sábado, 20 de julho de 2013

ALMODÓVAR NA CAIXA CULTURAL CURITIBA

 


ALMODÓVAR NA CAIXA CULTURAL CURITIBA
 
Mostra reúne 19 longas-metragens do diretor espanhol e realiza debate sobre a sua obra
 
 
A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, de 25 a 31 de julho, a mostra “El Deseo – O Apaixonante Cinema de Pedro Almodóvar”, que reúne a cinematografia do diretor espanhol. A programação tem curadoria Sílvia Oroz, especialista na obra de Almodóvar, e do jornalista Breno Gomes, e conta com 19 filmes, incluindo todos os longas-metragens do diretor, e um documentário britânico sobre sua obra.
 
A mostra apresenta um cineasta que subverte o cinema e a estética, em busca de uma história emocionante, o que realmente faz de Almodóvar um diretor singular e, por vezes, visionário. O espanhol usou e abusou do melodrama unindo, com maestria, o culto e o popular, tratando de problemas comuns a todos, porém levados à última potência. “Para Almodóvar, o desejo está presente em todos os seus filmes. A mostra vem para homenagear um cineasta que tem fortes ligações com o Brasil, e cujos filmes são bastante esperados por aqui e que, como poucos, sabe tocar fundo na alma do espectador”, destaca Gomes.
 
“Pepi, Luci, Bom e outras garotas de montão”, “Matador” e “Maus Hábitos” marcam os primeiros anos do espanhol como cineasta. Foi com as obras “Mulheres à beira de um ataque de nervos”, “Ata-me” e “A Flor do meu Segredo” que se consagrou internacionalmente. A maturidade artística veio com “Carne Trêmula”, “Fale com Ela”, “Má Educação”, “Volver” e “A Pele que Habito”, o mais recente trabalho do diretor, fora o ainda inédito “Os Amantes Passageiros”.
 
O diretor:
Pedro Almodóvar chamou a atenção para a produção cinematográfica espanhola e para a produção underground, renovando o melodrama e abusando do kitsch, se tornando pop. Com o cineasta, a paixão ficou latente na tela e explodiu para fora dela. Mulheres, homens e travestis convivem juntos, de forma às vezes harmoniosa, às vezes efervescente. Almodóvar levou para o cinema, de forma respeitosa e ao mesmo tempo revolucionária, o que hoje se denominou confluência de gêneros. Todos os filmes realizados por ele foram lançados comercialmente no Brasil.
 
O primeiro filme de Almodóvar data de 1980 e, nos 30 anos que se seguiram, o jovem vindo do interior da Espanha se realizou profissionalmente, em uma efervescente Madri. Dirigiu 19 longas-metragens, até o momento. Almodóvar foi o primeiro espanhol a ser indicado ao Oscar de Melhor Diretor e é reconhecido mundialmente como o mais importante cineasta da Espanha, desde Luis Buñuel.
 
Debate:
Na terça-feira (30), às 20h, está programado o debate “Pedro Almodóvar – o diretor”, com a participação dos curadores e mediação do presidente da Fundação Cultural Curitiba, Marcos Cordiolli.
 
Programação:
25 de julho de 2013 (quinta-feira)
17h – Pepi, Luci, Bom e outras garotas de montão
19h – Labirinto de Paixões
21h – Maus Hábitos
 
26 de julho de 2013 (sexta-feira)
17h – Que eu fiz para merecer isto?
19h – Matador
21h – A Lei do Desejo
 
27 de julho de 2013 (sábado)
16h – Mulheres à beira de um ataque de nervos
18h – Ata-me!
20h – De Salto Alto
 
28 de julho de 2013 (domingo)
16h – Kika
18h30 – A Flor do meu Segredo
20h30 – Carne Trêmula
 
29 de julhode 2013 (segunda-feira)
17h – Tudo sobre minha mãe
19h – Fale com ela
21h – Volver
 
30 de julho de 2013 (terça-feira)
17h – Má Educação
19h – Tudo sobre o desejo – O apaixonante cinema de Pedro Almodóvar
20h – Debate “Pedro Almodóvar – o diretor” – com os curadores Silvia Oroz e Breno Lira Gomes e mediação de Marcos Cordiolli
 
31 de julho de 2013 (quarta-feira)
17h – Abraços Partidos
19h30 – Mulheres à beira de um ataque de nervos
 
 
Informações e entrevistas:
Ed Carlos Rocha
(41) 3024-2600 / (41) 9976-6435
 
Serviço:
Cinema: Mostra “El Deseo – o apaixonante cinema de Pedro Almodóvar”
Data: de 25 a 31 de julho de 2013 (quinta-feira a quarta-feira)
Hora: Consultar a programação
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de segunda a sexta-feira das 12h às 21h, sábado e domingo das 15h às 20h30)
Classificação etária: Consultar nos sites www.caixa.gov.br/caixacultural ou www.buendiafilmes.com/eldeseo
Lotação: 125 lugares (2 para cadeirantes)
 
Debate “Pedro Almodóvar – o diretor” com Silvia Oroz, Breno Lira Gomes e mediação de Marcos Cordiolli
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)
Data: 30 de julho de 2013 (terça-feira)
Hora: 20h
Inscrições: Entrada franca. Os ingressos devem ser retirados na bilheteria do teatro a partir das 18h
Classificação etária: Livre para todos os públicos
Lotação: 125 lugares (2 para cadeirantes)

NO GUAIRINHA ESPETÁCULO "NINGUÉM É DE NINGUÉM"











Ninguém é de Ninguém
Espetáculo emociona e faz levar para casa uma linda lição de vida.
Com mais de um milhão e meio de cópias vendidas em todo o país, a obra "Ninguém é de Ninguém" de Zíbia Gasparetto, pelo espírito Lúcius – em cartaz em São Paulo com adaptação e direção assinadas por Sergio Lelys, chega a Curitiba para duas apresentações no Teatro Guaíra, Auditório Salvador Ferrante (Guairinha).
Há quem pense que sentir ciúme é provar que se ama ardentemente. Até descobrir que ele transforma sua vida amorosa em dolorosa tragédia, que termina em amarga separação. O enredo torna evidente que, se fizermos as contas, perceberemos que sofremos mais com as pessoas que amamos do que com aquelas que nos odeiam. Distante da visão idealizada do amor, no enredo, o sentimento é retratado em diversas vertentes e mostra casos em que relacionamentos com ciúme se tornam um tipo de obsessão. O espetáculo emociona e o espectador leva para casa uma linda lição de vida.
“Ninguém é de Ninguém” é um espetáculo para as mais amplas e diferenciadas plateias, não havendo restrições de religiões, doutrinas ou crenças. A peça é um romance, uma história de superação na qual o público ri, se emociona e reflete sobre ciúmes, apego, traição e principalmente sobre o falso e o verdadeiro amor, percebendo-se que a vida afetiva é um constante exercício de autodomínio, e que só possuímos a nós mesmos, pois “Ninguém é de Ninguém”.
Zibia Gasparetto - Autora
Desde 1994, Zibia Gasparetto tornou-se uma das presenças mais assíduas nas listas dos livros mais vendidos. Segundo a pesquisa do Datafolha, só para citar uma delas, seus romances, pouco depois do lançamento, ocupavam o primeiro lugar, lá permanecendo vários meses. Zibia Gasparetto, durante quase quatro anos foi colunista da revista Contigo!, tendo alcançado muito sucesso sendo campeã de cartas. Quando resolveu parar, a pedido dos seus leitores, juntou as matérias da revista em um livro: “Zibia Gasparetto Conversando Contigo!” que foi lançado em 1997.
Atualmente, tem um programa na Rádio Mundial, (FM 95.7), que vai ao ar todas as quintas-feiras das 10 às 11 da manhã e que é reprisado às 24 horas, onde fala de espiritualidade e conversa com os ouvintes pelo telefone obtendo o mesmo sucesso dos seus livros. Suas Obras são: “Até que a Vida nos Separe”, “Entre o Amor e a Guerra”, “Esmeralda”, “Espinhos do Tempo”, “Laços Eternos”, “Ninguém e de Ninguém”, “O Advogado de Deus”, “O Amanhã a Deus Pertence”, “O Amor Venceu”, “O Matuto”, “Onde Está Tereza”, “Quando a Vida Escolhe”, “Quando Chega a Hora”, “Quando é Preciso Voltar”, “Sem Medo de Viver”, “Somos Todos Inocentes”, “Tudo Tem Seu Preço”, “Um Amor de Verdade”, “O Morro das Ilusões”, “O Fio do Destino”, “Espinhos do Tempo”, “Pelas Portas do Coração”, “A Verdade de Cada Um”, “Sem Medo de Viver”, “Nada é por Acaso”, “A Vida Sabe o que Faz” e a coletânia “O teatro de Zibia Gasparetto”.
Sergio Lelys - Adaptação e Direção
Ator, escritor e diretor, iniciou sua carreira 1987. Atuou durante seis anos no espetáculo “As Mentiras Que Os Homens Contam”, de Luis Fernando Veríssimo, onde participou de 12 temporadas em São Paulo, três no Rio de Janeiro e turnê pelo Brasil, além de temporadas em Portugal no Teatro Tivoli, em Lisboa, e no Coliseu na cidade do Porto. Na TV fez participações em “Malhação/2007” e em “Caminho das Índias” de Glória Perez (Rede Globo).
No teatro atuou em “Modos de Macho” – Xico Sá ( 2009), “As Malvadas” – Alessandro Marson (2007/2008), “As Mentiras que os Homens Contam” – Veríssimo (2002/2008), “A Ovelha Rebelde” – João Bethencourt (2006), “Solidão - A Comédia” – Vicente Pereira (2001/2002 ), “Cabaret Valentin” – Karl Valentin (1999) entre outros. Como adaptador assina os textos “ Ninguém é de Ninguém “ e a Comédia “ Les Homos Preferent Les Blondes”. Em parceria com Marisa Murray escreveu o texto “ Bem Mais que Amigos”.

SERVIÇO
Da obra de Zibia Gasparetto pelo espírito Lucius.
Adaptação e direção: Sergio Lelys
Elenco: Sergio Lelys, Beto Nasci, Márcia Fritoli, Giovanni Grecco, Nildá Araújo e Gerardo Franco.
Datas: 27 e 28 de julho
Horário: sábado às 21h e domingo às 19h
Local: Teatro Guaíra, Auditório Salvador de Ferrante (Guairinha)
Classificação etária: 12 anos
Duração: 80 minutos
Ingressos: R$ 80,00
Informações: (41) 3315-0808

Delírio/ Senhoromem de Enda Walsh



Delírio/ Senhoromem de Enda Walsh





 

Tradutor: Nuno Ventura Barbosa
Colecção: Teatro
Ano de Edição: 2013
ISBN: 978-972-8972-64-6

Sinopse

Delírio
Peça hilariante, brutal e trágica, uma radical interpretação de Os Irmãos Karamazov.

Mítia Estou de visita.
Fiódor Essa visita tem a ver com dinheiro?
Mítia Em parte.
Fiódor Atingiste a maioridade e queres o resto?


Senhoromem
Performance para um só actor que assenta na sugestão constante de violência iminente e fala sobre a ruptura física e mental.

THOMAS Não sei que tipo de criatura sou sem ti, Mamã. Parece que já tenho quase tudo acertado aqui. Quase. E, se o desejar com força suficiente, consigo mais ou menos ver o Papá ao teu lado no sofá, a ver os concursos de perguntas na tevê… E eu estaria sentado aos pés dele.
    Pausa.
    Às vezes sinto que o amor foi de férias… que, de algum modo, se escapou pela porta da frente para um sítio completamente diferente, Mamã.
    Pausa.
    Eu diria que vou chegar a casa muito tarde. Não vou fazer barulho nenhum.




Lançamento


Cinemateca apresenta mostra de filmes de Sylvio Back



A Cinemateca de Curitiba apresenta, de 24 a 28 de julho, a Semana em Homenagem a Sylvio Back, com a exibição dos principais filmes da carreira deste que é um dos cineastas mais premiados do país. Fazem parte da mostra os longas-metragens Lance Maior, Aleluia Gretchen, Revolução de 30, Guerra dos Pelados e Lost Zweig. Os filmes serão exibidos em duas sessões, às 16h e 20h, com entrada gratuita.
Filho de imigrantes, Sylvio Back nasceu em Blumenau (SC). É cineasta, poeta, roteirista e escritor. Começou sua carreira no cinema no início dos anos 60, em Curitiba. Nesses 50 anos, dirigiu e produziu 37 filmes, entre curtas, médias e longas-metragens. Suas obras receberam mais de 70 prêmios nacionais e internacionais. Em 2011, recebeu a insígnia de Oficial da Ordem do Rio Branco, concedida pelo Ministério das Relações Exteriores, pelo conjunto de sua obra cinematográfica.
Tendo como pano de fundo o panorama histórico e social do sul do Brasil, a filmografia de Sylvio Back se destaca pela sua característica autoral. O mais antigo entre os filmes da mostra, e o que fez Back despontar no cenário nacional, é Lance Maior (1968), uma obra de ficção, cuja ação é centrada em personagens jovens, de diferentes camadas sociais, na Curitiba do final dos anos 60. Estrelado por Reginaldo Farias, Regina Duarte e Irene Stefânia, a história permeia os dilemas da juventude da época – a descoberta amorosa, a Universidade, as baladas, o emprego, a família e a luta pela sobrevivência.
Na sequência do sucesso de Lance Maior, Back produziu A Guerra dos Pelados (1971), um drama de viés histórico, que se passa no período da Campanha do Contestado, no outono de 1913, no interior de Santa Catarina. A concessão de terras a uma companhia da estrada de ferro estrangeira para explorar suas riquezas por meio de uma serraria subsidiária, e a ameaça de redutos messiânicos de posseiros expropriados geram um sangrento conflito na região. Por exigência dos "coronéis", forças militares regionais e o Exército nacional intervêm. Mas, os "pelados" (assim chamados por rasparem a cabeça) se revoltam, protagonizando uma resistência à semelhança de Canudos. Com Stênio Garcia, Jofre Soares e Átila Iório, esse foi um dos seus filmes mais premiados, tendo sido inclusive indicado para o Festival der Berlim.  
A saga de uma família de imigrantes alemães que, fugindo do nazismo, vem se radicar numa cidade do sul do Brasil, por volta de 1937, é a base da trama de Aleluia, Gretchen (1978). Às vésperas e durante a II Grande Guerra, membros da família se envolvem com a Quinta Coluna e o Integralismo. Na década de 50, graças a ligações perigosas com o rescaldo da guerra, os Kranz são visitados por ex-oficiais da SS em trânsito para o Cone Sul. O filme tem no elenco os atores Carlos Vereza, José Maria Santos e Miriam Pires.
Destaca-se também, entre as suas produções, o documentário Revolução de 30 (1980), sobre o Movimento Getulista. Esse momento da história do Brasil é reconstituído com trechos de filmes antigos e relatos de historiadores, cientistas e políticos.
Um de seus últimos trabalhos é Lost Weig (2004), com Rudiger Vogler, Ruth Rieser e Renato Borghi. O filme mostra como foi a última semana de vida do escritor judeu austríaco Stefan Zweig, autor do livro Brasil, país do futuro, e de sua jovem mulher, Lotte, que, num pacto cercado de mistério, se suicidam em Petrópolis após o Carnaval de 1942, ao qual haviam assistido. Um gesto que ainda hoje, 70 anos depois, desperta incógnitas e assombro pela sua premeditação e caráter emblemático.

Serviço:
Semana em Homenagem a Sylvio Back
Local: Cinemateca de Curitiba (Rua Carlos Cavalcanti, 1.174 – São Francisco).
Datas e horários: de 24 a 28 de julho de 2013, às 16h e 20h.
Entrada franca.
Informações: (41) 3321-3252

Programação:

Dia 24 – 16h e 20h
LOST ZWEIG (BR, 2004 – 43’ – ficção – 16mm). Elenco: Rudiger Vogler, Ruth Rieser, Renato Borghi.
Classificação 12 anos

Dia 25 – 16h e 20h
A GUERRA DOS PELADOS (BR/PR, 1971 – 98’ – drama – 35mm). Elenco: Átila Iório, Jofre Soares, Stênio Garcia.
Classificação 12 anos

Dia 26 – 16h e 20h
REVOLUÇÃO DE 30 (BR/PR, 1980 – 122’ – documentário – 35mm)
Classificação 12 anos

Dia 27 – 16h e 20h
ALELUIA, GRETCHEN (BR/PR, 1976 – 118’ – ficção – 35mm).  Elenco: Carlos Vereza, José Maria Santos, Miriam Pires.
Classificação 12 anos

Dia 28 – 16h e 20h
LANCE MAIOR (BR/PR, 1968 – 100’ – ficção – 35mm). Elenco: Reginaldo Farias, Regina Duarte, Lota Moncada, Irene Stefânia, Isabel Ribeiro, Fernando Zeni, Joel de Oliveira, Maurício Távora, Edson D’Avila, Odelair Rodrigues, Sergio Bianchi.  
Classificação 14 anos

Intervenção no Espaço da Arte Urbana investiga textura e cores



A partir das 11h deste domingo (21), o Espaço da Arte Urbana (Galeria Júlio Moreira), uma das unidades da Fundação Cultural de Curitiba, abriga a intervenção Etologia Poética, resultado do trabalho dos artistas André Barroso e Tuca Kawai. A exposição permanece aberta à visitação do público até o dia 8 de setembro de 2013, às terças e quartas-feiras, das 13h às 18h, e de quinta-feira a domingo, no horário das 13h às 22h.  A entrada é franca.
As paredes do Espaço da Arte Urbana são suportes para pinturas, nas quais os artistas propõem uma pesquisa em arte sobre os acontecimentos dos seres vivos, investigando padrões, formas, texturas e cores. A mostra é parte de ações que já englobaram “sticker art” (modalidade de arte urbana que utiliza etiquetas adesivas), distribuição de adesivos e práticas de pintura, na rua e em ateliê. O projeto prevê, ainda, o lançamento de um catálogo em forma inovadora, no mês de setembro, antes do encerramento da exposição.
O encontro entre artistas que dominam diferentes linguagens das artes plásticas permitiu captar sutilezas da natureza, traçando caminhos com interseções poéticas.

Os artistas – Formado em Ciências Biológicas e especializado em Gestão dos Recursos Naturais, Tuca Kawai é artista autodidata, tendo realizado cursos de serigrafia, pintura e fotografia. Seu interesse transita por diversas áreas artísticas e do conhecimento, como intervenção urbana, arte contemporânea, educação, mobilidade e interações ecológicas, que são importantes referências para o desenvolvimento do seu trabalho atual.
Realizou a intervenção In Memorian (2012), em parceria com André Barroso, e também participou da ação Música Livre na Grande Bolha, no ArteBiciMob. Integrou as exposições coletivas Deslocamentos, na Bicicletaria Cultural de Curitiba, e de pintura coletiva no DeArtes da Universidade Federal do Paraná. Em parceria com o artista Bruno Machado, criou o cenário Kid Grafisco, no Teatro Lala Schneider.
Formado em Artes Visuais pela Faculdade de Artes do Paraná (FAP), mesma instituição pela qual obteve pós-graduação em Cinema, André Barroso também é graduado em Gravura pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Mineiro de nascimento, o artista está radicado em Curitiba desde 2001. Trabalha como professor de artes e responde pelo Curso Técnico de Audiovisual do Colégio Estadual do Paraná, além de desenvolver uma produção em artes visuais e vídeo.
A primeira exposição de André Barroso aconteceu em 2005, em Paranaguá (PR). Participou da exposição coletiva Linha da Alma, no Palacete dos Leões, em Curitiba, e da mostra Pintura como plano, no Museu de Arte de Blumenau – MAB, em Santa Catarina. Foi assistente de direção e montador do filme curta-metragem digital Cidade Sorriso.

Serviço:
Exposição Etologia Poética, com intervenções dos artistas André Barroso e Tuca Kawai.
Local: Espaço da Arte Urbana (Galeria Júlio Moreira – Largo da Ordem).
Data: de 21 de julho (abertura às 11h) a 8 de setembro de 2013.
Horário de visitação: às terças e quartas-feiras, das 13h às 18h, e de quinta-feira a domingo, no horário das 13h às 22h.
Entrada franca 

Portão Cultural recebe a arte digital do artista uruguaio Fernando Velazquez




O que há por trás de uma imagem? Uma lembrança, uma sensação? É por meio desses questionamentos que o artista uruguaio Fernando Velazquez traça a performance audiovisual intitulada Mindscapes, que será apresentada às 19h30 desta terça-feira (23), no Portão Cultural. A proposta de Velazquez é fazer uma viagem para dentro da mente, onde as imagens são modificadas e construídas por meio de diversas interações como o som e a luz.   
Velazquez explica que a performance audiovisual consiste em uma apresentação única, que usa uma base de dados para criar imagens e sons em tempo real. “Procuro criar um imaginário de como funciona nossa cabeça, com as conexões entre os neurônios e a mudança contínua da memória”, afirma. O artista também esclarece que a expressão da Arte Digital funciona de forma diferente das Artes Plásticas. “Trabalho com a arte generativa, que sempre se apresenta de maneira diferente, assim como nossos pensamentos e lembranças”, complementa.
Logo após a performance, acontece uma mesa-redonda sobre a produção da Arte Digital, vista pelo prisma dos trabalhos contemplados no 1º Edital de Arte Digital da Fundação Cultural de Curitiba. Na mesa, Velasquez e Denise Bandeira serão interlocutores da pesquisa e da produção dos processos criativos. Também estarão presentes os artistas já contemplados pelos editais, Fábio Alves e Lúcio Araújo, ao lado de artistas que tiveram seus trabalhos expostos no primeiro semestre de 2013, como Inara Vidal e Mainês Olivetti.
Para a coordenadora de Artes Visuais da FCC, Marili Azim, é importante criar eventos que permitam o acesso e que gerem reflexões em torno da Arte Digital. “É uma maneira de articular e revelar a produção local na área”, explica.

Serviço:
Performance audiovisual Mindscapes, com o artista uruguaio Fernando Velazquez, seguida de mesa-redonda sobre a produção de Arte Digital.  
Local: Auditório Antônio Carlos Kraide do Portão Cultural (Av. República Argentina, 3.430 – Portão).
Data e horário: dia 23 de julho de 2013 (terça-feira), com a performance às 19h30, e a mesa-redonda tendo início às 20h.
Entrada franca.

Tagore estreia clipe na web


Vídeo de “Ilhas Cayman” traz uma divertida crítica às falcatruas armadas pelos políticos

A banda pernambucana Tagore acaba de disponibilizar o videoclipe “Ilhas Cayman”, faixa do álbum “Movido a Vapor”, na web. Gravado em Siegen, na Alemanha, e nas ruas do centro do Recife, com direção de Micha Rudolph e Eduardo Pereira, o vídeo traz uma divertida crítica às diversas armações criadas pelos homens que governam o nosso país.

Criada no ano de 2010 por Tagore Suassuna e pelo multi –instrumentista João Cavalcanti, a banda Tagore foi a vencedora da última edição do Festival Pré AMP e lança o novo disco, em breve.

Com influências de artistas como Beatles, Raul Seixas e Tom Zé, a Tagore é formada por Tagore Suassuna, João Cavalcanti, Diego Dornelles, Gustavo Perylo e Caramurú Baumgartner.

No próximo dia 26 (sexta), às 19h10, a banda toca no Festival de Inverno de Garanhuns, em Pernambuco, no Palco Pop.


Para assistir ao clipe acesse: https://vimeo.com/channels/cosmicatv/70478321

Qual Educação queremos: O que uma Escola Reflexiva precisa?



 

É inegável que vivemos um tempo que apresenta necessidades essenciais para a convivência entre 
as pessoas. Tempo em que a comunicação é instantânea, e as pessoas não conseguem dialogar, 
discutir ideias, ter paciência e colocar-se no lugar
do outro.
Somando-se a isso e a outros fatores, educadores e escolas entram na “onda da moda”, colocada por
 grandes corporações e grupos empresarias, de que educar hoje é só oportunizar para os aparatos e, 
em alguns casos, espera-se que 
quinquilharias tecnológicas (entendam aqui os tablets, lousas digitais, smartfones, livros digitais...) 
façam a diferença na aprendizagem.
Porém, os grandes educadores de todos os tempos já deixaram legados do que é e como educar. 
Estão presentes na memória e, mais do que nunca, sendo necessários. Precisamos abrir espaços cada vez maiores para o diálogo que..