SEFIN

* Os impostos municipais e o Empreendedor Individual



10:55h

SDE

* Incubação de micro-empreendimentos culturais



11:15h

SECULT-FOR

* Pólos Criativo e Tecnológico de Fortaleza
* Zonas especiais



11:35h

IPHAN

* Financiamento para restauração de imóveis privados



11:55h

Banco do Nordeste

* CrediAmigo
* EI e MPE (passo-a-passo para abertura de conta e carta de apresentação; orientação sobre aquisição isolada; capital de giro; pequeno roteiro para apresentação de projeto, etc.)



12:15h

ACR, artistas, produtores & empreendedores

* Apresentação de demandas
* Sugestões para o Banco do Nordeste e demais entidades
* Etc.



13h

Intervalo para almoço



14h - Local: Auditório do 3º andar do Centro Cultural

Tira dúvidas entre instituições & artistas/produtores/empreendedores



16h-18h - Local: Térreo do Centro Cultural

Mesas de informação/orientação. Atendimento individualizado

* SEBRAE-CE
* SEFIN
* SDE
* SECULT-FOR
* IPHAN
* Banco do Nordeste

22 a 29 de abril | BIENAL INTERNACIONAL DE DANÇA DE CURITIBA


clique para ampliar

Lançamento do livro "O País a Régua e Esquadro"


Irá realizar-se no dia 19 deAbril, pelas 18:00h, no Salão Nobre do IST, a sessão de lançamento do livro "O País e Régua e Esquadro. Urbanismo, Arquitetura e Memória na Obra Pública de Duarte Pacheco"(http://www.istpress.ist.utl.pt/lreguaeesquadro.htm) de Sandra Vaz Costa.

A obra será apresentada por Maria João Neto (Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa), Ana Tostões (Secção de Arquitetura do Instituto Superior Técnico) e António Costa (Presidente da Câmara Municipal de Lisboa).

Este livro aborda a Obra Pública empreendida por Duarte Pacheco e tem como principal objetivo contribuir para a clarificação do processo de conceção e concretização de todo um programa coordenado pelo político de 1925 a 1943. Referenciando o universo de estudo ao Urbanismo, Arquitetura e Memória Patrimonial no contexto português ao longo do período considerado, e com base na sua aplicação a seis estudos de caso, analisa-se no legado do político a relação entre o decreto, o projeto e o concreto. Considerando o modo de atuação de Duarte Pacheco e identificando o seu método de trabalho em áreas tão distintas quanto a direção do Instituto Superior Técnico, a Câmara Municipal de Lisboa, o Ministério da Instrução Pública e o Ministério das Obras Públicas e Comunicações, a obra de Duarte Pacheco surge numa nova perspetiva, possível através da recolha de uma parcela importante de informação, que clarifica o tempo, o modo, os serviços e os agentes que, no espaço de dezoito anos, modificaram a paisagem do país.

PILOTOS INTERNACIONAIS CONFIRMAM PRESENÇA NO BRASILEIRO DE MOTO AQUÁTICA (JET SKI)




Além dos brasileiros, representantes de cinco países participarão da etapa de abertura da competição, nos dias 5 e 6 de maio, na Represa do Guarapiranga, em São Paulo.

A organização do 25º Campeonato Brasileiro de Moto Aquática (Jet Ski) confirmou a presença de pilotos internacionais na etapa de abertura. Competidores do Uruguai, Paraguai, Bolívia, Argentina e Peru participarão da disputa nos dias 5 e 6 de maio, na Represa do Guarapiranga (av. Atlântica, 4.000, antiga Robert Kennedy), em São Paulo.

Ainda de acordo com os organizadores, existe a possibilidade da presença de um piloto norte-americano. Entre os competidores nacionais, está confirmada participação de representantes dos Estados de São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná, além do Distrito Federal.

O 25º Brasileiro de Moto Aquática (Jet Ski), também definirá os pilotos nacionais que disputarão o 31º Campeonato Mundial, programado para o período de 29 de setembro a 7 de outubro, no Crazy Horse Campgrounds, em Lake Havasu, Arizona (EUA).

Depois da etapa na capital paulista, o 25º Campeonato Brasileiro de Moto Aquática (Jet Ski) prosseguirá no período de 7 a 10 de junho, com a realização da segunda e terceira etapas, na Represa de Furnas, em Boa Esperança, no Sul de Minas Gerais.

Para a etapa de abertura, a movimentação das equipes no local já começa no início da semana da prova para o acerto dos equipamentos e adaptação dos pilotos, conforme a programação:

.Dia 4/5, recepção dos pilotos, e acerto dos motores,

.Dia 5/5, das 9 às 11h30 horas inscrições dos pilotos e vistoria. Às 12h30 treinos oficiais, seguidos das tomadas de tempo da categoria Super Course, às 14 horas começam a primeira série bateria das categorias do circuito fechado, às 17h30 será disputada a primeira bateria do Freestyle.

.Dia 6/5, às 10 horas, disputa das categorias Super Course. Às 14 horas, tem início a segunda série de bateria do circuito fechado, seguida pelo Freestyle. Às 16h30 premiação.

A 25º edição do Campeonato Brasileiro de Moto Aquática (Jet Ski) é uma realização BJSA - Associação Brasileira de Jet Sports, com homologação da International Jet Sports Boating Association – IJSBA. O apoio é da Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação da Prefeitura de São Paulo. O evento conta com a supervisão da Marinha, Guarda Civil Metropolitana e Corpo de Bombeiros.

terça-feira, 17 de abril de 2012

CONCURSO DE BANDAS "Jovem Curitibano" INSCRIÇÕES ABERTAS

Clique aqui e inscreva sua banda!



A Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude, em parceria com a empresa Raio X Música, abriu as inscrições para o 1º Concurso de Bandas Jovem Curitibano. Poderão participar do concurso, Bandas de Curitiba que tenham músicas de autoria própria e que pelo menos dois dos seus integrantes tenham entre 15 e 29 anos. Cada banda deverá ter no mínimo três integrantes.

As inscrições para participar do Concurso de Bandas Jovem Curitibano devem ser realizadas no site www.raioxmusica.com/concursodebandas.
As bandas devem preencher o formulário de inscrição, escolhendo quais seletivas regionais gostariam de participar. Para cada seletiva regional serão classificadas apenas quatro bandas. Podem participar bandas de todos os estilos musicais.

As quatro bandas selecionadas nas pré-seletivas participarão da seletiva regional, sendo analisadas por uma comissão julgadora formada por músicos, jornalistas, produtores e executivos de gravadoras. O vencedor de cada etapa regional disputará a grande final, que acontecerá na segunda quinzena de dezembro, pelo site do evento, pode ver todas as informações sobre regulamento, premiações e inscrições.

Datas – Os concursos acontecerão em conjunto com o Jovem Curitibano Regional, ação descentralizada promovida pela Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude que visa estimular a participação ativa do jovem na sociedade. Durante os eventos, são realizadas diversas atividades esportivas, culturais e de lazer, bem como disponibilizadas informações e inscrições em programas a ações promovidas pela Prefeitura na região.

Confira abaixo as datas de inscrição e realização do concurso de banda em cada regional:

http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/abertas-inscricoes-para-concurso-de-bandas/26402

Indígenas no Brasil - Demandas dos povos e percepções da opinião pública

A FPA oferece para estudos e reflexão os resultados da pesquisa "Indígenas no Brasil: Demandas dos povos e percepções da opinião pública”. O estudo mostra um retrato idealizado dos povos indígenas por parte da maioria dos/as brasileiros/as: o conhecimento sobre a realidade dos povos indígenas, sobre seus principais problemas e conflitos, sobre seus direitos e ameaças às terras indígenas. Traz ainda as percepções dos índios que vivem nas cidades em relação a temas como intolerância, preconceito e discriminação.

Realizada em 2010 e 2011 pela Fundação Perseu Abramo (em parceria com a fundação alemã Rosa Luxemburg Stiftung), a pesquisa tem três módulos: ouviu 52 lideranças indígenas, aferiu a opinião pública nacional, com 2.006 entrevistas distribuídas em todo o país, e ainda 400 índios não-aldeados, ou em aldeias em periferias urbanas. O primeiro módulo, qualitativo, será publicado em livro em 2012; o segundo e o terceiro estão publicados no portal FPA.

Clique aqui para conhecer a pesquisa completa

Inscrições para Bienal de Dança também podem ser feitas na Casa Hoffmann

As inscrições para as oficinas da Bienal Internacional de Dança de Curitiba continuam abertas, mas a partir de quarta-feira (18) devem ser feitas presencialmente, na Casa Hoffmann – Centro de Estudos do Movimento (Rua Claudino dos Santos, 58). As inscrições pelo site oficial do evento (www.bienaldedanca.org.br) terminam nesta terça-feira (17).

A Bienal acontece de 22 a 29 de abril, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, numa realização do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), da Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura Municipal, Ministério da Cultura e Governo Federal com patrocínio do Bradesco e da Nissan. O evento reunirá 27 companhias de dança nacionais e internacionais, bailarinos e coreógrafos de todo o país, em oficinas, palestras, espetáculos e uma série de apresentações ao ar livre no centro e nos bairros.

Podem se inscrever nas oficinas jovens a partir de 14 anos, estudantes de dança, coreógrafos, bailarinos profissionais e amadores. As oficinas ministradas pelos integrantes das companhias convidadas, serão realizadas no período da manhã e à tarde, na Casa Hoffmann – Centro de Estudos do Movimento, nas salas de balé do Teatro Guaíra e no Teatro da Reitoria, ao custo de R$ 15.

Confira a relação das oficinas e os seus professores:



Balé clássico

Márcia de Castro (Balé Teatro Guaíra)

Jair Moraes (Balé Teatro Guaíra e Cia. Jair Moraes)

Polish Dance Theatre (Polônia)

Tom Mossbrucker (Aspen Santa Fe - EUA)

Jean-Philippe Malaty (Aspen Santa Fe – EUA)



Dança contemporânea

Rodrigo Mello (Mote Cia. de Movimento - SP)

Eliana Fetzer (Cia. Eliana Fetzer - PR)

João Paulo Gross (Quazar Cia de Dança - GO)

Michele Moura (Minicomunidade Artística Couve-Flor - PR)

Valentina Moar (Itália – Solos de Sttutgart)

Katarzyna Sitarz (Polônia – Solos de Sttutgart)



Danças Urbanas

Ruana Roettger (Cia. Dançar - PR)

Amy Secada (Braziliam Groove – SP)

Eládio Prados (Street Extreme - PR)

André Rockmaster (Brazilian Groove - SP)

Luana de Souza (Lótus Cia de Dança - PR)

Edy Style (In Pulse - PR)

Emerson Camargo (Coripheus Dança Experimental - PR)



Dança de Salão

Alex Colin – (Dance Sempre - PR)

Sheila Santos (Oito Tempos - PR)

Walmir Secchi (Cia Dança Latina - PR)

Luiz Dalazen (Cido Arruda Dança de Salão - PR)

Edson Carneiro (Edson Carneiro Cia. e Dança - PR)

Mimilus Cia de Dança (MG)



Jazz

Petra Schuster (Backstage Cia. de Dança - PR)

Juliana Carletto (Cia. de Dança Juliana Carletto – PR)



Improvisação e Composição

Maurício Oliveira (Siameses Cia. de Dança - SP)



Composição Coreográfica

Luiz Bongiovanni (SP)



Dança Física

Polish Dance Theatre (Polônia)



Vídeo-dança

David Middendorp (Holanda)



Serviço:

Bienal Internacional de Dança de Curitiba

De 22 a 29 de abril de 2012

Inscrições para as oficinas:

Até 17 de abril pelo site www.bienaldanca.org.br

A partir de 18 de abril diretamente na Casa Hoffmann – Centro de Estudos do Movimento (R. Claudino dos Santos, 58), das 9h às 12h e das 14h às 19h. Telefone: (41) 3321-3228.

Informações: www.bienaldanca.org.br



Lei de Incentivo à Cultura

Patrocínio: Nissan e Bradesco

Apoio: Aspen Santa Fe Ballet, Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Faculdade Metropolitana de Curitiba – Famec, Fundação Nacional de Artes – Funarte, Galvão Locações, Goethe-Institut Curitiba, Instituto Municipal de Turismo, Internationales Solo Tanz Theatre Festival, Korzo Producties, Polish Dance Theatre, São Paulo Companhia de Dança, Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, Sistema Fecomércio Sesc Paraná, Sanepar e Universidade Federal do Paraná.



Realização: Instituto Curitiba de Arte e Cultura, Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba, Ministério da Cultura e Governo Federal.

20/4 TALCO BELLS NO ESTÚDIO EMME



Talco Bells

Dia 20 de abril, sexta-feira,

no Estúdio Emme

O principal objetivo da Talco Bells é não deixar ninguém parado na pista de dança. Para atingir a sua meta, eles contam com a ajuda das lendas da soul music: Stevie Wonder, Marvin Gaye, Supremes, Jackson 5, Smokey Robinson e todo o cast da gravadora Motown; além de Otis Redding, Aretha Franklin, Sam Cooke, Ray Charles e diversos outras artistas do gênero musical.

E se o Soul é a música perfeita para remexer quadris, o talco é o aditivo fundamental para fazê-los perder a timidez e deslizar pelo salão como se hoje fosse 1960.

Na edição de 20 de abril, a Talco Bells irá reverenciar as pick-ups LP’s e compactos na noite que vai virar O DIA DOS DISCO.



A festa tem residência fixa no Estúdio Emme desde janeiro de 2011. Duas vezes ao mês, a Talco Bells faz os quadris se remexerem como os donos nunca imaginaram que seria possível remexer.

SERVIÇO

TALCO BELLS NO ESTÚDIO EMME

dia 20 de abril | sexta feira

Abertura da casa 23h30

Estúdio Emme - Rua Pedroso de Moraes, 1036 Pinheiros – São Paulo

Informações: 3031 3290

Bilheterias do Estúdio Emme | de segunda a sábado, das 13h00 - 19h00.

Preço: R$ 30,00

Censura: 18 anos

Estacionamento: serviço de valet: R$ 20,00

Cartão de crédito: Mastercard e Visa.

Cartão de Débito: Redeshop e Visa Electron

Acesso para deficientes.

Ar condicionado.


Próximas Datas da Talco Bells

Maio: 4 e 18
Junho: 1, 15 e 29
Julho: 13 e 27
Agosto: 10 e 24
Setembro: 7 e 21
Outubro: 5 e 19
Novembro: 2, 16 e 30
Dezembro: 14



Mais informações: www.talcobells.blogspot.com

www.noitesaltoalto.blogspot.com

Facebook - http://www.facebook.com/pages/Talco-Bells/112537908768764?ref=ts

Twitter - http://twitter.com/TalcoBells

Estudio Emme - estudioemme.com.br

Concerto da Orquestra de Câmara resgata Itália barroca

As principais características dos concertos para cordas da primeira metade do século 18 estão presentes no espetáculo “Viagem à Itália Barroca”, que a Orquestra de Câmara de Curitiba apresenta neste fim de semana, dentro da temporada 2012 patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. Obras dos mais importantes compositores do gênero, os italianos Antonio Vivaldi e Giuseppe Tartini, integram o repertório conduzido por Maurício Aguiar, também responsável pelo violino solo.

As apresentações acontecem às 20h de sexta-feira (20), na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, com entrada franca, e às 18h30 de sábado (21), na Capela Santa Maria Espaço Cultural, com ingressos a R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada). Também na Capela Santa Maria, o público tem a oportunidade de acompanhar o ensaio geral da orquestra, às 10h de quinta-feira (19), com ingresso gratuito.

No período Barroco, o concerto para cordas se transformou num dos gêneros musicais centrais na vida dos compositores italianos. Exclusivamente instrumentais, as obras têm normalmente como fio condutor a voz (canções e árias de óperas) ou um forte componente rítmico e corporal (músicas para dançar). Aos instrumentos solistas era atribuída a função do canto – com funções semelhantes aos cantores de ópera – e a expressão corporal era alcançada por meio de um virtuosismo extraordinário, obtido graças ao desenvolvimento das técnicas do violino e dos efeitos musicais do instrumento.

No repertório preparado pela Orquestra de Câmara estão obras nas quais os compositores, sem usar diretamente o canto e uma métrica para dançar, conseguiram “cantar” e alcançar o “corpo”. Os três concertos de Vivaldi – Concerto para Violino e Cordas em Si bemol maior RV 583, Concerto para Violino, Cordas e Contínuo em Mi menor RV 278 e Concerto para Cordas em Dó maior RV 114 – têm fortes componentes teatrais. A teatralidade de Vivaldi é comprovada no primeiro andamento do Concerto em Mi menor, que apresenta uma ária de ópera para violino. O violino “canta” o seu desespero e sua preocupação num ambiente tenso e negativo, como se fosse um personagem de ópera a expressar suas angústias amorosas.

Para finalizar o programa, o Largo Andante Movimento opcional para o Concerto para Violino em Lá maior D.96, de Giuseppe Tartini, é exemplo perfeito de uma composição para violino, na qual o objetivo é imitar ao máximo a voz humana.

O virtuosismo do violinista Maurício Aguiar, diretor musical e spalla da Orquestra de Câmara de Curitiba, pode ser conferido na condução do espetáculo. Residindo nos Estados Unidos desde 1991, o instrumentista é formado em Música pela Universidade de Cincinnati, com mestrado pela Universidade de Yale, onde também concluiu o curso de construção de violino. Com extenso currículo de apresentações no Brasil e exterior, o músico apresentou-se sob a regência de importantes maestros, entre eles James Levine, Valery Gergiev, Sir Roger Norrington, Paavo Jarvi e Kurt Masur. Vencedor de vários concursos nacionais, em 2011 atuou como spalla da Orquestra Sinfônica Brasileira, sob o comando de Loorin Maazel.



Serviço:

Apresentações da Orquestra de Câmara de Curitiba, sob a direção musical do violinista Maurício Aguiar, dentro da temporada 2012 de concertos patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo. O programa do concerto “Viagem à Itália Barroca” reúne obras dos compositores italianos Antonio Vivaldi e Giuseppe Tartini.

Datas, horários e locais:

- dia 19 de abril (quinta-feira), às 10h, ensaio geral da orquestra na Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro), com entrada franca;

- dia 20 de abril (sexta-feira), às 20h, na Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Av. Nossa Senhora Aparecida, 1.637 – Seminário), com entrada franca;
- dia 21 de abril (sábado), às 18h30, na Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro), com ingressos a R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada).

26/4 ESTREIA BAILE EMME - QUINTAS DANÇANTES



A cada quinta-feira uma big band irá botar para dançar

com ritmos que vão do Jazz a MPB, da Salsa ao Samba,

tocados por instrumentistas renomados e cheios de swing.


Estreia no dia 26 de abril, com a Banda BIXIGA 70


Neste ano do terceiro milênio o Emme tem como prioridade retomar a sua vocação histórica criando uma noite em que as melhores orquestras se apresentem em shows dançantes.



O espaço abrigou, em outras décadas, o Rádio Club – que protagonizou o lançamento do pop rock brasileiro dos anos 80, acolhendo Paralamas do Sucesso, Titãs, Barão Vermelho, Ultrage a Rigor. Depois, nos anos 90 veio tornar-se a mais importante casa de danças de São Paulo, abrigando fenômenos como a Banda Mexe com Tudo, Farinha Seca e Heartbreakers.



Inspirado por esta história foi criado o projeto “Baile do Emme”, onde diversas grandes orquestras se revezarão num conceito que agrega a diversidade e coerência. A cada quinta-feira, o Emme receberá uma banda de muitos músicos dedicada à assuntos conectados, porém complementares. A estreia do Projeto acontece no dia 26 de abril com a Banda Bixiga 70.



A Música e a Dança

São Paulo vive uma efervescência musical enorme. Grandes bandas e orquestras investem na pesquisa e na interpretação de distintas tradições brasileiras criando shows e bailes que primam não só pela excelência dos arranjos como pelo caráter inédito cultural onde tanto artistas quanto músicos são convidados a conhecer o rico caleidoscópio das manifestações musicais do Brasil.



E essas distintas vertentes musicais concretizam-se na forma da dança, pois nossa ascendência afro-indígena postula que a melhor maneira de compreender a música e o próprio mundo é dançando. Tocar e dançar esses repertórios já transcende a questão do entretenimento para se tornar uma prática de cidadania.



Mensalmente teremos a Banda Glória, um dos maiores hits das últimas décadas, interpretando com extremo bom gosto canções brasileiras de Chico Buarte, Noel Rosa, Ary Barroso etc. Teremos também a estreia e a temporada do show Baile da Cumbuca protagonizado pela atriz e cantora Carol Bezerra, num show com coreografias e figurinos que viaja pelos cantos mais recôndidos do Brasil, trazendo para a instrumentação exuberante da Orquestra HB uma seleção de temas urbanos e folclóricos que passam pelo samba, o samba de roda, carimbo, afoxé, forró, maracatu e jongo.



Um outro espetáculo que está agendado periodicamente na programação do Baile do Emme é o Baile dos Orixás com o incrível cantor “importado” de Salvador, Aloísio Menezes. Esse é um show extremamente ousado, mas ao mesmo tempo, muito dançante e generoso. As canções seguem uma ordem de saudação aos Orixás da mitologia afro-brasileira, numa alegre celebração da relação do homem com a natureza. Não é, nem de longe, um ritual religioso, mas uma saudação e um reconhecimento de que os tambores africanos que configuraram-se na música brasileira são responsáveis por grande parte de nossa alegria, de nossa sensualidade.



O tratamento das canções de orixás é extremamente contemporâneo: se no ritual tradicional essas músicas são interpretadas com vozes e tambores, no baile dos orixás, teremos arranjos sofisticados com cinco sopros, vibrafone, baixo, três percussionistas, backing vocals e programações eletrônicas. Esse baile é uma consequência direta do celebrado álbum “Guga Stroeter & Orquestra HB – Apresentam Xirê Reverb”, CD este que foi lançado no dia da Consciência Negra em Salvador, no Pelourinho com a presença de chefes de Estado de todo o mundo. Carol Bezerra também participa desse show dividindo o palco com Aloísio Menezes.



Outras quintas-feiras serão preenchidas por orquestras que trabalham nessa mesma direção como a Orquestra Voadora do Rio de Janeiro, a Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, Bixiga 70 e Jam Suburbana.


SERVIÇO

BAILE EMME

Estreia dia 26 de abril

Todas as quintas-feiras

Abertura da casa : 21h

Estúdio Emme - Rua Pedroso de Moraes, 1036 Pinheiros – São Paulo

Informações: 3031 3290

Bilheterias do Estúdio Emme | de segunda a sábado, das 13h00 - 19h00.

Ingresso para o Baile Emme:

Na porta R$ 30,00

Antecipado: R$ 20,00

Censura: 18 anos

Estacionamento: serviço de valet: R$ 20,00

Cartão de crédito: Mastercard e Visa.

Cartão de Débito: Redeshop e Visa Electron

Acesso para deficientes.

Ar condicionado.

Eleitos os delegados de Curitiba para a Conferência de Cultura

Os delegados representantes de Curitiba para a Conferência Regional de Cultura, que será realizada em Araucária, em data a ser definida, foram escolhidos em eleição preparada pela Fundação Cultural de Curitiba, na última segunda-feira (16), no Memorial de Curitiba. A Conferência terá como finalidade a escolha de um membro da região para integrar o Conselho Estadual de Cultura.

Confira os nomes dos titulares e suplentes eleitos:


Titulares

Alex Sandro Ribeiro de Pontes

Alexsandro Bonfim

Ana Carmen de Oliveira

Ernesto Yiuki Dói

Gilberto Marques da Silva

José Wanderley Lopes



Suplentes

Oswaldo Euclydes Aranha

Ricardo Marinelli Martins

Thereza Christina de Araujo Gutierrez

segunda-feira, 16 de abril de 2012

A décima segunda transformação



A décima segunda transformação
Título Original: The twelfth transforming

de Pauline Gedge


Tradutor: Angela Fandy Monteiro

Gênero: Romance histórico

Páginas: 518

Formato: 16 x 23 cm


O Egito está no auge de seu poder quando Akhenaton sobe ao trono - o seu vasto império, suas fronteiras solidas, seu poder temido pelos estados vizinhos. Mas ao contrário de seu povo, que adoram muitas divindades, Akhenaton acredita na onipotência de um único - Aton, o deus do sol - e seu objetivo é acabar com a adoração de qualquer outro.

Incentivado por sua esposa ambiciosa, Nefertiti, ele constrói uma cidade magnífica no deserto, onde ele, como Faraó, é adorado como a encarnação de Aton. Mas ele é fraco e instável, nada sabe em matéria de diplomacia, e impulsionado pelo apetite sexual dos membros da sua própria família comete desatinos. O cenário é o de declínio do Egito, sendo ele desprezado por seus cortesãos e ridicularizado pelos governantes das tribos que no passado temiam o poder do Egito. Sua mãe, a imperatriz Tiy, luta para recuperar sua influência e fazer um Egito forte novamente antes que seja tarde demais.

Cheio de pompa paixão e intriga, A Décima Segunda Transformação é um suspense absorvente. Pauline convida seus fãs de todo o mundo para eaquecerem a rotina diária e abraçarem esses grandes mitos.


O LIVRO
A combinação perfeita entre pesquisa histórica e fiçcão, com personagens tão memoráveis que parecem respirar a cada página.

Em seu segundo livro pela Bertrand Brasil, Pauline Gedge apresenta o romance A décima segunda transformação, vencedor do prêmio Writers Guild of Alberta como melhor romance do ano. Um desenho perfeito do domínio do faraó Akhenaton, um dos mais importantes e polêmicos do Antigo Egito.

O país está em seu auge quando Akhenaton sobe ao trono após a morte de Amenhotep III, seu pai, que lhe deixou como legado um império vasto, fronteiras bem-definidas e um poderio militar temido pelos estados vizinhos. No entanto, ao contrário de seu povo, que adora muitas divindades, o novo faraó acredita na onipotência de Aton, o deus do sol — e seu objetivo é impedir a adoração a qualquer outro deus.

Um romance cheio de pompa, paixão, intriga e morte, entremeado de fatos históricos comprovados por pesquisa, que reconstrói a corte de Akhenaton, um dos governantes egípcios mais misteriosos, e mostra o Egito dos tempos faraônicos em sua glória e decadência.

Pauline se superou com este romance, em que, desde o início, vai transportar o leitor para dentro da 18ª dinastia egípcia, na qual vivem o faraó Amenhotep III, sua esposa, a imperatriz Tiye, o filho Akhenaton – que assumirá o trono após a morte do pai – e sua esposa, Nefertiti. A autora analisa uma época de assassinatos, conspirações, intrigas, paixões verdadeiras e descobertas culturais importantes. O leitor nunca saberá quem está aliado com quem e aprenderá os estranhos costumes dessa sociedade.

A CRITICA

“Um romance brilhante sobre a decadência faraônica.” - New York Times

“Com realismo impressionante, A Décima Segunda Transformação evoca a trama multifacetada de uma tragédia antiga.” - Publishers Weekly


A AUTORA
Pauline Gadge nasceu em Auckland, Nova Zelândia, mas tem nacionalidade canadense. É autora de diversos romances que têm o Egito Antigo como pano de fundo. Publicou, pela Bertrand Brasil, Filha do Amanhecer. Com A Décima Segunda Transformação, ganhou o prêmio de melhor romance do ano da Writers Guild of Alberta, Canadá.








Saiba mais em http://www.paulinegedge.com/

UM LANÇAMENTO

Arquiteto João Filgueiras Lima, o Lelé, participa de bate-papo no MON




Nesta terça-feira, dia 17, inaugura no Museu Oscar Niemeyer a exposição “A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção”, que apresenta um recorte da trajetória de sucesso do arquiteto João Filgueiras Lima. A mostra é uma parceria do MON com o Museu da Casa Brasileira (MCB), que tem a curadoria do arquiteto e professor da Universidade de Delft, Max Risselada e do arquiteto e diretor técnico do MCB, Giancarlo Latorraca.

Antes da abertura da exposição, que tem os apoios do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná – CAU/PR e do Instituto de Arquitetos do Brasil Departamento Paraná – IAB-PR, Lelé participa no auditório Poty Lazzarotto, às 19 horas, de um bate-papo, com entrada franca, com os arquitetos Haroldo Pinheiro, presidente do CAU/BR, e Sérgio Rodrigues. Na oportunidade eles irão conversar sobre a experiência do Instituto Habitat, que tem entre seus objetivos oferecer habitação adequada a populações carentes, com foco na melhoria das condições de moradia, com ênfase no desenvolvimento sustentável e na consciência da preservação e desenvolvimento ambiental.

Carioca nascido em 1932, Lelé participou, quando tinha 25 anos, da equipe que construiu Brasília. Em 1967, um grave acidente automobilístico quase interrompeu sua carreira. Mas ele superou a adversidade e, a partir de então, repensou o fazer arquitetônico. Lelé passou a projetar hospitais, centros de reabilitações, além de outras edificações, sempre levando em consideração o bem-estar das pessoas.

A trajetória de Lelé

Nesta exposição do Museu Oscar Niemeyer será possível conhecer, por meio de maquetes, plotagens e audiovisuais, parte da obra de Lelé, que está presente em várias cidades, como Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Ribeirão Preto.
Na opinião do antropólogo Roberto Pinho, um dos autores do livro A Arquitetura de Lelé: Fábrica e Invenção, “a trajetória de João Filgueiras Lima, o modesto Lelé, está pontuada por um extenso acervo de projetos relevantes na produção nacional de reconhecida importância, resultado de uma mente inquieta, investigativa, um espírito culto, ético e muito rigoroso”. Pinho, destaca, também, que os projetos de Lelé “atendem ao conforto ambiental da melhor forma possível, valendo-se da ecologia, da geografia, da luz solar, dos ventos dominantes, da topografia e da escala correta. São edificações implantadas em harmonia com o meio ambiente e com o terreno, como resultado de uma síntese entre todos os conhecimentos disponíveis, aplicados em cada caso do modo mais adequado”.

Serviço


“A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção”
Abertura: 17 de abril, às 19 horas. Bate-papo com a presença de João Filgueiras Lima (Lelé), Haroldo Pinheiro e Sérgio Rodrigues, no auditório Poty Lazzarotto do MON. Entrada franca.

Exposição: 18 de abril a 15 de julho de 2012.
Visitação: de terça-feira a domingo, das 10h às 18h.
Ingressos: R$ 4,00 e R$ 2,00.
No primeiro domingo de cada mês a entrada é gratuita.
Museu Oscar Niemeyer (Rua Marechal Hermes, 999)
Mais informações: (41) 3350-4400