terça-feira, 30 de julho de 2013

As memórias perdidas de Jane Austen de Syrie James Título Original: The lost memories of Jane Austen




As memórias perdidas de Jane Austen


de     Syrie James

Título Original:     The lost memories of Jane Austen
Tradutor:     Cláudia Mello
Páginas:     320
Formato:     14 x 21 cm

  

Um dos maiores nomes da literatura inglesa, Jane Austen escreveu clássicos como Orgulho e preconceito. Embora seus livros tenham interessantes histórias de amor, a vida amorosa da autora nunca foi considerada notável. Esse foi o ponto de partida para Syrie James, estudiosa de Austen, criar uma versão romanceada sobre a vida da aclamada escritora. E se memórias escritas pela própria Austen fossem descobertas, revelando um grande caso de amor? Escrito em um estilo próximo ao da própria escritora britânica, As memórias perdidas de Jane Austen é um livro notável, irresistível para qualquer um que ame Jane Austen – ou grandes romances.



A CRITICA
“Acessível e verdadeiro de uma maneira que nenhuma obra puramente biográfica conseguiria ser.” – Los Angeles Times


A BIOGRAFADA

Jane Austen (Steventon, 16 de dezembro de 1775 – Winchester, 18 de julho de 1817) foi uma proeminente escritora inglesa. A ironia que utiliza para descrever as personagens de seus romances a coloca entre os clássicos, haja vista sua aceitação, inclusive na atualidade, sendo constantemente objeto de estudo acadêmico, e alcançando um público bastante amplo.


Nascida em Steventon, Hampshire, de uma família pertencente à burguesia agrária, sua situação e ambiente serviram de contexto para todas as suas obras, cujo tema gira em torno do casamento da protagonista. A inocência das obras de Austen é apenas aparente, e pode ser interpretada de várias maneiras. Os meios acadêmicos a têm considerado uma escritora conservadora, apesar de a crítica feminista atual reconhecer em suas obras uma dramatização do pensamento de Mary Wollstonecraft sobre a educação da mulher.
Índice

Jane Austen nasceu em 16 de dezembro de 1775, em Steventon, Hampshire, Inglaterra, sendo a sétima filha do reverendo George Austen, o pároco anglicano local, e de sua esposa Cassandra (cujo nome de solteira era Leigh). O reverendo Austen era uma espécie de tutor, e suplementava os ganhos familiares dando aulas particulares a alunos que residiam em sua casa. A família era formada por oito irmãos, sendo Jane e sua irmã mais velha, Cassandra, as únicas mulheres. Cassandra e Jane eram confidentes, e hoje se conhece uma série de cartas de sua correspondência.É considerada a maior escritora de todos os tempos, de acordo com sua jornada de vida que arrasta milhões de fãs por todo o mundo e encanta a todos com sua literatura épica.

Em 1783, Jane e Cassandra foram para a casa da Sra. Cawley, em Southampton, para prosseguir a educação sob sua tutela; porém tiveram que regressar para casa, devido a uma enfermidade infecciosa em Southampton. Entre 1785 e 1786, ambas foram alunas de um internato em Reading, lugar que pode ter inspirado Jane para descrever o internato da Sra. Goddard, que aparece no romance Emma. A educação que Austen recebeu ali foi a única recebida fora do âmbito familiar. Por outro lado, sabe-se que o reverendo Austen tinha uma ampla biblioteca e, segundo ela mesma conta em suas cartas, tanto ela quanto sua família eram "ávidos leitores de romances, e não se envergonhavam disso". Assim como lia romances de Fielding e de Richardson, lia também Frances Burney. O título de Orgulho e Preconceito, por exemplo, foi retirado de uma frase dessa autora, no romance Cecilia.

Entre 1782 e 1784, os Austen fizeram representações teatrais na reitoria de Steventon, que entre 1787-1788 foram mais elaboradas graças à colaboração de sua prima, Eliza de Feuillide, (a quem dedicou Love and Friendship). Nos anos posteriores a 1787, Jane Austen escreveu, para o divertimento de sua família, Juvenilia, que inclui diversas paródias da literatura da época. Entre 1795 e 1799 começou a redigir as primeiras versões dos romances que se publicariam sob os nomes Sense and Sensibility, Pride and Prejudice e Northanger Abbey (que antes se intitulavam Elinor and Marianne, First Impressions, e Susan, respectivamente). Provavelmente, também escreveu Lady Susan nesta época. Em 1797, seu pai quis publicar Orgulho e Preconceito, mas o editor recusou.

Não há provas de que Jane foi cortejada por ninguém, apesar de um breve amor juvenil com Thomas Lefroy (parente irlandês de uma amiga de Austen), aos 20 anos. Em janeiro do ano seguinte, 1796, escreveu a sua irmã dizendo que tudo havia terminado, pois ele não podia casar por motivos econômicos. Pouco depois, uma tia de Lefroy tentou aproximar Jane do reverendo Samuel Blackall, mas ela não estava interessada.

Em 1800, seu pai decidiu mudar-se para Bath, cidade que Jane não apreciava muito. Nessa época, a família costumava ir à costa todos os verões, e foi em uma dessas viagens que Jane conheceu um homem que se enamorou dela. Quando partiu, decidiram voltar a se ver, porém ele morreu. Tal fato não aparece, porém, em nenhuma de suas cartas, mas foi escrito muitos anos depois, e não se sabe o quanto esse namoro possa ter afetado Austen, ainda que alguns o considerem inspiração para a obra Persuasion.

Em dezembro de 1802, estando Jane e Cassandra com a família Bigg, perto de Steventon, Harris Bigg-Wither pediu Jane em casamento, e ela consentiu. Provavelmente, rompeu o compromisso no dia seguinte, e foi com Cassandra para Bath. Cassandra se havia comprometido com Thomas Fowle, que morreu de febre amarela no Caribe em 1797. Thomas Fowle não tinha condições financeiras para se casar, e o compromisso vinha sendo adiado desde 1794; havia ido ao Caribe como militar, justamente para conseguir dinheiro. Nem Jane, nem Cassandra Austen se casaram.
Residência da família Austen em Chawton, onde Jane passou os últimos oito anos de sua vida (hoje um museu).

Em 1803, Jane Austen conseguiu vender seu romance Northanger Abbey (então intitulado Susan) por 10 libras esterlinas, apesar de o livro ter sido publicado somente 14 anos depois. É possível, também, que nessa ocasião tenha começado a escrever The Watsons, logo abandonando a ideia.

Em janeiro de 1805, morreu seu pai, deixando a esposa e as filhas em situação economicamente precária, e elas passaram a depender de seus irmãos e da pequena quantia que Cassandra herdara de seu prometido.

Em 1806 os Austen se mudaram para Southampton, perto da marina de Portsmouth, o que permitia a eles visitar frequentemente seus irmãos Frank e Charles, que serviam na marinha, chegando a almirantes.

Em 1809 se mudaram para Chawton, perto de Alton e Winchester, onde seu irmão Edward podia abrigá-las em uma pequena casa dentro de uma de suas propriedades. Esta casa tinha a vantagem de ser em Hampshire, o mesmo condado de sua infância. Uma vez instaladas, Jane retomou suas atividades literárias revisando Sense and Sensibility, que foi aceita por um editor em 1810 ou 1811, apesar de a autora assunir os riscos da publicação. Foi publicado de forma anônima, em outubro, como pseudônimo: "By a Lady". Segundo o diário de Fanny Knight, sobrinha de Austen, esta recebeu uma "carta da tia Cass pedindo que não fosse mencionado que a tia Jane era a autora de Sense and Sensibility".2 Teve algumas críticas favoráveis, e se sabe que os lucros para Austen foram de 140 libras esterlinas.
Carreira literária

Animada pelo êxito de Sense and Sensibility, a autora tentou publicar também Pride and Prejudice, que foi vendido em novembro de 1812 e publicado em janeiro de 1813. Ao mesmo tempo, começou a trabalhar em Mansfield Park. Em 1813, a identidade da autora de Pride and Prejudice começou a difundir-se, graças à poupularidade da obra e à indiscrição da família. Nesse mesmo ano foi publicada a 2ª edição de suas obras, e em maio de 1814 surgiu Mansfield Park, obra da qual se venderam todos os exemplares em seis meses, e Austen começou a trabalhar em Emma.

Era seu irmão Henry, que vivia em Londres, quem se encarregava de negociar com os editores, e quando Jane ia a Londres se hospedava em sua casa. Em 1813, Henry Austen foi tratado pelo


Sr. Clarke, médico do príncipe Regente, o qual, ao descobrir que Austen era a autora de Pride and Prejudice e Sense and Sensibility, obras que apreciava muito, pediu a este que solicitasse a Henry que o romance seguinte da autora fosse a ele dedicado. É possível que tal pedido tenha demorado a chegar até ela, pois em suas cartas não guardava uma boa opinião sobre os príncipes, devido às suas conhecidas infidelidades.3

Em Chawton, Austen não tinha a mesma privacidade que em Steventon, e é bastante famosa a anedota narrada por James Austen-Leigh, acerca da porta “chiante” que Austen solicitou que não fosse reparada, pois a avisava antecipadamente da chegada de algum visitante, para esconder o manuscrito que escrevia.

Em dezembro de 1815 foi publicada Emma, dedicada ao príncipe regente e, no ano seguinte, uma nova edição de Mansfield Park. A segunda não teve o êxito das obras anteriores, e as perdas desquilibraram os ganhos da primeira edição.
Morte

Austen começou Persuasion em agosto de 1815, mas um ano depois começou a se sentir mal. No início de 1817 começou Sanditon, porém teve que abandonar a obra por seu estado de saúde. Para receber tratamento médico foi levada a Winchester, onde faleceu em 18 de julho de 1817.

Suas últimas palavras foram: "Não quero nada mais que a morte".4 Tinha 41 anos.

Em seu testamento, legou tudo o que tinha para sua irmã Cassandra. Na época, não se sabia a causa de sua morte; hoje, considera-se que foi Doença de Addison. Está enterrada na Catedral de Winchester.

O epitáfio, na catedral de Winchester, não menciona que foi a autora de seus conhecidos romances. Em 1872, depois que James Edward Austen-Leigh publicou suas Memórias, foi colocada uma nova placa explicando sua condição de escritora e salientando: "She opened her mouth with wisdom and in her tongue is the law of kindness" ("Ela abriu sua boca com sabedoria e em sua língua reside a lei da bondade").





SYRIE JAMES - PBS Up Close Interview (3 partes)




Um Lançamento




Vivemos mais! Vivemos bem? Por uma vida plena

Vivemos mais! Vivemos bem? Por uma vida plena

       

de  Mario Sergio Cortella / Terezinha Azerêdo Rios

 

Coleção:     Papirus debates

Encadernação:     Brochura
Nº Páginas:     112

Público Alvo:     Geral


O LIVRO

Muito se tem escrito, falado e divulgado sobre o aumento da expectativa de vida. A todo momento ouvimos recomendações de como manter a qualidade de vida: prática de exercícios, alimentação saudável e assim por diante.
Para além de todas essas questões, há, contudo, uma experiência pessoal, única. A seu modo, cada um de nós pode fazer do próprio envelhecimento um processo de crescimento contínuo: não biológico, mas de aprendizado e convívio, de autoconhecimento e compreensão.
Assim, enfrentando a vida com coragem, partilhando as experiências, sendo vital no dia a dia, talvez, além de longa, nossa vida possa ser larga, ampla.

O CONTEÚDO

A vida como desafio
Viver mais e viver bem
Tempo amigo, tempo inimigo
Olhando para trás e adiante
A ditadura do relógio e o valor do tempo
A ampliação do horizonte de vida
A vida só vale porque é finita
Quais são seus planos para o futuro?
Aposentadoria não é desocupação!
Vida boa = Presença do desejo

SAIBA MAIS


Lançamento


Leo Fressato invade o palco do TUC com solo cênico



O inquieto e talentoso artista Leo Fressato, que trabalha como diretor teatral, ator, cantor, compositor e humorista, leva ao TUC – Teatro Universitário de Curitiba a performance Solstício – um espetáculo sobre corações congelados, resultado de uma pesquisa que une dança e teatro, tendo o figurino como germinador da ação. A estreia acontece nesta quinta-feira (1º), às 20h, e as apresentações prosseguem até o dia 10 de agosto, de quinta-feira a sábado, sempre às 20h.
Nascido em Brasília, em 14 de outubro de 1986, Leo Fressato veio para Curitiba no ano seguinte e é compositor desde os 14 anos de idade. Formado em Direção Teatral pela Faculdade de Artes do Paraná (FAP), com especialização em Comunicação Audiovisual pela PUC–PR, já atuou em hospitais com o projeto Trupe da Saúde, em 2007, além de dirigir e escrever o espetáculo A Menina e o Outono.
Entre suas realizações constam vários materiais audiovisuais, a autoria da trilha original para o espetáculo As ruas de Bagdá ou Aranha Marrom não Usa Roberto Carlos, da ACRUEL Companhia, paralelamente a participações nas montagens Solução Para Todos os Problemas do Mundo e Sobre Amores e Partidas. O nome de Leo Fressato ganhou projeção nacional em 2011, como compositor de Oração, música que se tornou sucesso com A Banda Mais Bonita da Cidade.
O solo Solstício – um espetáculo sobre corações congelados, criado e apresentado por Leo Fressato, tem o apoio da Cia. Senhas de Teatro e a colaboração criativa de Daniel Valenzuela, Mataveri Cultural Vídeos, Samira Chami e Fábia Regina, que também responde pela iluminação. 

Serviço:
Peformance Solstício – um espetáculo sobre corações congelados, solo criado e apresentado por Leo Fressato.
Datas e horário: de 1º a 10 de agosto de 2013, de quinta-feira a sábado, sempre às 20h.
Local: TUC – Teatro Universitário de Curitiba (Galeria Júlio Moreira – Largo da Ordem).
Ingressos: R$ 16 e R$ 8 (meia-entrada).
Classificação etária: 16 anos

Espetáculo mistura dança contemporânea e cultura indígena



O espetáculo de dança Corpo Ancestral estreia nesta quinta-feira (1º) e cumpre uma temporada de 12 apresentações no Teatro Cleon Jacques – Centro de Criatividade de Curitiba.  Idealizado pela dançarina e psicóloga Silvia Wy‘a Poty e pelo ator e antropólogo Maikon K, com direção de Cândida Monte, o espetáculo tem como proposta estabelecer o diálogo entre xamanismo, psicologia e dança contemporânea, fazendo com que a dança seja utilizada como forma de integrar mente, corpo e natureza.
O xamanismo é um conjunto de práticas corporais antigas, originárias de tradições indígenas, que visam alinhar o ser humano com a natureza. O espetáculo é estruturado como um “rito de passagem”, uma jornada xamânica, que artistas e público devem atravessar juntos (o público caminha por diferentes ambientes, a encenação acontece ao seu redor, ao seu lado, na disposição de um círculo e até partindo do espectador).
O diálogo com a tradição guarani busca revelar como essa cultura ancestral já detinha conhecimentos sobre o corpo que convergem com os resultados de pesquisas científicas modernas, como a física quântica. O espetáculo propõe uma experiência de integração. O público transita por um cenário-instalação, sendo envolvido por estímulos sensoriais referentes à visão de mundo guarani. Os artistas se revezam nas funções de atuadores e orientadores, ora encenando ora guiando o público através de movimento, respiração e música, dentro de uma estrutura cênica que contrapõe ancestralidade/contemporaneidade, primitivo/tecnológico, performance/ritual.
“Com essa pesquisa buscamos as origens do movimento autêntico. O corpo ancestral que pesquisamos é um corpo que busca se conhecer pelo movimento e em conexão com a natureza, expressando suas potencialidades por meio da arte e na vida diária, resgatando em conhecimentos antigos as chaves para seu equilíbrio no presente. Acreditamos que, quanto mais conscientes de nossas origens e de nossas capacidades como seres humanos, mais podemos desenvolver potenciais latentes em nós e atuar com relevância em sociedade”, explicam os idealizadores do projeto.

Os artistas: Silvia Wy’a Poty desenvolve há mais de uma década um trabalho focado na investigação e na prática artística e terapêutica baseada na conexão corpo/mente e suas associações com ecologia, psicologia, arte, ciência e aprimoramento pessoal. O nome artístico Wy'a Poty – recebido em cerimônia indígena brasileira – traduz a outra face de sua pesquisa, integrando a conexão corpo/dança à cultura e tradições ancestrais. Resultados concretos têm sido transmitidos e difundidos no país e no exterior por meio de oficinas, palestras, atendimentos e espetáculos de dança, sempre associados ao trabalho arte-terapêutico de psicologia corporal.
Antropólogo formado pela Universidade Federal do Paraná, Maikon K se interessa pela pesquisa e o estudo das fronteiras entre teatro e performance, teatro e dança, e o sagrado na arte. Em seus trabalhos constrói a encenação a partir da pesquisa corporal, criando também os textos e as composições sonoras e musicais de cada espetáculo. Em 2012, foi contemplado com o Prêmio Klauss Vianna de Dança, da Funarte, pelo projeto DNA de DAN, com estreia prevista para este segundo semestre de 2013.

Serviço:
Espetáculo Corpo Ancestral, com Silvia Wy’a Poty e Maikon K, e direção de Cândida Monte.
Local: Teatro Cleon Jacques – Centro de Criatividade de Curitiba (Rua Mateus Leme, 4.700 – Parque São Lourenço)
Datas: de 1º a 18 de agosto de 2013, de quinta-feira a domingo.
Horário: de quinta a sábado, às 20h, e aos domingos, às 19h
Entrada franca
Classificação: 18 anos

segunda-feira, 29 de julho de 2013

YOGA SUTRA Uma abordagem prática Edição com Nova Capa por Giridhari Das - Gustavo Dauster

YOGA SUTRA


Uma abordagem prática


 


Edição com Nova Capa


 


por Giridhari Das - Gustavo Dauster




Baseado na tradução e comentários de Srila Hridayananda Das Goswami Acharyadeva (Howard J. Resnick, PhD).



166 páginas



Tamanho: 15 x 21 centimetros.



 O Yoga Sutra descreve a essência do yoga - elementos práticos, obstáculos, resultados intermediários e seu objetivo final.



Este livro é baseado na tradução do sânscrito ao inglês dos sutras feita pelo Doutor Resnick, que especial atenção devido às suas imensas qualificações.



Dr. Resnick também conhecido como Hridayananda Dasa Gosvami, é doutor em Sânscrito e Estudos Indianos pela Universidade de Harvard.



 É praticante dedicado de bhakti-yoga desde 1969, tendo viajado mundo afora treinando pessoas em bhakti-yoga e palestrando sobre o assunto de yoga e filosofia védica.



Esta apresentação do Yoga Sutra se destaca por sua clareza e praticidade, desmistificando o texto e mostrando sua sempre atual relevância para todos aqueles interessados em evoluir como pessoas.



Gustavo Dauster estuda e pratica o yoga metafísico sob a guia do Dr. Resnick há 20 anos, e ocupa-se em tempo integral a ensinar o palestrar sobre o assunto desde 1998.


Biografia de Acharyadeva Hrdayananda Dr. Howard J. Resnick




O AUTOR

Giridhari Das (Gustavo Dauster)

-          Nascido em Praga, Tchecoslováquia, 6 de maio de 1969
-          1ª Iniciação em 1998, sob o guru Srila Hridayananda Das Goswmami Acharyadeva, membro da ISKCON e discípulo de Sri Srimad A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada, fundador-acarya da ISKCON
-          2ª Iniciação em 2001
-          Casado com Carana Renu DD em 26 de setembro de 2008

Estudos

1979-1987      American School in London, Londres, Inglaterra
Middle and High School
1987-1988      Brown University, Providence - Rhode Island, EUA
1989-1991      Universidade de Brasília, Brasília, Brasil
1999                Diploma em Economia, Charter Oak State College,
New Britain, Connecticut
2003                Diploma de Bhakti-shastri, com menção de honra

Ocupação em Auto-realização e Yoga

1998-presente - Coordenador do Programa Amigos de Krishna

2001-2010 - Presidente da Associação BBT Brasil (Editora da ISKCON)
2004-presente - Presidente e fundador da ONG Paraíso dos Pândavas
2005-presente - Membro do CGB (Conselho Governamental do Brasil)
2008-2010 - Vice-Presidente e membro do Comitê Executivo do CGB
2009-presente – Membro do Conselho Nacional de Nova Gokula
2010-2011 - Presidente e membro do Comitê Executivo do CGB
2011-presente – Secretário Zonal para a ISKCON Brasil

Livros Publicados (em Português)

Ciência Espiritual - Uma Introdução à Sabedoria do Yoga, 2005
Yoga Sutra de Patanjali - Uma Abordagem Prática, 2007
-  Publicado também em Chinês em 2008 (9000 exemplares)
Notas:
- ISKCON - Sociedade Internacional da Consciência de Krishna - www.harekrishna.com.br.
- Bhakti-shastri é um título da ISKCON que é concedido apenas a aqueles que demonstram grande competência na compreensão filosófica das escrituras védicas.
- Amigos de Krishna é o programa da ISKCON do Brasil de aconselhamento e ensino de bhakti-yoga à distância.
- A BBT (Bhaktivedanta Book Trust) é a maior editora de livros de filosofia védica do mundo.
- ONG Paraíso dos Pândavas é uma OSCIP dedicada a difusão dos valores do yoga, ecologia e assistência social.
- O CGB é órgão administrativo máximo da ISKCON do Brasil.
- RGB – Regional Governing Body, corpo administrativo regional da ISKCON mundial.
- Nova Gokula é a projeto rural mais antigo e proeminente do Brasil - www.novagokula.com.br.
- O livro “Yoga Sutra - Uma Abordagem Prática” já está disponível em 5 idiomas (Português, Chinês, Polonês, Inglês e Espanhol)


UM LANÇAMENTO








O Menino da mala de Lene Kaaberbøl e Agnete Friis

O Menino da mala

de Lene Kaaberbøl e Agnete Friis



256 pág.


O LIVRO
“Você adora salvar as pessoas, não é? Bem, aqui está a sua chance.” Mesmo sem entender o que sua amiga Karin quer dizer com isso, Nina atende seu pedido e vai até a estação ferroviária de Copenhague buscar uma mala no guarda-volumes. Dentro, encontra um menino de 3 anos nu e dopado, mas vivo.

Chocada, Nina mal tem tempo de pensar no que fazer, pois um brutamontes furioso aparece atrás do garoto. Será que ela está diante de um caso de tráfico de crianças? Sem saber se deve confiar na polícia, ela foge com o menino e vai à procura de Karin, a única que pode esclarecer aquele absurdo.

Quando descobre que a amiga foi brutalmente assassinada, Nina se dá conta de que sua vida está ameaçada e que o garoto também precisa ser salvo. Mas, para isso, é necessário descobrir quem ele é, de onde veio e por que está sendo caçado.

Neste primeiro livro da série da enfermeira Nina Borg, vendido para 27 países, as autoras Lene Kaaberbøl e Agnete Friis apresentam uma heroína que luta contra seus demônios e busca fazer justiça em meio à crueldade e à indiferença do mundo.


Nina Borg é uma enfermeira da Cruz Vermelha que, em segredo, cuida de imigrantes ilegais. Obcecada pelo trabalho, já percorreu diversos países para ajudar os mais necessitados e presenciou horrores inimagináveis.

Quando sua amiga Karin lhe pede um favor simples, ela aceita na mesma hora e recebe a chave de um guarda-volumes que abrirá a porta para um mundo cruel em que um frágil menino de 3 anos é preso em uma mala e deixado dentro de um armário.

O exagerado senso de dever da enfermeira a força a levar o garoto sem pedir ajuda à polícia e resolver tudo por conta própria. Ela sabe que esse sentimento de obrigação já vem arruinando seu casamento e afastando-a do convívio familiar, mas acaba, mais uma vez, inventando uma história para o marido e sumindo sem dar notícias.

Vagando pelas ruas de Copenhague, seu caminho se cruza com os dramas de uma mãe solitária e desesperada, um dinamarquês rico que zela pela família e um lituano que só deseja casar e ter uma vida feliz.

O que mais importa para Nina é entender o que está acontecendo e salvar a criança, mesmo que, para isso, seja necessário arriscar a própria vida.



A CRITICA
“Os fãs de Stieg Larsson irão adorar O menino da mala. Nina Borg é uma versão ainda mais atraente de Lisbeth Salander e agradará especialmente ao público feminino.” - Publishers Weekly

“Fãs de romances policiais, comemorem: há algo de podre no reino da Dinamarca. Mas não tenham medo, pois a enfermeira Nina Borg está no caso, em uma trama alucinante.” - New York Post

“Comovente e dilacerante, um exemplo perfeito da nova literatura policial escandinava.” - The Washington Post

“Um livro arrepiante e tenso que mostra até onde se pode ir por dinheiro e em nome da família.” - USA Today

“Uma história sobre crimes cometidos contra mulheres e crianças, contada do ponto de vista feminino e com personagens bastante verossímeis.” - The New York Times Book Review (Destaque de Literatura Policial de 2011)



Leia um Trecho



AS AUTORAS
Lene Kaaberbøl e Agnete Friis




Agnete Friis é jornalista e escritora infantojuvenil. Lene Kaaberbøl já publicou mais de trinta títulos e vendeu mais de dois milhões de livros como autora de fantasia, ganhando prêmios nacionais e


Kaaberbol and Friis "The boy in the suitcase" - about the writers and the book





UM LANÇAMENTO


 

Vivendo do Ócio lança clipe de “Bomba Relógio”


A banda baiana Vivendo do Ócio lança o novo clipe do seu segundo álbum, “O Pensamento É um Imã” (Deck/2012). “Bomba Relógio” http://www.youtube.com/watch?v=xOLYf33DBjE foi a música escolhida para esse vídeo, que traz trechos do mocumentário (filme feito como um documentário, mas com uma história fictícia) “Vive Le Rock”.

O filme, dirigido por Alessandro Valenti,  narra a vida de um jovem que pensava em suicídio e é salvo pelo rock`n`roll, mais especificamente o rock do Vivendo do Ócio. O clipe de “Bomba Relógio” mostra um pouco da história desse mocumentário, que ainda não tem data certa para estrear no Brasil.

Mais informações: http://deckdisc.com.br/
 

Cinema e Literatura no Pauliceia Literária





Intrinsecamente ligados um ao outro, com a adaptação de obras literárias para tela, o Cinema e a Literatura serão tema de umas das mesas da 1ª edição do Pauliceia Literária, festival de literatura que a capital paulista ganha em setembro, e que nasce com a proposta de se inserir, com padrão de excelência, na agenda cultural da cidade, do país e no painel literário internacional.

Philippe Claudel, escritor, roteirista e cineasta francês, e Richard Skinner, escritor inglês e professor de oficinas literárias, debatem as características que separam a linguagem narrativa do cinema e da literatura, os pontos em comum entre as duas artes e a diferença da autoria na literatura e no cinema. Temas como a linguagem própria e independência artística do cinema ao longo do século XX também estão na pauta do bate-papo entre os autores. A conversa será ilustrada com trechos do filme “Há tanto tempo que te amo”, de Philippe Claudel.

Skinner escreveu inúmeros romances e é atual professor diretor do prestigioso curso Como escrever um romance da Faber Academy. Entre seus livros, está The Red Dancer, e o famoso Fiction Writing – The Essencial Guide To Writing a Novel, ainda sem editora no Brasil. O escritor ministrará uma oficina literária durante o festival, com a mesma proposta do renomado curso da Faber, que ensina como escrever um romance.

Claudel é mestre de conferências na Universidade de Nancy, onde leciona no Instituto Europeu de Cinema e Audiovisual, e autor de diversos romances, mas nenhum ainda publicado por aqui. Há tanto tempo que te amo, filme de 2008, estrelado por Kristin Scott Thomas, foi adaptado de uma de suas novelas. As obras dos dois autores são inéditas no Brasil.

GALERIA MÔNICA FILGUEIRAS PRESTA HOMENAGEM A LEÓN FERRARI






Pela ética, pela estética, por este brilho no olhar

e por tudo e muito mais,

a Galeria Mônica Filgueiras

presta homenagem ao artista León Ferrari,

morto no último dia 25 de julho,

com uma exposição de desenhos,

gravuras e pinturas que

fazem parte do acervo da galeria.



de 31 de julho a 7 de agosto.

 

O artista León Ferrari e a  Galerista Mônica Filgueiras





Segundo o jornal  The New York Times,

o argentino era um dos cinco artistas plásticos mais

provocadores e importantes do mundo.

Os pilares de sua obra foram as guerras,

todas as formas de intolerância e a religião.



Serviço

Homenagem ao artista León Ferrari

15 obras entre desenhos, gravuras e pinturas

Exposição: de 31 de julho até 7 de agosto

Local: Galeria Mônica Filgueiras
Rua Bela Cintra, 1533 Tel (11) 3082-5292

Horário: 2a a 6ª feira, das 10h às 19h
Sábado, das 10h às 14h30

Diretores paranaenses lançam curtas-metragens na Cinemateca




Nesta quarta-feira (31), com sessão gratuita às 19h30, a Cinemateca de Curitiba abriga o lançamento dos curtas-metragens Tesouro, dirigido por Carla Pioli e Willy Schumann; e Radinho de Pilha, de Roberto Carlos de Oliveira. Os dois filmes foram finalizados em maio deste ano e têm classificação livre.

Carla Pioli estreia como diretora em Tesouro, trazendo no currículo mais de uma década de atuação como produtora de cinema, com vários curtas, médias e longas-metragens, dentro e fora do Paraná. Nessa primeira experiência na direção, Carla tem a parceria de Willy Schumann, um dos nomes de destaque na filmografia paranaense.

Uma adaptação do conto Causos II, de O Livro dos Abraços, do escritor uruguaio Eduardo Galeano, Tesouro (PR – 18’ – ficção – digital) narra um episódio na vida de um velho solitário, a importância de seu passado e o quanto esse passado pode ser transformador. O filme já foi selecionado para os festivais Audiovisual Mercosul, em Florianópolis, e Brasil Internacional de Cinema do Rio de Janeiro, reunindo no elenco Luthero Almeida, Jota Eme, Marcos Sabóia, Waldi Teixeira, além do próprio Willy Schumann.

Radinho de Pilha (PR – 12’ – ficção – digital) também marca a estreia de Roberto Carlos de Oliveira (Tinho) como diretor. O filme questiona: A vida vale um radinho de pilha? E responde: A vida é o sonho de cada um. No elenco da produção estão os atores paranaenses Silvia Monteiro, Luiz Carlos Pazzello e Rosana Stavis, que tem sido aclamada nacionalmente pelo monólogo Árvores Abatidas ou Para Luis Melo, selecionado para o Prêmio Shell de Teatro de São Paulo.



Serviço:

Lançamento dos curtas-metragens Tesouro (PR – 2013 – 18’ – ficção – digital), de Carla Pioli e Willy Schumann; e Radinho de Pilha (PR – 2013 – 12’ – ficção – digital), de Roberto Carlos de Oliveira.

Data e horário: dia 31 de julho de 2013 (quarta-feira).

Local: Cinemateca de Curitiba (Rua Carlos Cavalcanti, 1.174 – São Francisco).

Entrada franca.

PROGRAMAÇÃO SEMANAL JAMES DE 31 DE JULHO A 3 DE AGOSTO


PROGRAMAÇÃO DA SEMANA
DE 31 JULHO A 03 AGOSTO


QUARTA 31.jul: 22h
QUARTA ROCK recebe Grips e João David
DJs residentes Ale Dantas, Claudinha Bukowski e Pablo Busetti.
DJs convidados Grips (Water Rats, b-day) e João David (Esperanza).
SORTEIO de baldes de cerveja.
DOUBLE DRINK* até 1h.
*Destilados nacionais.
22h/R$ 12.


QUINTA 01.ago: 22h
TIED TO THE 90s convida: Noite Trabalho Sujo
DJs residentes Marcell Boareto e Sol Lingnau.
DJ convidado Alexandre Matias (Trabalho Sujo).
SORTEIO DE VIPs, ao longo da semana, na fanpage da festa no Facebook.
DOUBLE DRINK* até 01h.
*Destilados nacionais.
22h/R$ 12.


SEXTA 02.ago: 22h
ALTA FIDELIDADE
DJs residentes Ale Dantas, Anaum e Claudinha Bukowski.
LISTA FIDELIDADE valendo desconto de 50% na entrada, a partir das 13h, na fanpage da festa no Facebook.
22h/R$ 20.


SÁBADO 03.ago: 22h
POP LINE (Celso B-day)
DJs residentes Ale Dantas, Celso Ferreira (B-day) e Denis Pedroso.
DEGUSTAÇÃO DE DRINKS ao longo da noite.
SORTEIO DE VIPs com participação a partir das 13h, na fanpage da festa no Facebook.
22h/R$ 22.


JAMES
Av. Vicente Machado, 894. Curitiba/PR. (41) 3222-1426. Formas de pagamento: Todos os cartões de débito e crédito Amex, Diners, Master, Visa e Visa Vale Refeição.

sábado, 27 de julho de 2013

UM PRESENTE DE NATAL de Mary Higgins Clark


UM PRESENTE DE NATAL

de  Mary Higgins Clark



Páginas:     208
Formato:     14X21




Não da pra contar muito mas, é um livro repleto de suspense e humor. UM PRESENTE DE NATAL é uma história perfeita para as festas de fim de ano, um conto encantador e terno de perseverança, redenção e amor.





MESTRE E MÃE
Mary Higgins Clark nasceu em Bronx, Nova Iorque. O pai morreu quando ela tinha dez anos, deixando a família numa situação económica difícil. Depois de terminar os estudos do ensino secundário, Mary tirou um curso de secretariado e trabalhou como secretária numa agência de publicidade durante três anos. Abandonou a agência para trabalhar como hospedeira do ar na Pan American Airlines, onde ficaria até ao seu casamento com um amigo de longa data, Warren Clark. Em 1956 começou a escrever contos para jornais e revistas e peças para a rádio. O primeiro livro que publicou foi uma biografia de George Washington, Aspire to the Heavens.

Warren viria a morrer em 1964, vítima de um ataque de coração. Mary ficou com cinco filhos a seu cargo. Foi então que decidiu dedicar-se à escrita. Todos os dias se levantava às 5 da manhã e escrevia até às 7, hora a que preparava os filhos para a escola.

O seu primeiro livro policial Where Are the Children?, publicado em 1975, tornou-se um best-seller. Mary decidiu continuar os estudos e inscreveu-se na Fordham University, onde, em 1979, se doutorou summa cum lauda em Filosofia. Desde então foi distinguida com 16 doutoramentos honoris causa e tem recebido numerosos prémios literários. Os seus livros estão traduzidos em várias línguas.

Em 1996 Mary casou com John J. Coheeney. No mesmo ano, lançou o Mary Higgins Clark Mystery Magazine. Actualmente reside em Saddle River, New Jersey.

Mary Higgins Clark &  Carol Higgins Clark  ( Entrevista )

 

 

Um Lançamento



Intermidialidade e Estudos Interartes Desafios da arte contemporânea Thais Flores Nogueira Diniz (Org.)

Intermidialidade e Estudos Interartes

Desafios da arte contemporânea

Thais Flores Nogueira Diniz (Org.)



Coleção: Humanitas
2013. 152 p.
Dimensão: 22,3 X 15,5 X 0,9
Peso: 240 gramas

São raras no Brasil publicações envolvendo questões teóricas, essenciais ao embasamento dos estudos interartes, e, mais ainda, textos voltados para os estudos de intermidialidade que, sem descartar análises de obras canônicas, contemplam produções contemporâneas, de caráter estético às vezes questionado. Este livro visa preencher essa lacuna, oferecendo uma seleção de textos de difícil acesso, traduzidos por integrantes do grupo de pesquisa Intermídia: Estudos sobre a Intermidialidade, que abordam, além do próprio conceito de intermidialidade e sua relação com os estudos literários, outras noções cruciais, tais como: remediação, picturalidade, transescritura e relações músico-literárias. Escreve Solange Ribeiro de Oliveira.


Colocando um pouco mais de lenhas na fogueira e ressaltando a importância do lançamento deste livro pela UFMG, transcrevemos aqui um trecho do texto de Claus Clüver da Indiana University - (...)
O adjetivo intermedial ainda soa estranho em inglês e se associa ao termo intermedia, utilizado em círculos especializados com significado bem específico. Até o presente momento, encontrei o termo inglês intermediality quase que exclusivamente em trabalhos de autoresque são originários lingüística e cientificamente de países de língua alemã; uma exceção é o holandês Eric Vos (...). Em artigo na mesma coletânea, Jürgen E. Müller resume as principais teses de seu livro Intermedialität: Formen moderner kultureller Kommunikation [Intermidialidade: formas de comunicação cultural moderna] e estabelece uma distinção clara entre os adjetivos intermedia e intermedial ,em língua inglesa.
Assim como Müller, Werner Wolf, em The Musicalization of Fiction: AStudy in the Theory and History of Intermediality [1999; A Musicalização da narrativaliterária: um estudo sobre a teoria e a história da intermidialidade], parece contar coma possibilidade dessa formação lexical. Já Peter Wagner, organizador de Icons – Texts – Iconotexts: Essays on Ekphrasis and Intermediality
[1996; Ícones – textos – iconotextos:ensaios sobre écfrase e intermidialidade], e, como Wolf, professor de Literatura Inglesa,expressa sua preferência por the study of intermediality
(estudo da intermidialidade) ao invés da expressão interarts studies (estudos interartes), empregada por outros estudiosos do assunto.Pode-se perguntar, entretanto, se existe uma correspondência entre o que se entende na Alemanha por pesquisa sobre a intermidialidade e o campo de pesquisa que, nos EUA e em outros países, por enquanto ainda leva o rótulo de Estudos Interartes. Digo “por enquanto” porque tal rótulo, (...) torna se cada vez mais equivocado e questionável. Frente a isso talvez fosse melhor seguir os exemplos mencionados e introduzir uma designação derivada do termo usado em alemão. Entretanto, isto seria aconselhável apenas caso se considerasse os termos “Estudo da Intermidialidade” e “Estudos Interartes” como plenamente equivalentes, como pressupõem Wolf e Wagner; ou se, após uma discussão mais aprofundada dos dois conceitos e de seus campos correspondentes, fosse possível aproximá-los tanto na formulação de tarefas quanto no método e, sobretudo, na escolha dos objetos de pesquisa. Além disso, é necessário não só esclarecer o modo como o conceito de “intermidialidade”deve ser entendido, mas também discutir se ele não é mais problemático do que suautilização atual deixa transparecer.



-LANÇAMENTO DA






GRÃOS DE AREIA de Shri Damodara


GRÃOS DE AREIA


de Shri Damodara




187 páginas



Tamanho: 21 x 14 centimetros


Era uma vez uma professora Evalda Andrade que queria ser escritora, hoje temos uma devota e escritora, e das boas,  Sri Damodara. Assim éla é conhecida na comunidade Hare Krishna de Nova Gokula, onde mora, e onde lançou seu romance “Grãos de Areia”.
Foi lá que conheceu Hrdayananda dasa Goswami, seu mestre, que a incumbiu de escrever romances a partir daBhagavadgita e do Srimad-Bhagavatam, escrituras milenares da Índia antiga. E assim surgiu para nosso deleite as páginas de Grãos de Areia. Não se engane, este não é um pseudo-romance de auto-ajuda , desses que saem aos borbotões por aí.É literatura com fundamentos dos mais claros e magníficos do Srimad-Bhagavatam. (E.C.)

O LIVRO
 " Maria da Glória se apressou, embora não quisesse. Seus pés afundavam na areia tão movediça, graças ao balanço das ondas, que ora vindo, ora indo, espalhavam doidamente os pequeninos grãos... E, devido a essa simples, porém mágica dinâmica, ela ponderou, enquanto caminhava, como o tempo cumpria seu papel, com perfeição. Afinal, não seríamos nós carregados pelas ondas do tempo, que ora nos aproximam, ora nos afastam uns dos outros, assim como as ondas do mar sacodem impetuosamente os minúsculos grãos de areia da praia?"


Uma história que, certamente, poderia ser a de muitos nesse mundo. Um intenso drama familiar e uma jornada de abnegação de uma mãe em defese de seu único filho. Uma tranquila cidade do interior contrastado com uma inquieta e angustiada professora.O tempo como elemento inexorável da vida, curando feridas, alimentando esperanças e subjugando desavenças. Assim como o amor.


" O vento sopra agora, carrega as folhas da mangueira para lá e para cá. E para lá e para cá elas vão se tocando e se afastando, no remoinho da vida..."




A CRITICA
Ambientado na zona da mata canavieira, o livro poderia se filiar a uma tradição regionalista. Entretanto, o romance se desprende desse espartilho, por levantar questões de ordem universal, dentro de uma maneira poética de narrar. O próprio título invoca uma metáfora. Afinal, não seríamos nós carregados pelas ondas do tempo, que ora nos aproximam, ora nos afastam uns dos outros, assim como as ondas do mar sacodem impetuosamente os minúsculos grãos de areia da praia? - Tribuna do Norte

UM LANÇAMENTO




Texto de Emanuel Medeiros Vieira


PÓ E MEMÓRIA


de EMANUEL MEDEIROS VIEIRA




“O homem é feito visivelmente para pensar; é toda a sua dignidade e todo o seu mérito; e todo o seu dever é pensar bem”

(Blaise Pascal)



A morte sempre ganha: tem mais tempo.

Pessimismo?

Driblamos a Indesejada até quando for possível.

Pó e memória.

Mas celebramos o pássaro cantante, um instante, o arco-íris, um relâmpago de encantamento.

E passamos – passamos.

Os sonhos de juventude,  transformaram-se em dores na coluna?

Tanto ruído, tanta matéria, tanta agitação!

“Credibilidade é a única moeda válida neste vasto mercado repleto de ruído”.

A vida?

Definam-me urgentemente o que é a vida – por favor, um náufrago sorridente pede socorro.

Até a caminho da forca, pode-se apreciar a paisagem – alguém escreveu.

O pássaro cantante sorri para mim.

Mesmo que esteja cercado de mortos e de fotos, rebelo-me contra o oblívio.

Existe um menino que não pode estar perto de mim.

Mas também somos feitos daquilo que perdemos.

E o tempo se vai – sempre.

O mar, o trapiche, um fogão de lenha, um menino, boné, morango, amora, trapiche, mar, mãe pão feito em casa – repito-me, eu sei.

É como querer segurar um instante diante desta máquina descartável – nosso mundo.

Queria escrever: meus valores não pertencem a ele, mas soaria retórico e discursivo.

“Humanismo beato”, reclama  um promotor interno.

É apenas uma prosa poética, uma manhã, um mês de julho – parece tão pouco e é tudo.
(Salvador, julho de 2013)

Estátua de Tiradentes retorna ao marco zero em 60 dias



A estátua de Tiradentes esculpida pelo paranaense João Turin deve retornar à Praça Tiradentes em 60 dias. Após a retirada do pedestal, na noite de quinta-feira, o monumento foi transportado para o Atelier João Turin onde será feita a restauração pelo escultor Elvo Benito Damo. Após a retirada da estátua, foi encontrada uma garrafa com manuscritos e algum objeto que teria sido colocada pelo próprio escultor no local, em 1927.

Segundo a coordenadora de Acervos da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), Denise Zanini, responsável pela logística e por acompanhar os trabalhos do ateliê em nome do município, os trabalhos de restauração e confecção de moldes fazem parte de um projeto iniciado há cerca de dois anos, depois que os direitos sobre o acervo do escultor foram comprados pelo colecionador curitibano Samuel Ferrari Lago. Foi realizado um levantamento do acervo e, após negociações entre a família Lago, o poder público e descendentes de Turin, foram iniciados os trabalhos, no Atelier João Turin.

Descoberta

O conteúdo da garrafa encontrada ontem será revelado na próxima semana na presença do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, do presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcos Cordiolli, e da equipe técnica da instituição e dos restauradores.

”Agora, a ansiedade é para conhecer o conteúdo deste texto que será aberto na próxima semana com todos os cuidados que situação requer. Parabéns ao Samuel Ferrari Lago, do Atelier João Turin, e ao Maurício Appel, gestor do projeto. Reconhecemos o imprescindível trabalho que estão fazendo pela preservação e difusão da obra de João Turin”

Sobre o projeto

 Além da estátua de Tiradentes, duas outras obras de Turin (1878-1949) pertencentes ao patrimônio público municipal já estão sendo restauradas e ganhando moldes e pátina de proteção: a peça Luar do Sertão (uma onça rugindo que fica na rotatória ao lado da sede da Prefeitura) e a águia que faz companhia a Rui Barbosa na Praça Santos Andrade. Elas devem voltar a seus locais originais em agosto.

A restauração das três peças faz parte de um projeto maior, que envolve todo o acervo de Turin, reconhecido como um dos maiores artistas paranaenses. O diretor de Patrimônio da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), Mauro Tietz, informa que a Fundação acompanha o trabalho desde a retirada das obras que integram o patrimônio do Município até a restauração e devolução aos locais originais.

Maurício Appel, gestor do acervo, diz que é a primeira vez que uma restauração ponta-a-ponta da obra de um artista é realizada no Brasil. O trabalho, conta, chamou a atenção até do Ministério da Cultura, que está acompanhando o processo, pelo interesse museológico.

Complexidade – Atualmente estão sendo trabalhadas as peças maiores, que também são mais complexas. Cada estátua leva, em média, um mês para ser restaurada e ter seu molde retirado. “Há muita dilatação devido ao tempo. Também verificamos pequenos buracos que poderiam comprometer as obras”, informa Appel.

A onça de Luar do Sertão, por exemplo, exposta ao ar livre desde 1969, estava a ponto de perder a cauda. A águia, na praça desde 1936, também estava “bastante agredida”, segundo Appel. “O mais interessante é que percebemos que as pessoas se preocuparam com as obras depois que as retiramos. Isso mostra que elas gostam das esculturas, consideram que os bens também são delas”, ressalta Appel. Ele prevê que a estátua de Tiradentes também deve dar trabalho, pois está desde 1938 exposta ao tempo.

Os moldes que estão sendo feitos permitirão que essas e outras obras de Turin sejam multiplicadas. Normas do mercado preveem um limite de 12 reproduções de cada trabalho, que ainda assim continuam sendo consideradas obras originais. Appel relata que o escultor tinha dificuldade para reproduzir suas obras, devido à pouca estrutura da fundição artística em Curitiba na época. Assim, grande parte das obras ainda é única.

Mostra

As obras deverão ser expostas em Curitiba, no ano que vem. Mais cinco capitais brasileiras devem receber a mostra, bem como Bruxelas – onde Turin estudou, na Real Academia de Belas Artes – e Nova York. Também há a possibilidade de a exposição seguir para Paris, onde o artista viveu entre 1911 e 1922.

As novas reproduções também poderão ser comercializadas ou expostas em mais locais . A prioridade, ressalta Appel, será para museus ou outros espaços abertos ao público. Apesar de os direitos de propriedade das obras pertencerem à família Lago, os direitos autorais continuam sendo da família de Turin. Foi Appel quem mediou as conversas entre as duas famílias para que o projeto pudesse sair do papel.

Ficha das obras:

Tiradentes
Técnica: Escultura em bronze
Tamanho: monumento
Localização: Praça Tiradentes (Curitiba)
Inauguração: 1938
Obra realizada em Paris em 1922. Participou do salão dos artistas franceses, recebendo elogios da imprensa. No Brasil, no mesmo ano, participou da exposição comemorativa ao centenário da Independência no Rio de Janeiro, onde recebeu menção honrosa. Em 1927, por ocasião do cinquentenário da imigração italiana no Paraná, João Turin doou a obra para colônia italiana, que por sua vez realizou a fundição em bronze e a ofereceu ao povo do Paraná como forma de agradecer a terra que os acolheu. A escultura possui mais de dois metros de altura.

Luar do Sertão
Técnica: Escultura em bronze
Tamanho: natural
Inauguração: 1947
Localização: Centro Cívico (Curitiba) e Praça General Osório (Rio de Janeiro)
Turin teve sua fase de tigres. Para os trabalhos, se inspirava em gatos e nos felinos do Passeio Público. Já que os animais dormiam a maior parte do dia, o artista, em idade já avançada, passou a ir ao parque à noite: comprava carne no açougue Garmatter e negociava para conseguir iluminação melhor. “Foi um inferno, sem contar com a chuva, a garoa, a lama, o frio, pois a gente não é mais criança e não aguenta bem”, declarou na época. Mas o esforço compenso: a onça rendeu prêmios e homenagens a Turin.

Rui Barbosa
Técnica: Escultura em bronze
Tamanho: monumento
Inauguração: 1936
Localização: Praça Santos Andrade (Curitiba)
O monumento foi confeccionado depois que Turin assinou um contrato de empreitada com o Comitê Acadêmico de Direito da UFPR. As peças foram fundidas em uma oficina artística de São Paulo que fez várias fusões em bronze para o escultor. Com a justificativa de falta de espaço, a oficina acabou destruindo os originais em gesso, informando Turin apenas depois.

(Fontes: Secretaria de Estado da Cultura e livro A Arte de João Turin, de 1998, de Elisabete Turin)

6/8 PAOLA PELOSINI NO SESC POMPÉIA - GRÁTIS







Projeto Prata da Casa apresenta

PAOLA PELOSINI

Dia 6 de agosto, às 21h, no

  Entranda Franca





A cantora e compositora apresenta

as canções de seu Cd Um   no Projeto Prata da Casa,

que leva aos palcos do Sesc Pompéia

os novos expoentes da música brasileira.



A cantora e compositora PAOLA PELOSINI se apresenta no Projeto Prata da Casa,

que leva  diversos artistas da nova geração da música brasileira

à Choperia do SESC Pompeia, no dia 6 de agosto, às 21h. A entrada é franca.





Arte do CD UM de Paola Pelosini No show, Paola

apresenta as músicas de UM, seu primeiro CD autoral,

lançado em 2012, onde caminha pelo

reggae, dub, afrobeat, rock, pop e samba.

O disco foi produzido e arranjado por Zé Nigro

e mixado por Gustavo Lenza.

Links para algumas das faixas:



Paola Pelosini ao vivo no TV TRAMA - Musica Urubu Rei



http://www.youtube.com/watch?v=D1JaRauMgwE



Paola Pelosini Clipe Musica "Delícia"



http://www.youtube.com/watch?v=PnNjKPNjXXs





Paola, que já foi contrabaixista de bandas do underground

e apresentadora de programas de rádio,

surpreende como cantora e compositora.

O resultado é novidade, em músicas que conduzem estas

diferentes escolhas rítmicas a uma mesma identidade.



No show, Paola canta e opera os samplers, e é acompanhada dos músicos:

Gustávo Cék (Bixiga 70) na bateria, Daniel “Gralha” Verano (Bixiga 70, Projeto Nave) no trompete,

Daniel Xingú (Banda Strombólica, Martinez Jazz Funk) no baixo,

Pipo Pegoraro na guitarra e Rogério Rochlitz nos teclados.



Ao vivo, os arranjos ficam ainda

mais interessantes, das essencialmente rítmicas

“Quem Vai” e “Beira do Mar”

até momentos mais reflexivos e poéticos, em “Assim”

e “Pérolas e tubarão”.



Serviço

Show da Cantora Paola Pelosini

Projeto Prata da Casa

Data: dia 6 de agosto, terça-feira

Horário:  às 21h

Entrada Franca
Local: Sesc Pompéia
Rua Clélia, 93
Pompéia - Oeste
São Paulo
(11) 3871-7700

Sesc Pompéia

ATENÇÃO: ADIADA A ESTREIA DA PEÇA DESGRAÇAS DE UMA CRIANÇA


Atenção:


A estreia da peça

DESGRAÇAS DE UMA CRIANÇA,

que aconteceria no dia 7 de agosto,

FOI ADIADA

para o dia 14 de agosto, quarta-feira, às 20h.

Krisiun comemora apresentação histórica no Nordeste



A banda brasileira Krisiun, um dos nomes mais respeitados do heavy metal mundial, recentemente, se apresentou, para mais de 10 mil pessoas no Festival de Inverno de Garanhuns.  Neste final de semana, o grupo é uma das principais atrações do 10° PMW Rock Festival. O evento acontece, nos dias 27 e 28 de julho, na Praia da Graciosa, em Palmas, Tocantins.


Banda celebra show para mais de 10 mil pessoas no FIG – foto: arquivo pessoal
Grupo é uma das atrações do 10° PMW Rock Festival, em Palmas, neste sábado

A banda brasileira Krisiun, um dos nomes mais respeitados do heavy metal mundial, é sempre nome certo entre as atrações dos maiores festivais de verão da Europa. No entanto, foi aqui no Brasil que o grupo comemorou uma das apresentações mais importantes da carreira do grupo.

Após realizar uma longa série de apresentações pelas principais cidades dos Estados Unidos, Canadá e diversos países do Velho Continente, recentemente, Alex Camargo (vocal/baixo), Moyses Kolesne (guitarra) e Max Kolesne (bateria) se apresentaram para mais de 10 mil pessoas, no Festival de Inverno de Garanhuns (FIG). No repertório não faltaram clássicos como “Combustion Inferno”, “The Will to Potency”, “Vicious Wrath”, “Kings of Killing”, “Bloodcraft”, “Blood of Lions”, entre outras.

"Durante a energética e impecável apresentação do Krisiun – um dos maiores representantes do death metal nacional, com projeção mundial -, o vocalista e baixista Alex Camargo agradecia constantemente aos empolgados headbangers que vibravam com cada música tocada pelos gaúchos", declarou o jornalista AD Luna em matéria publicada no jornal Diário de Pernambuco. O repórter ainda teve a oportunidade de uma entrevista exclusiva. Confira a matéria em http://blogs.diariodepernambuco.com.br/fig2013/?p=417.
Veja fotos desta performance em http://bit.ly/13e3RYu e http://www.flickr.com/search/?q=krisiun+fig.

Neste momento, o Krisiun segue a turnê promocional de "The Great Execution", considerado um dos melhores discos lançados nos últimos tempos pela imprensa especializada mundial, pelo país.  Depois de exibições em São Luis, Curitiba e Londrina, o power trio é headliner do 10° PMW Rock Festival, que acontece, nos dias 27 e 28 de julho, na Praia da Graciosa, em Palmas, Tocantins. Mais informações no serviço abaixo.

Recentemente, o Krisiun também confirmado como uma das atrações do Rock in Rio 2013 e em breve, deve anunciar mais datas pelo Brasil.

Confira o videoclipe da música "The Will to Potency" em https://www.youtube.com/watch?&v=97fiImWsQY0.

A Agência SobControle continua agendando mais shows do Krisiun pelo Brasil e América Latina. Produtores interessados devem entrar em contato o mais rápido possível no e-mail sobcontroleproducoes@yahoo.com.br.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

COMO PLANEJAR SUA CARREIRA PROFISSIONAL de David F. D’Alessandro

COMO PLANEJAR SUA CARREIRA PROFISSIONAL

de David F. D’Alessandro

PÁGINAS:      216
FORMATO:      16x23 cm

Planejar a carreira pode ajudar a traçar os rumos da sua vida profissional.


Você já parou para pensar em como vai conseguir o emprego dos seus sonhos quando terminar a sua graduação? Qual caminho deve seguir para ter uma carreira da forma que deseja e quanto tempo isso pode demorar? Planejar a carreira pode ajudar a traçar os rumos da sua vida profissional, aliando as tendências do mercado aos seus talentos. Confira as dicas.

1- Pense no que realmente deseja fazer após sua graduação - Coloque no papel seus reais sonhos e necessidades. Depois você poderá adequar os seus desejos à sua realidade. Se você ainda não se formou, não se preocupe: quanto antes o planejamento for feito, melhor. Assim, você pode planejar outras etapas fundamentais para sua carreira, como o estágio e os cursos de trainee. "Muitas vezes o profissional não faz o planejamento quando termina a formação, o que torna grande o risco de entrar no mercado para uma área diferente", esclarece Sulivan França, presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching.

2- Identifique a vocação dentro da sua formação - Faça uma lista das suas preferências e habilidades. Esse exercício ajuda a identificar o que você faz bem e habilidades que você até desconhece. Liste matérias do seu curso universitário, da sua vida pessoal e do ambiente profissional que você sinta prazer em fazer. Relacione também as atividades e assuntos nos quais você se destaca e suas paixões mais secretas. Lembre que a vida profissional tem um alicerce dentro da vida pessoal, uma coisa está dentro da outra.

3- Defina objetivos e trace planos para o futuro - Escreva quais os planos para a sua vida nos prazos de um, três e cinco anos. O que você pensa em fazer quando terminar a graduação? "O profissional deve saber onde quer chegar na carreira e em quanto tempo. Sabendo onde e quando, é possível estabelecer uma série de submetas para alcançar a meta na carreira", explica Sulivan França, presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching. Especializações, cursos, viagens, intercâmbios e workshops para o seu aprimoramento podem (e devem) entrar na lista.

4- Faça uma pesquisa sobre o mercado de trabalho - Procure saber mais sobre o mercado onde irá atuar depois de se formar, aconselha José Roberto Marques, presidente do Instituto Brasileiro de Coaching. Você sabe a faixa salarial predominante onde mora? Há empregabilidade? Se for necessário, você tem condições de se mudar para outra região? Procure conversar com profissionais que já estão na ativa para saber mais, leia matérias sobre o assunto. Lembre que cada cargo e salário exigem um determinado tipo de especialização e conhecimento. Quanto mais alto o cargo, maiores são as exigências, e algumas habilidades são conquistadas apenas com anos de experiência.

5- Considere sua vida pessoal - O planejamento pode ser profissional, mas isso não significa que a sua família e seus planos pessoais (como viagens, casamento, compra de imóvel, festas, etc) devam ficar esquecidos. "Quando você não leva em conta a vida pessoal, as necessidades pessoais batem à porta. É preciso unir e colocar tudo nesse processo de planejamento. Se a pessoa faz um planejamento de carreira que demanda esforços que farão com que ele se ausente da família, isso começa a afetar o lado pessoal. É indispensável no planejamento saber o que se quer do ponto de vista profissional e ter consciência do preço na vida pessoal", afirma França.

6- Reconheça os recursos disponíveis - Pense em quais cursos de aprimoramento você pretende fazer depois que se formar. Pode parecer cedo, mas não é: o planejamento permite que você obtenha recursos para se aprimorar e continuar sempre estudando. Pesquise os valores dos cursos que você pretende fazer, sejam de aprimoramento profissional, de informática ou de línguas. Você possui as habilidades necessárias para fazer o curso? E dinheiro? De quais outros recursos você precisaria e como pretende obtê-los? Essa é a hora de adequar seus sonhos às suas possibilidades financeiras e à sua vida pessoal.

7- Diferencie alternativas para o início da sua carreira - Oportunidades aparecem, mas nem por isso você deve abandonar o seu planejamento. Seja maleável e tenha um plano B, mas sem perder o foco. Identifique carreiras que despertam seu interesse e destaque, entre elas, as que mais se adequam ao seu perfil. Além da primeira carreira escolhida, quais seriam suas outras opções? Você conhece bem essas outras opções? Você conhece alguém da sua área profissional que poderia ajudar a esclarecer suas dúvidas?

8- Defina o foco de ação e busque resultados - "Detalhe suas ações em curto e médio prazo. Estabeleça um prazo para encontrar um emprego com retorno financeiro e dentro da sua meta", alerta José Roberto Marques, presidente do Instituto Brasileiro de Coaching. Cheque o calendário das empresas nas quais gostaria de trabalhar e veja o calendário dos programas de trainee. Se não conseguir nada, pegue o plano, leia novamente e descubra o que precisa ser revisto: falta alguma competência ou habilidade para conquistar o cargo desejado? Você precisa se aperfeiçoar? O mercado de trabalho está aquecido? Depois, não esqueça o plano de carreira na gaveta. Sempre recorra a ele para manter-se no rumo pré-definido. Lembre-se que alterações são possíveis - e necessárias - mas não perca o foco. 
     

COMO PLANEJAR SUA CARREIRA PROFISSIONAL

Como construir e administrar uma excelente reputação profissional e pessoal  


 
O LIVRO
O lançamento da M.books deste mês vai mostrar como construir o tipo de reputação pessoal que irá possibilitar que você deixe seus concorrentes para trás.

O autor, um bem-sucedido executivo, mostra como foi que, planejando gradativamente todos os passos de sua carreira profissional, conseguiu atingir uma reputação que lhe dá condições e possibilidades
de saltos maiores em busca de seu sucesso
profissional e pessoal.

D’Alessandro mostra também que o planejamento e o sucesso passam por dificuldades decorrentes de constantes batalhas corporativas, onde seus concorrentes também buscam o sucesso.

No best-seller Como Planejar sua Carreira Profissional, D’Alessandro expõe as regras tácitas da vida organizacional, mostrando como construir o tipo
de reputação pessoal que irá possibilitar que você deixe seus concorrentes para trás.


CONTEÚDO
CLIQUE AQUI

O AUTOR

David F. D’Alessandro
: ex-presidente do conselho e CEO da John Hancock Financial
Services, atua como consultor e palestrante convidado tendo como tema uma série de questões enfrentadas no mundo dos negócios de hoje.


Um lançamento


HISTÓRIA DA ALEMANHA MODERNA de Martin Kitchen



HISTÓRIA DA ALEMANHA MODERNA

de Martin Kitchen


Tipo de Capa: Brochura
Edição: 1ª edição - 06/2013
Número de Páginas: 592




O LIVRO

Uma visão abrangente da história da Alemanha a partir da sua transformação de um agrupamento de estados fragmentados, em 1800, numa das nações mais poderosas da Europa em nossos dias. A narrativa começa com o impacto causado por Napoleão sobre a colcha de retalhos que era a Alemanha, descreve o desenvolvimento de uma consciência nacional dentro do contexto da mudança social e tensões entre a reforma e a reação, e culmina na análise da Alemanha depois da unificação nacional.

O AUTOR
MARTIN KITCHEN é professor emérito de História na Simon Fraser University, no Canadá. Entre os seus livros estão Nazi Germany at War (1994), The Cambridge Illustrated History of Germany (1996), The German Offensives of 1918 (2001), The Third Reich: Charisma and Community (2008) e Rommel's Desert War: Waging World War II in North Africa, 1941-1943 (2009) 

 





UM LANÇAMENTO




 
 

Aqui América Latina Uma Especulação de Josefina Ludmer Tradução: Rômulo Monte Alto

Aqui América Latina Uma Especulação

de Josefina Ludmer

Tradução: Rômulo Monte Alto

Coleção: Humanitas
2013. 183 p. Dimensão: 22,3 X 15,5 X 1,0
Peso: 290 gramas

Este livro apresenta reflexões instigantes sobre o universo “real virtual” a que a autora chama de imaginação pública ou fábrica de realidade. Sua lógica é a da conexão e superposição de todo o visto e o ouvido; seu fio condutor, a produção literária contemporânea na América latina. 


Fernando Vallejo, Horacio Castellanos Moya, Martín Kohan, Perla Suez e Diamela Eltit definem uma forma específica de “realidadeficção”, que transita por novos territórios e temporalidades. Ao delinear com argúcia e sensibilidade crítica sua especulação, Josefina Ludmer nos oferece uma obra decisiva para se pensar a configuração cultural e política da atualidade.



LANÇAMENTO DA







DA VINCI PARA CRIANÇAS NA CAIXA CULTURAL CURITIBA



Máscaras e bonecos fazem parte da composição da peça que conta a história do pequeno Leonardo


A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, nos dias 3 e 4 de agosto (sábado e domingo), a peça infantil “Leonardo – O pequeno gênio Da Vinci”, escrito e dirigido por Ivan Fernandes. O elenco é composto por Paulo Mathias Jr. (que interpreta Leonardo), Flávia Lopes, Lola Nascimento Borges, Marcelo Dias dos Santos, Claudio Amado, Fábio Felix e Miguel Gama, que dão vida a personagens, animais e paisagens, com apoio de máscaras e bonecos.

A peça conquistou quatro categorias do prêmio carioca Zilka Sallaberry, sendo melhor ator para Paulo Mathias Jr., melhor texto, melhor direção e melhor espetáculo infantil do ano de 2011. A montagem conta a história de um garoto chamado Leonardo, morador do pequeno e atrasado vilarejo de Vinci, fascinado pelos pássaros e pela possibilidade de construir uma máquina de voar.

Longe de ser uma biografia, a peça revela um Leonardo jovem e sonhador, com olhar atento à vida e às descobertas do mundo. O espetáculo recorre à licença poética para contar a história do garoto, com o uso de máscaras, bonecos e sonoplastia. “As máscaras foram usadas na preparação dos atores, durantes os ensaios e no espetáculo são usadas pelo coro que se desdobra em diversos personagens maiores. Os bonecos foram usados para dar vida aos animais como pássaros, cachorro, burro, borboletas, todos interagindo com o menino Leonardo”, explica o diretor Ivan Fernandes.

O palco nu se transforma no vilarejo renascentista com um painel que vira fundo para projeções e sombras que lembram os velhos desenhos no caderno de Leonardo, instigando a imaginação e investindo na formação de uma sensibilidade poética na criança. Criada especialmente para a peça, a trilha sonora de Samanta Renó remete ao univer­so musical renascentista e sublinha os climas dramáticos e cômicos, simbolizando tam­bém a passagem do tempo. “Leonardo – O pequeno gênio Da Vinci” desenvolve a imaginação das crianças e maneiras novas para buscarem conhecimento.
     
Ficha Técnica:
Texto e direção: Ivan Fernandes
Direção de arte e movimento: Flávia Lopes
Elenco: Paulo Mathias Jr, Cláudio Amado, Flávia Lopes, Marcelo Dias, Lola Borges, Fábio Felix e Miguel Gama
Direção musical: Samantha Renó
Iluminação: Aurélio De Simoni
Figurino: Cris Muñoz e Tânia Tartarelli
Cenário e adereços: Alexandre Guimarães
Bonecos: Alexandre Guimarães e Marcos Nicolaiewsky
Máscara e assentos: Marise Nogueira e Gabriela Bardy
Produtor local: Guilherme Marks

Informações e entrevistas:
Lyvia Rodrigues - (21) 8061-5853

Serviço:
Teatro infantil: “Leonardo – O pequeno gênio Da Vinci”
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Data: 03 e 04 de agosto de 2013 (sábado e domingo)
Hora: sábado às 15h30 e às 18h e domingo às 15h30
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (conforme legislação e correntista CAIXA)
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta-feira das 12h às 20h, sábado das 13h30 às 18h e domingo das 13h30 às 15h30)
Classificação etária: Livre para todos os públicos
Capacidade: 125 lugares (2 para cadeirantes)