quarta-feira, 7 de outubro de 2015

OFICINAS GRATUITAS PARA PAIS E FILHOS MOVIMENTAM MÊS DAS CRIANÇAS NA CAIXA CULTURAL CURITIBA



Público infantil e adulto poderá aprender técnicas de confecção de pipas e origami no dia 17 de outubro. Inscrições vão até o dia 09 de outubro

A CAIXA Cultural Curitiba, por meio do Programa Educativo Gente Arteira, oferece duas oficinas destinadas ao público infantil e aos pais no mês das crianças. A oficina de construção de pipas e a de origami serão ministradas no dia 17 de outubro, sábado. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 09 de outubro pelo e-mail caixacultural08.pr@caixa.gov.br.

Na Oficina de Construção de Pipas, pais e filhos terão a oportunidade de interagir aprendendo a arte da montagem da clássica pipa de três varetas revestidas por papel de seda. O encontro será ministrado pela produtora cultural e designer gráfica Giusy Duarte.

Crianças e adultos também poderão aprender os conhecimentos básicos da arte milenar japonesa de dobraduras em papel. A Oficina de Origami contará com as lições de Yurie Handa, formada em Desenho Industrial e que apresenta em seu currículo diversos cursos de origami realizados no Japão.

Mês das crianças na CAIXA Cultural Curitiba
O mês de outubro conta com mais atrações para o público infantil. Nos dias 17 e 18 de outubro, a CAIXA Cultural Curitiba apresenta o espetáculo O menino que mordeu Picasso. A peça conta a história verídica de uma amizade entre um garoto curioso e um dos artistas mais importantes do mundo. Os ingressos começam a ser vendidos na bilheteria do espaço a partir do dia 10 de outubro.

Já com ingressos esgotados, o projeto Música pra gente miúda reúne os grupos Barbatuques, Banda Mirim e A Banda Mais Bonita da Cidade para shows especiais dedicados às crianças, de 09 a 11 de outubro.


Serviço:
Oficina de Construção de Pipas.
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Sala de Oficinas - Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba - PR
Data: 17 de outubro de 2015
Hora: sábado, das 09 às 12h
Inscrições: gratuitas de 5 a 9 de outubro pelo endereço caixacultural08.pr@caixa.gov.br
Vagas: 20 (sendo 10 para pais e 10 para filhos)
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 06 anos

Oficina de Origami
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Sala de Oficinas - Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba - PR
Data: 17 de outubro de 2015
Hora: sábado, das 14 às 16h
Inscrições: gratuitas de 5 a 9 de outubro no endereço caixacultural08.pr@caixa.gov.br
Vagas: 20 ( sendo 10 para pais e 10 para filhos)
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 06 anos

Espetáculo sobre Clarice Lispector faz estreia nacional em Curitiba



Peça com atriz Rita Elmôr será apresentada no Teatro Bom Jesus nos dias 7 e 8 de novembro

"Clarice e eu. O mundo não é chato" é uma adaptação para o teatro de textos de Clarice Lispector, feita por Rita Elmôr. Textos autorais da atriz também são inseridos ao longo da peça. Inicialmente, a atriz conta como iniciou a carreira interpretando Clarice Lispector em um monólogo, e como as suas fotos têm sido, até os dias de hoje, constantemente confundidas com as fotos da escritora, chegando mesmo a estampar capas de revistas especializadas em literatura. O espetáculo será apresentado em Curitiba nos dias 7 e 8 de novembro no Teatro Bom Jesus e os ingressos já estão disponíveis no site www.diskingressos.com.br.

De forma quase imperceptível, o texto da atriz funde-se aos textos da escritora, e o fato inusitado da imagem de uma ser confundida com a imagem da outra se reproduz no plano linguístico. A adaptação priorizou os textos em que Clarice revela, com seu humor inteligente, maneiras mais criativas de levar a vida. Em nenhum momento a vemos falar sobre literatura ou sobre suas angústias existenciais. O recorte escolhido foi o do comportamento humano diante de situações constrangedoras e engraçadas.

É uma peça leve, que afirma a vida e causa boas reflexões. A intenção desse espetáculo, além de ressaltar a faceta mais engraçada de Clarice Lispector, ainda pouco explorada, é a de transmitir alegria de viver com as pequenas coisas.

Sobre o processo
Em 1998 a atriz Rita Elmôr fez um monólogo com textos de Clarice Lispector intitulado "Que Mistérios têm Clarice,” que privilegiou o processo de criação da escritora.  Nesse espetáculo, que foi a primeira peça profissional de sua carreira, ela foi indicada para o prêmio Shell.

Dezessete anos depois surgiu a ideia de remontar o espetáculo, e com essa reaproximação aos textos de Clarice Lispector, ficou claro que um outro recorte da obra da autora se tornara o caminho.

A ideia agora foi utilizar como base da encenação o livro de crônicas "A Descoberta do Mundo.” As crônicas, originalmente publicadas aos sábados no Jornal do Brasil, tratava de assuntos diversos. Ela discutia acontecimentos de uma época de grande efervescência cultural (1969 a 1973) e filosofava sobre a existência, mas também escrevia sobre temas prosaicos que observava em seu cotidiano. O relato da atriz sobre a sua experiência na primeira montagem serve como ponto de partida para uma nova tradução de Clarice.

Na peça “Que Mistérios têm Clarice”, a caracterização física da intérprete e a biografia da escritora eram pontos marcantes. Agora o caminho é outro, o tema da nova montagem é o amor, a afirmação da vida. A atriz e a autora se misturam em suas experiências, deixando o espectador atento para captar o olhar generoso e agudo de Clarice.

Serviço:
"Clarice e eu. O mundo não é chato"
Dia 7 de novembro, às 21h, e 8 de novembro, às 20h.
Local: Teatro Bom Jesus (Rua 24 de Maio, 135. Centro. Curitiba-PR)
Ingresso: R$ 86,00 (inteira), R$ 46,00 (meia), disponível em 
www.diskingressos.com.br.
Informações: 41 3273-1200 e 9611-5622

Texto: Clarice Lispector
Adaptação: Rita Elmôr
Elenco: Rita Elmôr
Direção: Rubens Camelo
Produção: Oxigene Cultural
Figurino: Mel Akerman
Cenário e Iluminação: Paulo Denizot
Assessoria de imprensa: Diogo Cavazotti Comunicação
Realização: Oxigene Cultural.
Parceiros: Doc Brazil, Claure Comunicação, Aladdin.
Apoiadores: Piola, Hotel Centro Europeu, Mezanino das Artes, Lugana Tratoria.

Espetáculo sobre Clarice Lispector faz estreia nacional em Curitiba



Peça com atriz Rita Elmôr será apresentada no Teatro Bom Jesus nos dias 7 e 8 de novembro

"Clarice e eu. O mundo não é chato" é uma adaptação para o teatro de textos de Clarice Lispector, feita por Rita Elmôr. Textos autorais da atriz também são inseridos ao longo da peça. Inicialmente, a atriz conta como iniciou a carreira interpretando Clarice Lispector em um monólogo, e como as suas fotos têm sido, até os dias de hoje, constantemente confundidas com as fotos da escritora, chegando mesmo a estampar capas de revistas especializadas em literatura. O espetáculo será apresentado em Curitiba nos dias 7 e 8 de novembro no Teatro Bom Jesus e os ingressos já estão disponíveis no site www.diskingressos.com.br.

De forma quase imperceptível, o texto da atriz funde-se aos textos da escritora, e o fato inusitado da imagem de uma ser confundida com a imagem da outra se reproduz no plano linguístico. A adaptação priorizou os textos em que Clarice revela, com seu humor inteligente, maneiras mais criativas de levar a vida. Em nenhum momento a vemos falar sobre literatura ou sobre suas angústias existenciais. O recorte escolhido foi o do comportamento humano diante de situações constrangedoras e engraçadas.

É uma peça leve, que afirma a vida e causa boas reflexões. A intenção desse espetáculo, além de ressaltar a faceta mais engraçada de Clarice Lispector, ainda pouco explorada, é a de transmitir alegria de viver com as pequenas coisas.

Sobre o processo
Em 1998 a atriz Rita Elmôr fez um monólogo com textos de Clarice Lispector intitulado "Que Mistérios têm Clarice,” que privilegiou o processo de criação da escritora.  Nesse espetáculo, que foi a primeira peça profissional de sua carreira, ela foi indicada para o prêmio Shell.

Dezessete anos depois surgiu a ideia de remontar o espetáculo, e com essa reaproximação aos textos de Clarice Lispector, ficou claro que um outro recorte da obra da autora se tornara o caminho.

A ideia agora foi utilizar como base da encenação o livro de crônicas "A Descoberta do Mundo.” As crônicas, originalmente publicadas aos sábados no Jornal do Brasil, tratava de assuntos diversos. Ela discutia acontecimentos de uma época de grande efervescência cultural (1969 a 1973) e filosofava sobre a existência, mas também escrevia sobre temas prosaicos que observava em seu cotidiano. O relato da atriz sobre a sua experiência na primeira montagem serve como ponto de partida para uma nova tradução de Clarice.

Na peça “Que Mistérios têm Clarice”, a caracterização física da intérprete e a biografia da escritora eram pontos marcantes. Agora o caminho é outro, o tema da nova montagem é o amor, a afirmação da vida. A atriz e a autora se misturam em suas experiências, deixando o espectador atento para captar o olhar generoso e agudo de Clarice.

Serviço:
"Clarice e eu. O mundo não é chato"
Dia 7 de novembro, às 21h, e 8 de novembro, às 20h.
Local: Teatro Bom Jesus (Rua 24 de Maio, 135. Centro. Curitiba-PR)
Ingresso: R$ 86,00 (inteira), R$ 46,00 (meia), disponível em 
www.diskingressos.com.br.
Informações: 41 3273-1200 e 9611-5622

Texto: Clarice Lispector
Adaptação: Rita Elmôr
Elenco: Rita Elmôr
Direção: Rubens Camelo
Produção: Oxigene Cultural
Figurino: Mel Akerman
Cenário e Iluminação: Paulo Denizot
Assessoria de imprensa: Diogo Cavazotti Comunicação
Realização: Oxigene Cultural.
Parceiros: Doc Brazil, Claure Comunicação, Aladdin.
Apoiadores: Piola, Hotel Centro Europeu, Mezanino das Artes, Lugana Tratoria.

AMIZADE ENTRE PICASSO E GAROTO DE SEIS ANOS VIRA ESPETÁCULO INFANTIL NA CAIXA CULTURAL CURITIBA

O menino que mordeu Picasso, em cartaz nos dias 17 e 18 de outubro, mostra divertidas conversas entre o artista espanhol e uma criança

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, nos dias 17 e 18 de outubro, o espetáculo O menino que mordeu Picasso. A peça, que faz parte da programação do mês das crianças, conta a história verídica de uma amizade entre um garoto curioso e um dos artistas mais importantes do mundo.

O nome do espetáculo dá início ao enredo. A história narra o encontro do jovem Antony, de seis anos de idade, que morde Pablo Picasso (1881 – 1973) ao encontrá-lo em um atelier durante as férias do artista, na Inglaterra. O pintor e escultor, de forma divertida, resolve devolver a mordida e começar uma amizade com o garoto. Em alguns momentos do roteiro, fica a impressão de que Antony é o próprio artista, ainda criança.

O espetáculo mostra a influência da infância na vida do espanhol, que certa vez disse a frase “passei a vida tentando aprender a pintar como uma criança”. O encontro entre os dois destaca a relação entre um adulto consagrado em seu auge artístico e o olhar ingênuo do criativo garoto.

A montagem que chega a Curitiba é escrita e dirigida por Marcelo Romagnoli, livremente inspirada no livro homônimo e verídico do inglês Antony Penrose. A atuação de Fábio Espósito interpretando Picasso recebeu dois importantes prêmios nacionais em 2012: o APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte e o Prêmio Femsa de Teatro, ambos na categoria Melhor Ator. Rodrigo Pavon completa o elenco como o garoto.

Com o cenário inspirado nas obras do artista, o público tem a impressão de estar dentro de uma obra do pintor. As referencias a Espanha e a trilha sonora ajudam a compor o ambiente. Para tornar a experiência do público ainda mais completa, o hall de entrada da CAIXA Cultural Curitiba receberá uma exposição sobre a vida e obra de Picasso.

História verídica
Antony Penrose, autor do livro, de fato conviveu com Picasso. Seus pais eram grandes amigos do pintor espanhol, que passou uma temporada na fazenda da família, na Inglaterra, na década de 1950. O encontro voltou a acontecer posteriormente, na França.




Serviço:
Teatro: O menino que mordeu Picasso
Local: CAIXA Cultural Curitiba - Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba - PR
Data: 17 e 18 de outubro de 2015
Hora: sábado e domingo, às 15h e 17h
Ingressos: vendas a partir de 10 de outubro (sábado). R$ 10 e R$ 5 (meia - conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA. A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura)
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sábado, das 12h às 20h, e domingo, das 14h às 19h)
Classificação etária: livre para todos os públicos
Lotação máxima: 125 lugares (dois para cadeirantes)


Lançamento | Fernanflor | Sidney Rocha | Iluminuras | Recife


Jaloo lança clipe de "Ah! Dor!"



Depois do sucesso do EP “Insight”, que misturou elementos psicodélicos, bass music e toques de brega, Jaloo foi para trás das câmeras para dirigir o videoclipe de "Ah! Dor!" https://www.youtube.com/watch?v=uexsd00ep40&feature=youtu.be  - música que estará em seu primeiro álbum de estúdio a ser lançado em breve pela Skol Music com direção artística de Carlos Eduardo Miranda.

No clipe, o corpo de Jaloo ganha movimentos involuntários e inesperados a partir de uma filmagem especial. "Essa foi uma ideia que eu tive em 2012, de fazer um clipe no qual os movimentos de cada membro do corpo sejam gravados em separado, pra juntar depois na pós-produção. Foi muito tempo pra rolar e ver isso de verdade, na tela, é muito bom, me deixa muito feliz. Antes do clipe existir tudo não passava de um pensamento, foi um tiro no escuro, então foi uma loucura no sentido de fazer dar certo e fazer os outros profissionais envolvidos enxergarem que poderia rolar", explica Jaloo.

Usando chroma key e programação em 3D, Jaloo assinou a direção do clipe e se cercou de um time que compartilhasse sua visão estética. "Foi bem isso mesmo - chroma key, 3D e látex de sex shop hahahaha! A programação e montagem do "boneco" ficou por conta da Isadora Stevani - minha editora de mão cheia, ela montou a edição de insight, que ficou bem bafo, e como ela acertou no primeiro e agora nesse, vamos caminhar juntos por um bom tempo. O Vitor Nunes cuidou da maquiagem e roupas, e, meu best uber fotografo Junior Franch - ele fez a capa do disco também - assinou a fotografia do vídeo. Detalhe, gravamos cada pedaço em 1080 full HD. Então quando juntamos os pedaços o vídeo ficou gigantesco!", conta ele.

A carreira de Jaloo começou a estourar na web em meados de 2010, decolando com covers de hits como “Back to Black”, de Amy Winehouse, e “Oblivion”, de Grimes, além de mashups, reconstruções e releituras de clássicos a partir de uma pegada pop e divertida. Hoje, o artista leva no bolso o sétimo lugar na lista de Melhores Músicas Nacionais de 2014 da revista Rolling Stone por “Insight”, uma turnê internacional com apresentações no festival catalão Primavera Sound e um disco de inéditas que chega ainda este ano.

Mais informações: http://www.skol.com.br/music/

exposição ILLUSTRE | Casa de Rui Barbosa 08.10




Política fiscal, crescimento econômico e ajuste



A relação entre a política fiscal, (atualmente conduzida sob a égide de um projeto de “ajuste fiscal”) e o crescimento econômico é tema recorrente do debate público nacional e da declaração de autoridades econômicas do governo. Os defensores do “ajuste” argumentam que para alcançar o ajuste fiscal, ou seja, para fazer com que as despesas cresçam menos que as receitas, é preciso reduzir os gastos do governo, cortando investimentos e transferências sociais, seja por meio de redução dos gastos discricionários, seja através de aprovação de reformas constitucionais que reduzam os gastos obrigatórios. Segundo esta proposta, estes cortes de gastos levariam ao equilíbrio entre receitas e despesas, ajustando as contas públicas. Com o ajuste fiscal alcançado, os investidores privados se sentiriam mais confiantes e voltariam a investir na economia brasileira, fazendo o país voltar a crescer. Ou seja, o ajuste fiscal aparece como condição para a retomada do crescimento, necessário para a recuperação da confiança e indutor do investimento privado.

Os críticos da estratégia do “ajuste” atual argumentam o oposto: a redução dos investimentos públicos e dos gastos sociais aprofundam a recessão, reduzindo as receitas públicas e impedindo que se alcance o desejado equilíbrio fiscal. Mesmo que se consiga lograr a redução do déficit público, isso se dará às custas de uma profunda recessão, que não traz consigo nenhum elemento que indique a retomada futura do crescimento. Os empresários investem por que acreditam que haverá demanda por seus produtos, não por que têm confiança na condução das finanças públicas. Ou seja, a retomada do crescimento econômico é condição para alcançar o equilíbrio fiscal, e o investimento público tem papel decisivo na retomada da atividade.

Esta última posição é defendida hoje por economistas do FMI, além de economistas “nobéis” como Paul Krugman e Joseph Stiglitz. Em recentes estudos, o FMI demonstrou que “ajustes fiscais” em meio à recessão podem provocar efeitos negativos no curto e no longo prazo, defendendo abertamente a utilização dos investimentos públicos como forma de recuperação do crescimento econômico, dada sua elevada capacidade de acelerar e multiplicar a renda. Este mesmo debate foi travado nos últimos anos na Europa, que ainda vive os efeitos negativos dos ajustes fiscais baseados no corte de gastos públicos, e nos EUA, onde o presidente do FED afirmou nesta terça-feira, 6, que o Congresso Americano não ajuda na recuperação do país ao bloquear a política fiscal e a expansão dos investimentos públicos. Curiosamente, no caso brasileiro, aqueles que ousam defender tais proposições, amparados pelas análises dos resultados negativos do ajuste fiscal recente, são tachados de irresponsáveis, comprovando a tentativa de bloqueio por parte de setores da mídia ao debate de alternativas que vivemos hoje.

* As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade de seu autor, não representando a visão da FPA ou de seus dirigentes.




FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO

série Memória e informação | Casa de Rui Barbosa 07.10



Fóruns de cultura participam de audiência pública sobre nova Lei de Incentivo


 

Nesta quarta-feira (07), acontece a audiência pública para que os representantes dos fóruns setoriais de cultura da cidade possam discutir e oferecer sugestões sobre a nova Lei de Incentivo à Cultura. O encontro será na Casa Hoffmann – Centro de Estudos do Movimento, a partir das 19h.
Esta será a segunda audiência pública sobre a lei (a primeira foi realizada no dia 26 de setembro). A minuta também se encontra na segunda fase de consulta pública online. Além da minuta original, nesta fase a população pode conhecer e opinar sobre as sugestões de alterações colhidas durante a primeira fase. Este processo ficará disponível para participação até o dia 12 de outubro.
            O processo de elaboração da nova Lei Municipal de Incentivo à Cultura tem privilegiado a ampla participação da população e da classe artística. A primeira fase de consulta pública contou com 318 sugestões de alterações. Foi a maior participação desde que a Fundação Cultural de Curitiba instituiu as consultas públicas em seus editais e propostas de leis, em 2013.
 Além disso, a proposta de lei, apresentada pelo Conselho Municipal de Cultura, teve como base dados que vêm sendo coletados, debatidos e estudados desde 2013. Informações coletadas em audiências públicas, reuniões com fóruns e entidades artísticas, consultas públicas de editais e conferências municipais foram compiladas e consideradas na redação da nova lei.
            No dia 17 de outubro, o Conselho Municipal de Cultura se reunirá para aprovar o texto final que será encaminhado para a Câmara Municipal. A minuta original, as devolutivas da primeira fase e as sugestões de alteração recebidas podem ser acessadas aqui: 
Para enviar sua contribuição à minuta, o participante pode preencher um formulário online, mas as sugestões também podem ser enviadas através de mensagens "Inbox" no Facebook da FCC (www.facebook.com/fundacaoculturaldecuritiba), protocoladas diretamente na sede da instituição (Rua Engenheiros Rebouças, 1732) ou enviadas pelo e-mail paicconsulta@fcc.curitiba.pr.gov.br.

Serviço:
Audiência pública dos fóruns setoriais de cultura sobre a nova Lei de Incentivo à Cultural de Curitiba.
Local: Casa Hoffmann – Centro de Estudos do Movimento (R. Claudino dos Santos, 58 – São Francisco)
Data e horário: 7 de outubro de 2015 (quarta-feira), às 19h

Hamilton de Holanda apresenta show gratuito na Boca Maldita



No próximo sábado (10), a Boca Maldita recebe mais uma edição do programa Cultura na Rua, desta vez com o premiado bandolinistaHamilton de Holanda, que vem à cidade com a turnê do disco “Pelo Brasil”, a partir das 19h. O novo projeto é um retrato da diversidade musical brasileira e consiste na concepção, criação e circulação de um concerto multimídia. Os cantores, poetas e compositores paranaenses Luiz Felipe Leprevost e Troy Rossilho abrem o palco, a partir das 13h. A turnê é contemplada pelo programa Petrobras Cultural.

Compositor e criador da técnica polifônica do bandolim brasileiro de 10 cordas, o músico é um dos poucos no mundo com recursos para fazer um espetáculo solo do instrumento. Com repertório baseado em composições autorais como “Carimbobó”, “O jumento e a capivara”, “Sambaíba”, “O Amor e a canção”, “A escola e a bola”, “Chama lá” e “Frevinho”, o projeto propõe uma travessia musical interativa que exalta ritmos brasileiros como o choro, o baião, o maracatu, o samba, o bumba-meu-boi, a moda de viola e o chamamé.

“Pelo Brasil” é um espetáculo que mistura música, textos e projeções, possibilitando ao espectador uma experiência singular, como no momento em que Hamilton interage com sua própria imagem de quando era uma criança de apenas 6 anos. Outro ponto alto é a criação ao vivo de uma música. O show tem direção geral de Marcos Portinari, interferências sonoras de Frango Kaos, design de luz de Marina Stoll, imagens do VJ Boca e arte de Fernando Salles. 

Hamilton de Holanda – Transgressor do instrumento e criador de uma técnica revolucionária, o bandolinista contagia plateias em turnês pelo mundo, conquistando prêmios com sua música focada na beleza e na espontaneidade. O músico une tradição e modernidade passando por diferentes formações (solo, duo, quinteto, orquestra). Hamilton está em constante produção e enfileira 28 lançamentos em 18 anos de profissão.

Ao lado de seu empresário e parceiro, Marcos Portinari, estreiam Pelo Brasil, na sequência de três grandes lançamentos bem recebidos pela crítica e púbico: “Caprichos”, projeto solo que sintetiza seu trabalho como compositor, que foi indicado ao 15º Grammy Latino entre os melhores discos de música instrumental; “Bossa Negra”, parceria inédita com o cantor Diogo Nogueira e “Hamilton de Holanda e O Baile do Almeidinha”, fruto da gafieira contemporânea que há três anos ocupa o Circo Voador. Hamilton ganhou em junho o Prêmio da Música em duas categorias com o disco “Trio”, ao lado de Thiago da Serrinha e André Vasconcellos.

Conheça mais o trabalho dele: https://www.youtube.com/watch?v=sTjioa9F86c

Show de abertura – Os cantores, poetas e compositores paranaenses Luiz Felipe Leprevost e Troy Rossilho sobem ao palco juntos para a apresentação de abertura. Rossilho é o idealizador do projeto No Estúdio do Troy, em parceria com a Whata F! Filmes e Chico Santarosa. Leprevost, além de músico e poeta, atua como ator, diretor e dramaturgo. Na área musical, desenvolve atualmente um trabalho autoral. Acabou de compor e gravar álbum em parceria com Katia Drummond e Ricardo Verocai (banda MUV). Ambos têm canções que fazem parte do repertório de A Banda Mais Bonita da Cidade. Ambos participam do movimento de compositores da atual cena curitibana.

Cultura na Rua  O programa é uma iniciativa da Fundação Cultural de Curitiba que leva espetáculos culturais gratuitos para as ruas da cidade, mais especificamente para a Boca Maldita. O superintendente da FCC, Igor Cordeiro, explica que o projeto une sempre atrações de qualidade em parceria com empresas e outras instituições. "Desta forma podemos atingir um público mais amplo e proporcionamos, de forma gratuita, tardes de muita boa música para os curitibanos", diz.

Serviço: 
Programa Cultura na Rua
Data: 10 de outubro
Luiz Felipe Leprevost e Troy Rossilho
Horário: 13h
Hamilton de Holanda, turnê do disco “Pelo Brasil”
Horário: 19h
Local: Boca Maldita – Centro
Evento gratuito

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Dança e cultura pop: espetáculo faz temporada gratuita no mês das crianças em Curitiba


“KODAK”, do coreógrafo curitibano Neto Machado, faz três apresentações abertas ao público e treze para grupos escolares que ainda podem agendar sessões gratuitas


Foto: Alessandra Haro

O espetáculo de dança contemporânea “Kodak” ficará em cartaz em Curitiba ao longo do mês das crianças, com sessões abertas ao público nos últimos três domingos de outubro (11, 18 e 25) na Sala Londrina, no Memorial de Curitiba, no Largo da Ordem. A temporada tem o apoio do Fundo Municipal de Cultura de Curitiba. A entrada é gratuita e o espetáculo ainda faz treze apresentações para grupos escolares, também ao longo desse mês. As instituições que tiverem interesse podem entrar em contato com a produção do espetáculo agendar a ida de seus alunos em sessões durante a semana, também gratuitas.

A montagem tem classificação indicativa livre, mas foi pensada para conversar especialmente com os adolescentes e pré-adolescentes, e também tem sido muito bem recebida pelas crianças. Trazendo referências do universo da cultura pop, sobretudo de desenhos animados e super-heróis, o coreógrafo e performer do espetáculo Neto Machado conduz o público de maneira divertida e espontânea sempre através do movimento.

O espetáculo Kodak estreou há quatro anos em São Paulo e já foi apresentado nos mais importantes eventos de dança do país, mas nunca ficou em cartaz na cidade natal de seu criador. Kodak é um espetáculo com classificação livre interessado em aproximar do universo da dança contemporânea um público geralmente esquecido por ela: os adolescentes e pré-adolescentes

KODAK, de Neto Machado
Dias 11, 18 e 25 de outubro de 2015
Horário: 13h
Local: Sala Londrina (Memorial de Curitiba, Largo da Ordem)
Agendamento para grupos: (41) 8780-1342 ou mcbordini@gmail.com 
ENTRADA FRANCA

Pé no Palco e Mataveri Cultural promovem temporada de espetáculos



Opções para crianças e adultos serão apresentadas na Livraria Cultura, em Curitiba, durante o mês de outubro

Três espetáculos que foram recentemente apresentados em Curitiba voltam em cartaz em curta temporada no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura. As peças, que fazem parte do repertório das companhias Pé no Palco e Mataveri Cultural, são destinadas ao público adulto (Ensaio para um Adeus Inesperado e O Incrível Menino Preso na Fotografia) e infantil (O Negrinho do Pastoreio). As apresentações serão realizadas durante todo o mês de outubro e os ingressos custam R$ 30 e R$ 15.

O espetáculo “O Incrível Menino Preso na Fotografia” é um relato da história recente do país do ponto de vista de um estudante da escola pública dos anos 1970 que, desde então, está preso na clássica fotografia tirada sobre a escrivaninha. Por um lado confortável e por outro infeliz, ele está decidido a esperar pela chegada do futuro radioso e pelo dia em que as promessas serão cumpridas. O texto também fala da falta de ação, da frustração, da opção feita pelo personagem por deixar de fazer. A direção é de Fátima Ortiz e a dupla de atores é composta por Daniel Valenzuela e Troy Rossilho. O texto é de Fernando Bonassi.

Outra opção para o público adulto é “Ensaio para um Adeus Inesperado”, que integrou a Mostra Oficial do Festival de Curitiba. O texto aborda questões existenciais profundas que se desdobram nas narrativas de uma mãe, cujo filho se matou sem deixar nenhum bilhete, e de um filho que rememora suas experiências mais íntimas decidindo-se ir embora. Pleno de delicadeza, estranhamentos e com uma densidade que não se afrouxa nunca, o texto de Sergio Roveri, em sua voz autoral tão singular, nos convida a vivenciar o embate entre a força da vida e a força da morte. A montagem enaltece o valor do ator/atriz, como os grandes responsáveis pelo patrimônio emocional da humanidade. No palco estão os atores Pedro Bonacin e Fátima Ortiz, dirigidos por José Simões e Jean Carlos Sanchez.

Para as crianças a opção é "O Negrinho do Pastoreio". Esta é uma história que se passa lá nos terrenos verdes do pampa. O menino Querêncio se deu conta de que perdeu um objeto muito, muito importante. A madrinha Clarice sabe quem poderá ajudá-lo: o Negrinho do Pastoreio! Ele é um menino bastante ligeiro, mas uma vez ele também perdeu o cavalo baio do Estancieiro. Com a ajuda da Nossa Senhora, o Negrinho vai resolver toda essa história. Direção de Jean Carlos Sanchez e atuação de Helena Portela, Léo Moita e Marcel Szymanski.

Serviço:
O Incrível Menino Preso na Fotografia
Dias 09, 10, 11, 16, 17 e 18 de outubro de 2015
Sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 18h.

Ensaio para um Adeus Inesperado
Dias 23, 24, 25, 30, 31 de outubro e 01 de novembro de 2015
Sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 18h

O Negrinho do Pastoreio
Dias 10, 11, 17, 18, 24, 25, 31 de outubro e 01 de novembro de 2015
Sempre às 16h.

Local:
Teatro Eva Herz - Livraria Cultura - Shopping Curitiba (Rua Brigadeiro Franco, 2300).
Ingressos R$ 30,00 e 15,00 (meia entrada) na bilheteria do teatro.
Informações - 41 3941-0292 e 9685 4999.

Oficina na Fundação Ema Klabin ensina crianças se retratarem em bonecos de pano



 Com diferentes tecidos, lãs,  linhas e muita criatividade,  crianças confeccionam autorretratos em bonecos. 



Que tal fazer uma boneca ou um boneco de pano que tenha as suas características? Em comemoração ao mês das crianças, o setor educativo da  Fundação Ema Klabin em parceria com a artista plástica Amanda Rovai realiza a oficina Bonecar.


Nessa oficina, crianças de 6 a 10 anos, acompanhadas dos pais, irão se divertir aprendendo técnicas para  confeccionar bonecos ou bonecas de pano que tenham suas características.

A atividade vem acompanhada de uma visita à Casa-museu Ema Klabin que conta com mais de 1500 obras de grandes mestres da arte mundial.

Serviço:

Oficina Bonecar com a artista Amanda Rovai

Data: 10/10/2015 (sábado)

Horário: 14h às 17h

Indicação: Para crianças entre os 6 a 10 anos, acompanhadas pelos pais.

Inscrição: educativo@emaklabin.org.br 

Vagas: 20

Gratuito

Local: Fundação Ema Klabin - Rua Portugal, 43, Jardim Europa, São Paulo. Telefone s(11) 3062 5245  (11) 38973232

Aldo The Band lança o álbum “Giant Flea” em show especial em São Paulo




Formado pelos irmãos André e Murilo Faria, o Aldo The Band se apresenta no dia 09 de outubro no MIS, Instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. O show marca o lançamento do novo disco da banda, “Giant Flea”, que chega ao mercado brasileiro pela Skol Music. Misturando influências do indie-rock e da música eletrônica, o grupo quer trazer para o palco um formato de show que expresse sua nova identidade. “Nossa intenção é continuar trazendo uma performance energética, mas com mais foco na musicalidade e nas múltiplas referências de nosso novo disco”, explica André.

Após uma passagem elogiada pelo Canadian Music Week e muitos shows pelo Brasil, o grupo voltou sua atenção para o novo disco, com semanas de ensaio e muita conversa para afinar o formato final. No repertório, novidades como “Second Hand Chest”, livremente inspirada em um violão folk setentista estilo Wilco, e “Liquid Metal”, hit de pista com um beat eletrônico pesado na tradição de artistas como Mr. Oizo.

Com produção dos Aldos André (guitarra, produtor e vocalista) e Murilo Faria (sintetizadores, produtor e DJ) e direção artística de Dudu Marote, o disco evidencia o talento de composição e a criatividade da banda, que conta também com o reforço de palco de Érico Theobaldo (bateria) e Isidoro Snake (baixo). “Eu e Mura consideramos fundamentais as seguintes etapas de composição: gravar, buscar timbres, arredondar letras, testar microfones, amplificadores e maneiras alternativas de buscar um som”, explica André. Todos esses elementos ganham força no palco, com a apresentação energética e pesada da banda.

"Giant Flea" está à venda no iTunes, disponível em todas as plataformas de música via streaming e pode ser ouvido no canal da Skol Music no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=zIfv5bfqYYo&list=PLnFV59amFCNwc2ZGrqDyf5fklcqnQfU69.

Serviço
Show: Aldo The Band - Lançamento de “Giant Flea”
Data: 09 de outubro (sexta)
Horário: 21h30
Local: Auditório MIS
Endereço: Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo
Informações: (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Ingressos: R$14 (inteira) R$7 (meia) na Recepção MIS (terças a sextas, das 12h às 21h30; sábados, domingos e feriados das 11h às20h30) e pelo site www.ingressorapido.com.br
Capacidade: 172 lugares
Censura: 14 anos

FLY estreia na trilha de Malhação




A banda jovem mais popular do momento, o FLY, agora também pode ser ouvida na trilha sonora de Malhação, na Rede Globo. A música “O Que Você Tem”, estreou essa semana no seriado. “Nós crescemos assistindo Malhação e ter uma música nossa lá é muito mais que a realização de um sonho. Estamos muito felizes e orgulhosos!” – diz Paulo Castagnoli.

“O Que Você Tem” (https://www.youtube.com/watch?v=jHOmHE_it2I) traz a participação do rapper Mael Maria. O single, que faz parte do EP “Mais Um” (2015), foi produzido por Pe Lu e Koba, da banda Restart, em parceria com o produtor Bruno Didio (Manu Gavassi). A música tem sido uma das mais pedidas nos shows e em breve ganhará um videoclipe.

Enquanto isso, Caíque Gama, Paulo Castagnoli e Nathan Barone seguem em turnê pelo Brasil. 
As próximas datas são:
03/10 - Recife/PE (Coca Cola Festival)
04/10 - Piracicaba/SP
04/10 - Barueri/SP
10/10 - Campinas/SP
11/10 - Campo Largo/PR
17/10 - Jundiaí/SP
31/10 - Salvador/BA (Coca Cola Festival)

Com apenas dois anos de carreira, o FLY tem chamado a atenção do público jovem. O grupo tem mais de 30 milhões de visualizações no seu canal no YouTube, possui centenas de milhares de seguidores nas redes sociais e uma enorme legião de fãs que cresce a cada dia.

Canais Oficiais FLY:

Movimento pela exibição alternativa de filmes chega a Curitiba nesta quarta-feira (7)




Em meio à crise do cinema autoral brasileiro, a Caixa Preta Espaço Cultural torna-se um circuito popular de exibição.

O cinema autoral brasileiro passa por um cenário alarmante. Além dos cinemas de rua sofrerem uma quase extinção em todo o país - segundo dados divulgados pela Ancine (Agência Nacional do Cinema), desde 1975 foram fechadas quase mil salas de cinema -, as produções de médio e pequeno porte têm acumulado, ano após ano, uma bilheteria pífia no circuito comercial. São produções que voltam de Festivais do exterior com prêmios e críticas positivas, mas nas salas somam uma média de 10 mil espectadores. Esse é o reflexo de um país que financia a produção mas não a distribuição.

Diante disso, unindo-se a movimentos independentes de todo o Brasil, a Caixa Preta Espaço Cultural, no bairro São Francisco, inaugurou o Cinema de Quarta, em que pretende exibir toda quarta-feira filmes e documentários autorais com entrada franca! Nessa quarta (7), às 19h30, será exibido o filme “Quase Samba”, distribuído de forma alternativa pelo diretor Ricardo Targino. Segundo ele, a parceria com redes e movimentos sociais pretende constituir um circuito popular de exibição. “Nosso maior desafio é devolver ao Brasil o audiovisual que o Brasil financia, pois não é justo que o cinema brasileiro se esqueça do povo que, aliás, paga a conta. Eu estou fazendo o que posso com meu filme e torço para que seja só o primeiro de muitos que queiram encontrar nosso tempo e nossas questões no tecido mesmo da vida, nestes territórios todos dos Brasis”, declara o diretor.

No filme, a jovem cantora de samba Teresa mora com Shirley (Cadu Fávero) e seu filho, enquanto aguarda um outro bebê e é obrigada a se dividir entre o amor do bondoso Charles e a relação abusiva de Fernando (Otto). No desenrolar da trama, são abordadas questões sobre o feminino (e feminismo), homossexualidade, periferia e violência.

Além da exibição, a Caixa Preta possui lanches, como o wrap vegetariano por R$5, cerveja barata e drinks com preços promocionais. Descendente do antigo Blues Velvet Bar, a proposta do é integrar a cultura boêmia da região com eventos culturais que englobem diversos tipos de arte. O espaço também é aberto aos produtores audiovisuais e artistas no geral que desejam exibir suas obras. O contato pode ser feito pela página do Caixa Preta Espaço Cultural no Facebook, onde também consta a programação semanal.

Serviço:
Cinema de Quarta exibe Quase Samba
Local:
Caixa Preta Espaço Cultural (Rua Trajano Reis, 314 – São Francisco).
Data e horário: 07/10 (quarta-feira), às 2=19h30.
Entrada franca
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/403637089839184/
Contato: (41) 9738-2971